Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 73 Número 6




Voltar ao sumário

 

Investigação

Envelhecimento cutâneo: estudo comparativo clínico hispatológico e histoquímico de áreas expostas e não expostas à luz solar

Skin aging: a comparative clinical, histopathological and histochemical study of exposed and non-exposed areas to sunlight


EVILMARA ADÉLIA PAGANI1, ANGÉLICA MARIA PEREIRA DE JESUS1, GERSON COTTA PEREIRA2, RENÉ GARRIDO NEVES3

1Pós-graduanda do curso de especialização em Dermatologia da Faculdade de Ciências Médicas - UERJ
2Professor Titular do Departamento de Histologia e Embriologia - UFRJ
3Professor Titular de Dermatologia - UFRJ

_Recebido em 10.9.97._ _Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 1.10.98._ *Trabalho realizado na disciplina de Dermatologia e Sifiligrafia da Faculdade de Ciências Médicas, apresentando como tese para obtenção do título de Professor Titular em Dermatologia da UERJ.*

Correspondência:
Leninha Valério do Nascimento Rua General Severiano, 40 Bl. A/1008 Rio de Janeiro RJ 22290-040

 

Resumo

FUNDAMENTOS - Alterações cutâneas involutivas da cronossenescência, agravadas pela ação continuada da luz solar apresentam correlação direta com as lesões epidérmicas e dérmicas. OBJETIVO - Estudo comparativo clínico, histopatológico e histoquímico de áreas expostas e não expostas à luz em idosos de pele clara (tipos I e II, dc Fìtzpatrick). METODOLOGIA - Biópsias da pele em áreas expostas e não expostas à luz solar em 17 indivíduos brancos, com idade variável de 64 a 82 anos. Os fragmentos da pele foram incluídos em parafina, e os cortes histológicos, submetidos às técnicas de H-E, picrosírius, resorcina-fucsina, PAS, Alcian blue (pH- 2,5 e 0,4) e imuno-histoquímica com anticorpo monoclonal antielastina. As alterações cutâneas da actinossenescência e da cronossenescência foram comparadas com as microscópicas epidérmicas e dérmicas. RESULTADOS - As lesões da actinossenescência foram: melanose (todos); atrofia (15); cutis laxa (13); hipomelanose em gotas (11); ceratose actínica, pele citrina e xerodermia (nove de cada); púrpura (cinco); pseudocicatrizes estelares e ceratodermia marginada das palmas (quatro de cada). A análise histopatológica e histoquímica revelou: a. diferença entre as alterações de actinossenescência e cronossenescência; b. correlação entre a intensidade das alterações cutâneas e o grau de elastose, c. presença de quantidade exígua de colágeno nas lesões elastóticas iniciais e desaparecimento nas tardias, com permanência de algumas fibras reticulares; e d. identificação pela imuno-histoquímica da elastina nas fibras alteradas e coradas pela resorcina-fuscina. CONCLUSÃO – A da cronossenescência são mais pronunciadas nas áreas expostas, havendo gradação de intensidade com a elastose subjacente.

Palavras-chave: CRONOSSENESCÊNCIA, ACTINOSSENESCÊNCIA, ENVELHECIMENTO DA PELE

© 2018 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações