Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

22

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

22

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 73 Número 2




Voltar ao sumário

 

Comunicação

Estudo in vivo da atividade antimicótica (dermatófitos) da geléia real

Study in vivo of antimycotical activity (Dermatophytes) of royal jelly


CRISTINA DE ZOTTI NASSIS1, ALINE MIRANDA SANTA LÚCIA MORGADO2, ANA PAULA FERREIRA RODRIGUES2, ANDRÉA CASSETTARI2, FLÁVIA REGINA DE LUCENA HOMEM DE MELLO2, CELSO PIERALINI3, FRANCISCO MACEDO PASCHOAL4, LUIZ HENRIQUE CAMARGO PASCHOAL5

1Professora de Farmacologia - FMABC. Mestre em Farmacologia. Instituto de Ciências Biomédicas - USP.
2Acadêmica
3Residente de Dermatologia
4Dermatologista. Professor Assistente de Dermatologia
5Dermatologista. Professor Titular; Chefe do Serviço de Dermatologia

_Recebido em 26.6.97._ _Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 27.11.97._ *Trabalho realizado nas disciplinas de Farmacologia e Dermatologia da Faculdade de Medicina do ABC - FMABC e apresentado no 51º Congresso Brasileiro de Dermatologia. 4º lugar, setembro de 1996.*

Correspondência:
Andréa Cassettari Rua Wanderley, 312/61 São Paulo SP 05011-00 Tel: (011) 3872-8175

 

Resumo

A geléia real é substância secretada pela glândula existente no encéfao das abelhas obreiras. É popularmente conhecida como tônico energético para retardas efeitos da idade a amenizar sofrimentos das doenças crônicas. Em estudo anterior, observou-se a atividade antimicótica _in vitro_ da geléia real contra fungos dermatófitos, sendo o objetivo do presente trabalho o estudo _in vitro_ (modelo animal) da atividade antimicótica da geléia real contra esses dermatófitos já estudados _in vitro_. Os resultados mostraram significativa atividade _in vivo_ antimicótica presente contra _Epidermophyton floccosum_, _Microsporum canis_ e _Microsporum gypseum_, mas até a concentração máxima utilizada não atuou sobre o _Trichophyton sp._

Palavras-chave: DERMATÓFITOS, ABELHAS, ANTIMICÓTICOS

© 2018 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações