Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

5

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

5

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 63 Número 6




Voltar ao sumário

 

Comunicação

Tratamento da leishmaniose tegumentar americana pelo ketoconazol - Análise de 21 casos e estudo comparativo pareado com o antimoniato de N-metilglucamina (Glucantime)

Treatment of American leishmaniasis with ketoconazole - Analysis of 21 cases and a matched study with pentavalent antimony


MARCELO FRANCISCO DOS SANTOS1, SINEIDA MARIA BERBERT FERREIRA2, JACQUELINE ANITA DE MENEZES3

1Ex-Residente do Serviço de Dermatologia - Ex-Bolsista do CNPq (iniciação científica)
2Residente do Serviço de Dermatologia
3Prof. Adjunto - Serviço de Doenças Infecciosas e Parasitárias

Trabalho realizado no Deptoº de Medicina Clínica da UFF parcialmente apresentado ao XXII Congresso da Soc. Bras. de Medicina Tropical Belo Horizonte 1986

Correspondência:
Jacqueline Anita de Menezes Rua Costa Ferraz, 46 20251 - Rio de Janeiro - RJ

 

Resumo

Vinte e um pacientes com lesões cutãneas foram tratados com ketoconazol na dose de 5-10mglkg/dia por 60 dias em média. Na maioria dos casos tratava-se de infecção por Leishmania braziliensis braziliensis.Três casos não responderam ao tratamento e um teve recaída dois anos após. Entre os que tiveram suas lesões cicatrizadas nenhum o fez em menos de um mês e dez levaram dois meses ou mais para cicatrizar. O menor tempo foi de 32 dias e o maiorde 120 (média 64 dias). Em contraste, no grupo, aproximadamente pareado, tratado com antimoniato de N-metilglucamina, (10-15mg5bV/kg/dia), o tempo médio de cicatrização foi de 34 dias, com o menor de 12 dias e o maior de 91 dias. A tolerância ao ketoconazol foi razoável com três casos de elevação de enzimas, dois deles assintomáticos e um acompanhado de náuseas e vômitos. O ketoconazol não parece representar uma alternativa segura e eficaz às medicações injetáveis.

Palavras-chave: LEISHMANIOSE TEGUMENTAR, TRATAMENTO, LEISHMANIA BRASILIENSIS, TRATAMENTO, KETOCONAZOL

© 2018 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações