Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

7

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

7

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 80 Número 1




Voltar ao sumário

 

Investigação

Neisseria gonorrhoeae: resistência cromossômica à tetraciclina em São Paulo, Brasil

Neisseria gonorrhoeae: chromosomal resistance to tetracycline in São Paulo, Brazil


WALTER BELDA JUNIOR1, LUIZ JORGE FAGUNDES2, LUIS FERNANDO DE GÓES SIQUEIRA3

1Prof. Dr. do Departamento de Dermatologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo
2Prof. Dr. da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo. Centro de Saúde/Escola Geraldo de Paula Souza
3Prof. Dr. do Departamento de Epidemiologia da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo

Recebido em 25.09.2003. Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 04.12.2004. Trabalho realizado no Hospital das Clínicas FMUSP/Faculdade Saúde Pública da USP

Correspondência:
Walter Belda Junior Av. Açocê, 162 - Moema CEP 04075-020 São Paulo - SP Tel: (11) 5051-1921 "E-mail":walterbelda@uol.com.br

 

Resumo

*Fundamento:* A utilização de antimicrobianos no tratamento da gonorréia iniciou-se em 1930 com as sulfonamidas. No decorrer dos anos outras drogas passaram a ser utilizadas, entre elas a tetraciclina. Embora eficaz no início, esta droga, ao longo do tempo, passou a não mais apresentar o resultado terapêutico esperado em virtude do aparecimento de quadros de resistência cromossômica e plasmidial em diversos países. Como a tetraciclina ainda continua sendo indicada, isoladamente ou associada a outras drogas antimicrobianas, para o tratamento da gonorréia no Brasil, tornou-se necessária a realização de um estudo de sensibilidade do gonococo à mesma, no intuito de se estimar a real dimensão da resistência do gonococo à tetraciclina. *Objetivo:* Avaliar a incidência de resistência cromossômica das cepas de _Neisseria gonorrhoeae_ à tetraciclina. *Método:* Estudo da concentração inibitória mínima pelo método de diluição em ágar. *Resultados:* A resistência cromossômica à tetraciclina detectada foi de 40,3% entre todas as cepas estudadas, segundo os critérios estabelecidos pelo Center for Diseases Control. *Conclusões:* Desaconselha-se definitivamente o uso isolado ou associado da tetraciclina e derivados, no tratamento da gonorréia no Brasil, no atual momento epidemiológico.

Palavras-chave: RESISTÊNCIA À TETRACICLINA, _NEISSSERIA GONORRHOEAE_, TESTES DE SENSIBILIDADE MICROBIANA

© 2017 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações