Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

3

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

3

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 73 Número 1




Voltar ao sumário

 

Investigação

Porfiria cutânea tardia experimental e fotossensibilidade

Experimental porphyria cutanea tarda and photosensitivity *


ANA MARIA FERREIRA ROSELINO1, ISABELA MARIA BERNADRDES GOULART2, JACY BERTI ROSATELLI3, MARIA DA GRAÇA SOUZA CUNHA3, MEIRE SOARES ATAÍDE OLIVEIRA2, NORMA TIRABOSCHI FOSS4

1Professora Doutora
2Doutoranda
3Mestranda
4Professora Associada

_Recebido em 18.12.96._ _Aprovado pelo Conselho consultivo e aceito para publicação em 20.8.97._ *Trabalho realizado na Divisão de Dermatologia.Departamento de Clínica Médica.Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo e apresentado como poster no 5º Congresso da Academia Européia de Dermatologia e Venereologia,em Lisboa,Portugal,outubro 1996.*

Correspondência:
Profa.Dra Ana Maria F.Roselino Divisão de Dermatologia Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto Av.Bandeirantes,3900 Ribeirão Preto SP 14049-900 Tel/Fax: (016) 633-0236 "E-mail":roselino@spider.usp.br

 

Resumo

FUNDAMENTOS- A porfiria cutânea tardia é uma doença metabólica da via porfirina-heme, resultante da deficiência da enzima uroporfirinogênio descarbpoxilase,que induz ao acúmulo de porfirinas, principalmente no fígado e na pele, responsáveis por lesões cutâneas em áreas expostas ao sol. OBJETIVOS - Determinar a espécie animal que melhor corresponda ao modelo experimental da PCT, para o estudo de lesões cutâneas relacionadas à fotossensibilidade. MÉTODO- Ratos, cobaias e camundongos foram submetidos a uma dieta contendo um dos fatores desencandeantes da PCT, o hexaclorobenzeno (HCB), na concentração de 0,25%. Após o surgimento da PCT, os animais foram expostos à radiação ultravioleta,as porfirinas urinárias dosadas e as manifestações cutâneas de fotossensibilidade anotadas,e comparadas ao grupo controle. RESULTADOS - Somente os ratos apresentaram aumento da excreção de porfirinas urinárias, principalmente de uroporfirinas: 60,81µg/24h, neurotoxicidade e lesões cutãneas em áreas fotoexpostas. CONCLUSÃO- Considerando-se as três espécies de animais estudadas, os ratos apresentaram quadro semelhante à PCT encontrada no homem. Em relação às cobaias,sugere-se administrar dieta contendo menor concentração de HCB e prolongar o tmepo do experimento. Os camundongos não se adequaram ao modelo experimental.

Palavras-chave: HEXACLOROBENZENO, PORFIRIA CUTÂNEA TARDIA

© 2018 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações