Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

5

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

5

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 65 Número 5




Voltar ao sumário

 

Simpósio Dermatites Vesiculosas e Pustulosas de Mãos

Dermatites eczematosas de mãos – Contribuição dos testes epicutâneaos para seu diagnóstico diferencial

Eczematous dermatitis of hands - Contribution of epicutaneous tesis for differential diagnosis


IDA ALZIRA GOMES DUARTE1, NELSON GUIMARÃES PROENÇA2, ELIZABETH MARIA DE A. DRULLIS3

1Médica Assistente
2Chefe de Clínica
3Estagiária

Trabalho realizado na Clínica Dermatológica da Santa Casa de São Paulo (Setor de Alergia Dermatológica).

Correspondência:
Ida Alzira Gomes Duarte Rua Ministro Ferreira Alves, 1031 - ap 52-B 05009 - São Paulo - SP

 

Resumo

Dermatites eczematosas de mãos frequentemente oferecem dificuldades para o diagnóstico etiológico. Com o objetivo de melhor definir o papel que os testes epicutâneos podem cumprir, no sentido de esclarecer essas dificuldades diagnóticas, testamos 50 pacientes com dermatite eczematosa de mãos. Os diagnósticos iniciais foram: Dermatite de contato por irritação primária (DCIP), 15 casos; Dermatite alérgica de contato (DAC), 23; Dermatite atópica (DA), 11; Disidrose (D), 1. As conclusões do presente trabalho são de que nas diferentes variedades de dermatites eczematosas de mãos, os testes epicutâneos podem ser a chave para o diagnóstico correto: a) confirmando o diagnóstico correto; b) mostrando que uma DCIP pode estar associada a uma DAC, provocada por substância utilizada no próprio tratamento de DCIP; c) estabelecendo quando uma DA pode estar complicada por DAC, devido à sensibilização a substâncias de uso rotineiro, pelo paciente; d) contribuindo para dirimir dúvidas entre o diagnóstico disidrose e de eczema disidrosiforme; e) ainda mais, identificando os pacientes que estão sensibilizados ao níquel, nos quais se justifica um teste posterior de provocação oral (pela ingestão de níquel). Concluindo, consideramos que deve ser rotineira a investigação dos pacientes com dermatite eczematosa de mãos, através dos testes epicutâneos.

Palavras-chave: DERMATITE DE MÃOS, TESTES EPICUTÂNEAOS

© 2018 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações