Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 73 Número 3




Voltar ao sumário

 

Caso Clínico

Leishmaniose tegumentar americana (LTA) difusa em paciente infectado pelo vírus da imunodeficiencia humana (HIV): relato do caso

American cutaneous Leishmaniasis (LTA) in an HIV-positive patient: a case report


ARILSON AKIRA MORIMOTO1, RUBENS PONTELLO2, ROGÉRIO LUIZ EISELE3, HELENA KAMINAMI MORIMOTO4, ANDRÉ LUIZ BORTOLIERO5

1Médico Infectologista, 17ª Regional de Saúde de Londrina, DST / Aids.
2Docente de Dermatologia e Imunologia Clínica
3Médico Residente de Anatomia Patológica
4Docente de Imunologia Clínica
5Docente de Doenças Infecciosas e Parasitárias

Recebido em 20.8.97. Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 29.01.98. * Trabalho realizado no Centro de Ciências da Saúde da Universidade Estadual de Londrina.

Correspondência:
Arilson Akira Morimoto Rua Alfredo Battini, 155/304 Londrina PR 86062-280 Tel: (043) 327-6965

 

Resumo

Paciente acompanhado pelo Setor de Doenças Infecciosas e Parasitárias, do Hospital Universitário Regional do Paraná (HURNP), desde janeiro de 1991, com o diagnóstico de infecção pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV), feito na ocasião por teste imunoenzimático (Elisa) e Western Blot. Manteve-se assintomático até 1994, quando passou a apresentar lesão papuloeritematosa ulcerada no punho direto, cua biópsia permitiu estabelecer o diagnóstico de leishmaniose tegumentar americana. Foi, então, submetido a tratamento com N-metilglucamina, sem resposta clínica. A terapêutica com anfotericina B, iniciada em seguida, teve bom resultado, mas foi interrompida pelo paciente, que mão mais compareceu ao ambulatório. Em março de 1995, retornou ao Serviço, com quadro de monilíase oral, diarréia e lesões maculares, melanodérmicas e polimórficas generalizadas, predominantemente localizadas nos membros superiores e inferiores. A biópsia dessas lesões confirmou, mais uma vez, o diagnóstico de LTA tendo sido positiva (1:640) a pesquisa no soro, por imunofluorescência indireta, de IgG anti- Leishmania braziliensis. Foi, então, reintroduzido o tratamento com anfotericina B.

Palavras-chave: HIV, LEISHMANIOSE MUCOCUTÂNEA, SÍNDROME DE IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA

© 2018 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações