Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

10

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

10

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 80 Número 3




Voltar ao sumário

 

Caso Clínico

Microepidemia de tinha do couro cabeludo por Microsporum canis em creche de Vitória - Espírito Santo (Brasil)

Tinea capitis micro-epidemic by Microsporum canis in a day care center of Vitória - Espírito Santo (Brazil)


THAIZ GAVA RIGONI GURTLER1, LUCIA MARTINS DINIZ2, LARISSA NICCHIO3

1Pós-graduada pelo Serviço de Dermatologia da Escola de Medicina da Santa Casa de Misericórdia de Vitória - EMESCAM - (ES); Especialista em dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD).
2Professora Assistente do Serviço de Pós-Graduação em Dermatologia da Escola de Medicina da Santa Casa de Misericórdia de Vitória - EMESCAM (ES).
3Pós-graduada pelo Serviço de Dermatologia da Escola de Medicina da Santa Casa de Misericórdia de Vitória - EMESCAM (ES).

Recebido em 14.07.2003. Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 08.12.2004. Trabalho realizado na Escola de Medicina da Santa Casa de Misericórdia de Vitória - EMESCAM (ES) - Brasil.

Correspondência:
Thaiz Gava Rigoni Gürtler Av. Nossa Senhora dos Navegantes, 451 Ed. Petro Tower - conj. 809-811 Clinica AngioDerm Bairro Enseada do Sua 29050-335 Vitória Espírito Santo Tel/fax: (27) 2123-1020 "E-mail":thaizrig@hotmail.com

 

Resumo

Tinha do couro cabeludo é infecção da pele e cabelos dessa área, causada pelos dermatófitos do gênero Microsporum e Trichophyton. Acomete preferencialmente crianças pré-escolares e escolares, devido ao maior contato com fontes de infecção. Os autores relatam uma microepidemia de tinha do couro cabeludo em 11 crianças de uma creche pública de Vitória (ES), entre dois e seis anos de idade, 61% do sexo masculino. Apresentavam lesões arredondadas, escamosas, tonsurantes, grandes e únicas, nas regiões frontal, occipital, parietal, e, em dois casos, o couro cabeludo estava difusamente acometido. Os micológicos diretos mostravam parasitismo tipo ectotrix, e 45,5% das culturas foram positivas para Microsporum canis, justificadas pela história de contato entre algumas crianças da creche e cães errantes pelo bairro.

Palavras-chave: MICOSES, MICROSPORUM, TINHA DO COURO CABELUDO

© 2017 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações