Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

41

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

41

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 73 Número 2




Voltar ao sumário

 

Investigação

Morfologia do intestino delgado na dermatite herpetiforme: experiência do Hospital Universitário Federal do Rio de Janeiro, Brasil

Small intestinal morphology in dermatitis herpetiformis: experience of the Federal University Hospital of Rio de Janeiro, Brazil


CELESTE ELIA1, ANTONIO JOSÉ CARNEIRO2, ANA TERESA P. CARVALHO3, CYRLA ZALTMAN1, HEITOR SIFFERT DE SOUZA3, HOMERO FOGAÇA2, JUAN MANUEL PIÑEIRO MACEIRA1

1Professor Adjunto
2Professor Assistente
3Doutorando

_Recebido em 21.8.97._ _Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 10.12.97_ *Trabalho realizado no Laboratório Multidisciplinar de Pesquisa, Departamento de Clínica Médica, aculdade de Medicina, Hospital Universitário Clementino Fraga Filho da Universidade Federal do Rio de Janeiro - HUCFF/UFRJ.*

Correspondência:
Celeste Elia Rua Prudente de Morais, 478/201 Rio de Janeiro RJ 22420-040 Tel: (021) 521-4877 Fax: (021) 270-2193

 

Resumo

FUNDAMENTOS - Dermatite herpetiforme (DH) é uma crônica e papulovesicular com depósitos de IgA na pele. A maioria dos pacientes apresenta anormalidades da mucosa intestinal proximal, simulando enteropatia glúten-sensitiva comum. OBJETIVOS - Estudar as alterações da mucosa jejunal associadas à DH. MÉTODOS - Forma estudadas, em 12 pacientes com DH, as alterações da mucosa jejunal, pela análise histomorfométrica, incluindo relação vilosidade-cripta, celularidade da lâmina própria e contagem dos linfócitos intraepiteliais. RESULTADOS - Apenas 58% dos pacientes apresentavam depósitos granulares de IgA na pele, em contraposição aos 90% relatados na literatura. Mucosa jejunal plana e aumento do número de células de lâmina própria estavam associados aos depósitos granulares de IgA na pele. O número de linfócitos intraepiteliais era normal. CONCLUSÃO - Biópsia jejunal deve ser realizada somente em pacientes com padrão cutâneo granular, que podem se beneficiar de uma dieta livre de glúten.

Palavras-chave: BIÓPSIA, DERMATITE HERPETIFORME, INTESTINO DELGADO

© 2018 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações