Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 73 Número 6




Voltar ao sumário

 

Investigação

Melanoma em equídeos de pelagem branca - frequência, distribuição e lesões em carcaças

Melanomas in horses with light-colored fur - frequency, distribution and lesions in carcasses


GERCIO LUIZ BONESI1, ANA PAULA F. R. L. BRACARENSE2, LORIVALDO MINELLI3

1Professor M. Sc., Faculdade de Medicina Veterinária, Universidade do Oeste Paulista, UNOESTE - Presidente Prudente, SP. Ministerio da Agricultura, Serviço de Inspeção Federal, Londrina - PR.
2Professora Adjunta. Doutora. Departamento de Medicina Veterinária Preventiva - Universidade Estadual de Londrina - PR.
3Professor Adjunto. Doutor. Departamento Clínica Médica, Centro de Ciências da Saúde - Universidade Estadual de Londrina, PR.

_Recebido em 03.12.97._ _Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 01.10.98._ *Trabalho realizado no 52º Congresso Brasileiro de Dermatologia, Brasília, DF, de 6 a 10 outubro de 1997.*

Correspondência:
Gercio Luiz Bonesi Rua Ibirã, 144 Londrina PR 86062-520

 

Resumo

FUNDAMENTOS - Entre as espécies de animais domésticos, a de maior incidência no desenvolvimento de melanomas são os equídeos. São freqüentes em animais velhos, de pelagem branca ou tordilhos, localizando-¬se principalmente no períneo e na base da cauda, formando lesões nodulares. OBJETIVOS - Conhecer a freqüência de melanomas em equídeos de pelagem clara (brancos, tordilhos, albinos) abatidos em matadouro, sua distribuição e lesões microscópicas em carcaças. MATERIAL E MÉTODOS - Realizou-se uma pesquisa entre 1991 e 1994, com 2.982 eqüídeos de pelagem clara, acima de cinco anos, abatidos em matadouro-frigorífico no Paraná. Foram analisadas frequência, distribuição e regiões anatômicas acometidas pelo melanoma em carcaças inspecionadas durante exame sanitário post-mortem. RESULTADOS - 70,5% das carcaças apresentavam melanomas. Não houve diferença estatisticamente significativa entre os sexos. Os tumores variavam, em suas dimensões, de 0,1 a l0cm de diâmetro, de consistência firmes, coloração negra, solitários ou disseminados, alguns apresentando formas irregulares. As principais regiões afetadas foram musculatura estriada esquelética, cavidade torácica e pélvica, corpos vertebrais principalmente lombares e sacrais. As nodulações foram avaliadas por meio do estudo histopatológico, confirmando o diagnóstico de melanomas, com metástases. CONCLUSÕES - Melanomas são freqüentes em carcaças de eqüídeos acima de cinco anos com pelagem branca e tordilhos. As lesões ocorrem em diversos tecidos, sendo observadas no exame post-mortem. Essa espécie animal pode ser utilizada como modelo de estudos da biologia da célula tumoral de melanomas.

Palavras-chave: NEOPLASIA, CAVALOS, MELANOMA

© 2018 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações