Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

6

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

6

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 65 Número 4




Voltar ao sumário

 

Artigos originais

Quantificação de uro e croporfinas urinárias em fotodermatoses

Quantification of urinary uro and coproporphyrins in photodermatites


NORMA TIRABOSCHI FOSS1, ANA MARIA FERREIRA ROSELINO2, OSWALDO DELFINI FILHO3, MARIA NUNES FERREIRA4

1Professor Assistente Doutor do Departamento de Clínica Médica - FMRP-USP
2Professor Assistente do Departamento de Clínica Médica - FMRP-USP
3Médico Assistente - Departamento de Clínica Médica (Dermatologia) junto ao Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP
4Bióloga. Técnica Especializada do Departamento de Clínica Médica da FMRP-USP

Trabalho realizado no Departamento de Clínica Médica (Disciplina de Dermatologia) da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo.

Correspondência:
Norma Tiraboschi-Foss Hospital das Clínicas Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP 14048 - Ribeirão Preto - SP

 

Resumo

Conhecendo que as porfirinas (uroporfirina), quando acumuladas na pele agem como cromóforos, que interagindo com a energia luminosa produzem lesões fotoquímicas que se manifestam por eritema, edema e bolhas em áreas expostas à luz, e ainda que o mecanismo de formação destas lesões fotossensíveis não está bem esclarecido, foram quantificadas as uro e coproporfirinas urinárias em fotodermatoses, excluindo as porfírias, especialmente porfíria cutânea tardia, na qual a manifestação cutânea está relacionada a níveis elevados de porfirinas, principalmente de uroporfirina. Estudou-se os níveis destas porfirinas em 58 pacientes subdivididos em grupos, segundo a fotodermatose: 1. 21 com pelagra; 2. 15 com fotodermatite medicamentosa; 3. 14 transplantados renais (pseudoporfíria?); 4. cinco com lúpus eritematoso cutâneo/sistêmico e 5. três com lucite. Observou-se aumento de porfirinas em 17% do total dos doentes, sendo encontrado níveis aumentados de uroporfirinas urinárias nos grupos 1 e 2. Na pelagra houve aumento em 33% (7/21) dos doentes e em pacientes com fotodermatite medicamentosa 20% (3/15). Os resultados sugerem que as porfirinas urinárias, principalmente as uroporfirinas, podem estar envolvidas na patogênese da pelagra e da fotodermatite medicamentosa, talvez por acometimento da função hepática provocado pelo etilismo crônico, hábito comum em doentes de pelagra, ou uso de medicamentos.

Palavras-chave: FOTODERMATOSES, PORFIRINAS

© 2018 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações