Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 63 Número 6




Voltar ao sumário

 

Comunicação

Tinha favosa em campinas, estado de São Paulo


RAYMUNDO MARTINS CASTRO1, FLAMINIO DE ALMEIDA MACIEL2, ALBERTO EDUARDO COX CARDOSO2, MARIA ELIZABETH N. NANINI2

1Ex-Professor Titular
2Ex-Professores Assistentes

Faculdade de Ciência Médicas da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) - Disciplina de Dermatologia

Correspondência:
Av. Prof Afonso Bovero 377 01254 - São Paulo - SP

 

Resumo

Os autores relatam suas observações sobre 28 doentes de favo observados em Campinas, ,Estado de São Paulo. O exame micológico direto foi positivo em todos e 12 amostras de Trichophyton schónleinii foram isoladas. Foram vistos casos clínicos de favo clássico, com godé e também das formas pitirióide e impetigóide. A moléstia persistiu após a puberdade em vários doentes, todos do sexo feminino. Tecem considerações sobre a introdução da moléstia no Brasil julgando que, para o Estado de São Paulo, foi ela trazida em fins do século passado e início deste pelos imigrantes de países da orla do Mediterrâneo. Os doentes foram curados pelo tratamento com a griseofulvina. Os autores acreditam que o favo seja doença em extinção no Brasil.

Palavras-chave: GRISEOFULVINA, TINHA FAVOSA

© 2018 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações