Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 64 Número 5




Voltar ao sumário

 

Comunicação

Prurlgo estrófilo e IgE

Strophulus infantum and IgE


NELSON GUIMARÃES PROENÇA1, LUZ MARINA LARA DE MORALES2, AUGUSTO GROTTI3

1Dermatologista - Chefe da Clínica Dermatológica da Santa Casa de São Paulo
2Bolsista Estagiário da Clínica Dermatológica da Santa Casa de São Paulo
3Dermatologista - Ex-Estagiário da Clínica Dermatológica da Santa Casa de São Paulo

Trabalho realizado em clínica particular

Correspondência:
Nelson Guimarães Proença Rua Prof. Arthur Ramos 241 - 4º andar- conj. 94 01454 - São Paulo -SP

 

Resumo

Foram estudadas 45 crianças com prurigo estrófulo: 27 do sexo masculino e 18 do feminino: 42 caucasóides três mongolóides. A idade no momento da consulta variou entre dois meses e nove anos e era inferior a um ano quando da ocorrência do primeiro surto, em 30 pacientes (66,7%). Atopia pessoal e/ou familiar foi confirmada em 37 crianças (78,9%). A determinação da IgE foi feita no soro pela técnica imunoenzimática (18 casos) ou por radioimunoensaio (27 casos). IgE estava aumentada em 15 pacientes (33,3%)

Palavras-chave: ATOPIA, IGE, PRURIGO ESTRÓFULO

© 2018 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações