Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

15

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

15

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 73 Número 3




Voltar ao sumário

 

Comunicação

Terapia intravenosa com imunoglobulina em dermatologia. Resumo e experiência de um centro de dermatologia

Intravenous immunoglobulin therapy in Dermatology. Overview and center experience *


UWE WOLLINA1, ANETTE LOOKS2, HANS JÜRGEN KAMMLER2

1Professor de Dermatologia
2Médico

_Recebido em 27.11.97._ _Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 27.01.98._ *Trabalho realizado no Departamento de Dermatologia da Friedrich Schiller University.

Correspondência:
Uwe Wollina, M.D. Erfurter Street 35 Jena 07740 Germany "E-mail":uwol@derma.uni-jena.de

 

Resumo

FUNDAMENTOS - Terapia intravenosa com imunoglobulina (IVIGT) é eficaz em imunodeficiências e desordens neurológicas de fundo imunológico. Embora a experiência em Dermatologia ainda seja limitada, IVIGT pode ser benéfica em certos tipos de desordens. OBJETIVOS - A experiência com IVIGT em doenças dermatológicas é relatada em dez pacientes do Departamento de Dermatologia da Universidade de Jena. Um breve resumo da literatura relevante é incluída. MÉTODO - Dez pacientes com diagnósticos dermatológicos diferenciados foram tratados para cura ou profilaxia com IVIGT usando uma média de 400mg de imunoglobulina pasteurizada líquida 7S por kg de peso e por dia: o tratamento inicial foi administrado durante 5-6 dias, seguido de única infusão mensal até obter resposta. RESULTADOS - Observamos uma cura completa ou parcial em pacientes com imunodeficiências secundárias e nos casos de feridas crônicas recalcitrantes ou profilaxia secundária de erisipela. Uma cura completa ou parcial foi obtida em doenças do tecido conjuntivo como panarterite nodosa (n=2), morféia pan-esclerótica infantil (1) mas não para lúpus sistêmico ou urticária vasculite. CONCLUSÃO – IVIGT não é uma terapia de primeira linha em Dermatologia, com exceção da Síndrome de Kawasaki, mas parece ter eficácia clínica para alguns pacientes com dermatomiosite, epidermólise bolhosa adquirida e panarterite nodosa.

Palavras-chave: IMUNOGLOBULINAS ENDOVENOSAS, DERMATOPATIAS

© 2018 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações