Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 72 Número 4




Voltar ao sumário

 

Investigação

Tratamento da Hipomelanose gotada idiopática por dermabrasão localizada


DÓRIS MARIA HEXSEL1, LÍGIA MARIA FERNANDES SAGGIN2, MARILENE UGHINI3, CLEIRE PANIAGO PEREIRA4, JOUBER BOHN5, ROSEMARI MAZZUCO6

1Médica Dermatologista; Professora Auxiliar de Ensino II
2Médica Dermatologista; Professora contratada de Dermatologia
3Médica Dermatologista; Professora Titular de Dermatologia
4Médica Dermatologista; Dermatopatologista do Instituto de Saúde do Distrito Federal
5Acadêmico do sexto ano
6Acadêmica do sexto ano

_Recebido em 08.8.96._ _Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 03.4.97._ *Trabalho realizado no Serviço de Dermatologia da Faculdade de Medicina da Universidade de Passo Fundo - UPF - apresentado como poster e comunicação oral no 19ª World Congress of Dermatology, Sydney, Austrália, junho de 1997.

Correspondência:
Dóris Maria Hexsel Av. Pátria, 823/302 Carazinho RS 99500-000 Tel/Fax: (054) 331-3310 "E-mail":dorishexsel@annex.com.br

 

Resumo

FUNDAMENTOS - A hipomelanose gotada idiopática é dermatose frequente, inestética, de causa desconhecida e de poucas opções terapêuticas. OBJETIVOS - Propor um tratamento eficaz para a hipomelanose gotada idiopática por dermabrasão localizada. PACIENTES E MÉTODOS - No período de fevereiro de 1995 a março de 1996, vinte pacientes do sexo feminino com idade entre 19 e 66 anos e diagnóstico clínico de hipomelanose gotada idiopática foram tratadas por dermabrasão localizada e acompanhadas. Utilizou-se aparelho portátil de baixa rotação e lixas adamantinas apropriadas para o procedimento, permitindo a abrasão seletiva das lesões. A abrasão foi epidérmica e realizada na faixa de 10.000 a 15.000 rpm, sem anestesia local. CONCLUSÃO - O método mostrou-se rápido, simples, efetivo, seguro, reproduzível e de baixo custo e risco.

Palavras-chave: DERMABRASÃO, MELANOSE

© 2018 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações