Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

5

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

5

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 65 Número 3




Voltar ao sumário

 

Comunicação

Zoster – Mais freqüente entre jovens que entre idosos

Zoster is more frequent among younger age groups


LUIZ GUILHERME MARTINS CASTRO1, SUSY CHEN2

1Médico Residente do Departamento de Dermatologia do HC-FMUSP
2Doutoranda em Medicina pela FMUSP

Trabalho apresentado na Jornada do Dermatologista Jovem da XII R.A.D.L.A. (Montevidéu, maio 1989), sendo premiado com a 2ª menção especial.

Correspondência:
Luiz G. M. Castro Rua Capital Federal, 95 - Sumaré 01259 - São Paulo - SP

 

Resumo

Os autores apresentam dados epidemiológicos de 469 casos de zoster (Z) diagnosticados entre 37.057 consultas feitas ao PS-derma, HC-FMUSP, num período de 27 meses, compreendido entre 1/5/87 e 31/7/89. A frequência média foi de 12.6 casos de Z por mil consultas. Houve predomínio de 1.2 casos masculinos para 1 caso feminino. Apesar da frequência mensal variar grandemente, não foi possível encontrar aspecto de sazonalidade nesta variação. A população acometida pelo Z provinha na sua grande maioria (96.4%) da área metropolitana de São Paulo (Grande São Paulo). No tocante à distribuição dos casos de Z por faixa etária, houve discrepância entre os dados encontrados e os da literatura. Nesta amostra houve nítido predomínio entre pacientes jovens, sendo 47.0% dos casos registrados, diagnosticados em pacientes com idade entre 10 a 39 anos, enquanto os idosos (60 anos ou mais) respondiam por apenas 24.1% dos casos. Os autores acreditam que este não é um achado isolado, mas que reflita a verdadeira distribuição dos casos de Z na Grande São Paulo. Sugerem ainda, que esta distribuição também seja observada em locais onde há grande contingente populacional jovem. Alertam que dados epidemiológicos estrangeiros nem sempre representam a realidade observada em nosso país, devendo ser usados com critério.

Palavras-chave: ZOSTER, EPIDEMIOLOGIA, HERPES ZOSTER

© 2018 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações