Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

5

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

5

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 73 Número 1




Voltar ao sumário

 

Investigação

Basaliomas incompletamente excisados: significado prognóstico a curto prazo

Incompletely excised basal cell carcinoma: short-term follow-up prognosis


PAULO JORGE DA SILVA FERREIRA1, MIGUEL P. CORREIA2

1Interno do 3º ano do Internato Complementar de Dermatovenereologia.
2Assistente Hospitalar.

_Recebido em 28.5.97._ _Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 20.11.97._ *Trabalho realizado na Clínica Dermatológica Universitária do Hospital de Santa Maria, Lisboa, Portgal.

Correspondência:
Paulo Jorge da Silva Ferreira Clínica Dermatológica Universitária H. S. Maria Av. Professor Egas Moniz, 1699 Lisboa Codex Portugal Tel: (00351) 17961577 Fax: (00351) 17954447

 

Resumo

FUNDAMENTOS - O basalioma é a neoplasia epitelial maligna mais freqüente. O tratamento cirúrgico é a solução normalmente utilizada e tem por objetivo imediato a remoção tumoral completa. OBJETIVOS - Avaliar a evolução clínica dos doentes de basalioma cuja excisão foi incompleta, bem como a atitude clínica a adotar nessas circunstâncias. MÉTODOS - Entre 1991 e 1993 foram tratados no serviço de Dermatologia do Hospital de Santa Maria, em Lisboa, 555 casos de basalioma, tendo sido feita excisão cirúrgica das lesões. De acordo com o resultado histológico, constatou-se que em 23 doentes a exérese foi incompleta. Nos três casos de recidiva, dois foram submetidos a cirurgia micrográfica de Mohs, tendo o terceiro recusado tratamento. RESULTADOS - Não foi possível o acompanhamento de quatro doentes. Em 19 pacientes, o tempo médio de _follow-up_ 34 meses variando de dois a sessenta meses. Dentre eles, 16 não tiveram evidência clínica de recidiva e em três houve reaparecimento de lesão. O período médio entre excisão e recidiva foi de 22 meses, situando-se os extremos em 18 e trinta meses, respectivamente. CONCLUSÕES - Quando, após tratamento cirúrgico de basalioma, a excisão é incompleta, deve-se efetuar vigilância semestral do doente nos primeiros dois anos, e anual, nos seguintes. Quando há recidiva, a cirurgia micrográfica de Mohs é o tratamento adequado.

Palavras-chave: CARCINOMA, CARCINOMA BASOCELULAR

© 2018 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações