Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 64 Número 4




Voltar ao sumário

 

Temas de atualização

Xeroderma pigmentoso

Xeroderma pigmentosum


MÁRCIO SANTOS RUTOWITSCH1, IGNACIO OBADIA2

1Doutorando em Dermatologia da Faculdade de Medicina da UFRJ - Mestre em Medicina pela UFF - Médico do Hospital dos Servidores do Estado (INAMPS - RJ)
2Professor Adjunto Livre-Docente da Faculdade de Medicina da UFRJ.

*Trabalho realizado no Hospital Universitário Clementino Fraga Filho como parte do programa do Curso de Pós- Graduação em Medicina (Dermatologia) da UFRJ.*

Correspondência:
Rua Figueiredo Magalhães, 226/904 22421 - Rio de Janeiro - R.J.

 

Resumo

Os autores fazem uma revisão sobre esta genodermatose de herança autossômica recessiva, incluindo os nove grupos complementares. Foram observados os aspectos etiopatogênicos induzidos pela radiação ulravioleta e suas manifestações clínicas. Dentre as alterações cutâneas destacam os epiteliomas e o melanoma. Quanto às manifestações "idiotia xerodérmica" ou síndrome de DeSanctis-Cacchione. Outras manifestações foram descritas oculares, ósseas, oral e imunológica. Quanto aos métodos terapêuticos, assinalam a cirurgia e a eletrocoagulação, assim como o emprego do 5-fluorouracil, dos retinóides e a imunoterapia.

Palavras-chave: GENODERMATOSE, SÍNDROME DE DESANCTIS-CACCHIONE, XERODERMA PIGMENTOSO

© 2018 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações