Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

5

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

5

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 72 Número 4




Voltar ao sumário

 

Investigação

Contribuição ao estudo ultra-Estrutural das células de Langerhans no condiloma acuminado


MAURO YOSHIAKI ENOKIHARA1, MILVIA MARIA SIMÕES E SILVA ENOKIHARA2, SILVA ENOKIHARA2, WILSON DA SILVA SASSO3, LUIZ HENRIQUE CAMARGO PASCHOAL4

1Mestre em Dermatologia; Médico Assistente. Departamento de Dermatologia
2Mestre em Histologia; Médica. Departamento de Anatomia Patológica.
3Professor Titular de Histologia
4Professor Titular de Dermatologia. Faculdade de Medicina do ABC; Livre-Docente. Escola Paulista de Medicina.

_Recebido em 07.10.96._ _Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 13.3.97_ *Trabalho realizado na Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP - Escola Paulista de Medicina: Tese de Mestrado aprovada no curso de pós-graduação.*

Correspondência:
Mauro Yoshiaki Enokihara Rua José Antônio Coelho. 750/T43 São Paulo SP 04011-062 Tel: (011) 572-7670 Fax: (011) 575-5587 "e-mail":uniderma@saudetotal.com.br

 

Resumo

FUNDAMENTO - O condiloma acuminado ou verruga genital é doença de etiologia viral, causado pelo HPV, e tem sido motivo de inúmeros estudos por seu envolvimento, principalmente, com o câncer ginecológico. As células de Langerhans são imunomoduladores epidérmicos. OBJETIVO - Observar a morfologia das células de Langerhans e das células indeterminadas, estimando seu número nos casos de condiloma acuminado, por meio da microscopia eletrônica. CASUÍSTICA E MÉTODO - O estudo das células de Langerhans foi realizado em seis pacentes do sexo masculino que apresentavam lesões no sulco balanoprepucial. A idade dos pacientes variou entre 17 e 29 anos: o tempo de evolução da doença, de 15 dias a um ano. RSULTADOS - Foram observados: 1. aumento do número de desmossomas nos ceratinócitos do condiloma acuminado; 2. não houve uniformidade de aumento e diminuição na quantidade de organelas citoplasmáticas das células de Langerhans e indeterminadas; e 3. não houve diferenças significativas entre o número de células de Langerhans localizadas na epiderme das áreas com ou sem lesão de condiloma acuminado. CONCLUSÃO - A quantidade encontrada de células indeterminadas foi maior do que a de células de Langerhans observados à microscopia eletrônica, fato esse que não é diferenciado mediante outros métodos de pesquisas conhecidos para as células de Langerhans.

Palavras-chave: MICROSCOPY, ELECTRON, CONDILOMA ACUMINADO, MICROSCOPIA ELETRÔNICA

© 2018 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações