Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 63 Número 5




Voltar ao sumário

 

Comunicação

Geração de função discriminante linear em dermatóglifos para detecção de grupos de risco em hanseníase

Generation of a linear discriminant function in dermatoglyphics for the detection of high risk groups in leprosy


AGUINALDO GONÇALVES1

1Pesquisador pós-doutoral - Divisão de Clínica Dermatológica - Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (Serviço do Prof. Sebastião Prado Sampaio) - Professor visitante

Correspondência:
Aguinaldo Gonçalves Clínica Dermatológica Fac. Med. da USP 05403 - São Paulo - SP

 

Resumo

Na avaliação de hanseníase como importante problema de saúde pública, sobretudo em países terceiro-mundistas, como destacadamente o Brasil, constata-se, entre outros fatores, a não aplicação corrente de instrumentos tecnológicos para seu diagnóstico precoce. Destes, os dermatóglifos revelam-se de baixo custo, fácil aplicabilidade e total inocuidade Por constituírem importante marcador genético, têm gerado numerosas evidências etiológicas e diagnõsticas para consistente número de doenças; na hanseníase, condição dependente ao menos fortemente da constitucionalidade do hospedeiro, suas contribuições têm se revelado apenas descritivas, dada a variabilidade metodológica dos estudos realizados. Frente a tais constatações, procedeu-se a estudo dermatoglifico de grupos de hansenianos de ambos os sexos, portadores da forma indeterminada da doença, pareados com controles normais por sexo, faixa etãria, core ancestralidade, com vistas a geração de possível função discriminante linear que permita a detecção de grupos de riscos e, em decorrência, a identificação precoce de portadores da doença, em suas sucessivas fases (infecção, doença subclínica, doença manifesta). Os procedimentos clínicos e laboratoriais foram efetivados no Hospital “Lauro de Sousa Lima”; Bauru, SP Os dados dermatoglificos foram coletados e quantificados segundo técnicas padronizadas e processadosno Departamento de Bioestatística do Instituto de Biociéncias da Universidade Estadual Paulista, Campus de Botucatu. A comparação entre os dois vetores de médias para a investigação de duas populações distintas foi realizada através da estatística T2 de Hotelling, considerando-se o conjunto de nove variáveis dermatoglificas quantitativas, estudadas em 49 doen¬tes (25 homens e 24 mulheres) e respectivamente controles sadios pareados. Ouan¬to aos resultados, obteve-se que as características da casuística são compatíveis com o aceito em nosso meio para faixa etária, sexo e ancestralidade, asmédias e coeficientes de variação das variáveis dermatoglificas revelaram homogeneidade das distribuições correspondentes, os testes efetuados revelaram F = 2,385 e 2,439, pa¬ra sexo masculino e feminino, respectiva¬mente, em níveis descritivos de 0,062 e 0,061, o que leva à discussão dos aspectos dermatoglificos, hansenológicos e experimentais envolvidos.

Palavras-chave: DERMATOGLIFOS, MARCADOR GENÉTICO, HANSENÍASE

© 2018 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações