Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

6

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

6

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 80 Número 3




Voltar ao sumário

 

Caso Clínico

Tumor de Bednar (dermatofibrossarcoma protuberante pigmentado): relato de um caso

Bednar tumor (pigmented dermatofibrosarcoma protuberans): a case report


PATRÍCIA MOTTA DE MORAIS1, ANTONIO PEDRO MENDES SCHETTINI2, CARLOS ALBERTO CHIRANO RODRIGUES3, GREICIANNE FERREIRA NAKAMURA4

1Médica Dermatologista, sócia efetiva da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), e Médica da Fundação Alfredo da Matta - Fuam (AM).
2Médico Dermatologista, sócio efetivo da SBD e mestre em Patologia Tropical pela UFAM (Universidade Federal do Amazonas), médico da Fundação
3Médico Dermatologista da Fundação Alfredo da Matta - Fuam (AM).
4Médica Dermatologista, sócia efetiva da SBD.

Recebido em 05.05.2003. Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 28.11.2003. Trabalho realizado na Fundação Alfredo da Matta - Fuam - Manaus (AM) - Brasil

Correspondência:
Patrícia Motta de Morais Rua Rio Jutaí, 1139 apto. 704 - Ed. Saint Patrick Conjunto Vieiralves - Nossa Senhora das Graças 69053-020 Manaus AM Tel: (92) 633-1015 Fax: (92) 663-3155 "E-mail":pattymmorais@hotmail.com

 

Resumo

O tumor de Bednar é uma rara neoplasia da pele, considerada variante pigmentada do dermatofibrossarcoma protuberans. O diagnóstico é confirmado pelo exame histopatológico e estudo imuno-histoquímico. O tumor de Bednar é agressivo localmente, recidivando com freqüência, mas raramente ocorrem metástases. O procedimento terapêutico mais adequado é a cirurgia micrográfica de Mohs. Relata-se o caso de uma paciente de 35 anos, portadora dessa rara neoplasia, cujo diagnóstico foi estabelecido por exame histopatológico e estudo imuno-histoquímico. Ressalta-se a importância de o dermatologista estar atento para suspeitar do diagnóstico e dispor dos meios necessários para confirmá-lo, adotando a melhor conduta.

Palavras-chave: DERMATOFIBROSSARCOMA/DIAGNÓSTICO, FIBROSSARCOMA/DIAGNÓSTICO, NEOPLASIAS CUTÂNEAS/CIRURGIA, DERMATOFIBROSSARCOMA/CIRURGIA, NEOPLASIAS CUTÂNEAS/DIAGNÓSTICO, IMUNO-HISTOQUÍMICA

© 2017 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações