Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

4

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

4

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 62 Número 2




Voltar ao sumário

 

Artigos originais

Ação in vitro do itraconazol (R-51.211) sobre a malassezia furfur

In vitro activity of itraconazole (R-51.211) against malassezia furfur


ELISABETH MARIA HEINS VACCARI1, NATALINA TAKAHASHI DE MELO1, CARLOS DA SILVA LACAZ2, GILDO DEL NEGRO3, ALBERTO SALEBIAN1

1Micologista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo
2Chefe dos Laboratórios de Micologia Médica do Inst. de Medicina Tropical de São Paulo e Laboratório de Investigação Médica - LIM 53/Hospital das Clínicas - Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo - Pesquisador do CNPq.
3Prof. Adjunto da Clínica de Doenças Infecciosas e Parasitárias da Faculdade de Medicina da USP - Médico do LIM 53/H.C. - FMUSP

Correspondência:
C. S. Lacaz R. José Maria Lisboa, 558 - 5º and. 01423 - São Paulo - SP

 

Resumo

Os Autores estudaram “in vitro” a ação do itraconazol (R-51.211) sobre 12 amostras de Malassezia furfur incubadas a 37°C em caldoSabouraud com 3% de bile de boi e óleo de oliva. Os resultados obtidos indicam que, a partir de 0,5microg/ml, aquela levedura lipofílica é inibida pelo itraconazol (novo derivado triazólico sintetizado pela Janssen Pharmaceutica - Beerse, Bélgica), que vem sendo utilizado por via oral, ainda em caráter experimental, em várias micoses superficiais e profundas, possuindo largo espectro de ação contra os microorganismos agentes desses processos. Em estudo anterior, HEINS-VACCARI et al (1984), trabalhando com 8 amostras de M. furfur e, no momento, estudando mais 2 outras amostras, verificaram que o ketoconazol in vitro é mais ativo que o itraconazol em relação a esta levedura, enquanto o BAY n 7133, outro derivado imidazólico, inibe M. furfur somente a partir de 4microg/ml. Os dados obtidos in vitro estão de acordo com a experimentação clínica até agora conduzida, incluindo o itraconazol por via oral como terapêutica alternativa de pitiriasis versicolor.

© 2018 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações