Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

15

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

15

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 66 Número 2




Voltar ao sumário

 

Farmacologia clínica

Tratamento da leishmaniose tegumentar americana pelo antimoniato de n-metil-glucamina. Estudo duplo-cego com doses de 14mg / kg / dia e 28mg / kg / dia de antimônio

Treatment of american cutaneous leishmaniasis by N-methyl-glucamine. Double-blind-study with dosages of 14mg/kg/day and 28mg/kg/day of antimony


LUIS FERNANDO FIGUEIREDO KOPKE1, EVERTON CARLOS SIVIERO DO VALE2, MARCELO GROSSI ARAÚJO2, PAULO ARAÚJO MAGALHÃES3, TANCREDO FURTADO4

1Mestre em Dermatologia. Dermatologista do Hospital Felício Rocho - Belo Horizonte - MG
2Professor Assistente e Mestrando de Dermatologia da Faculdade de Medicina da UFMG
3Diretor do Distrito da SUCAM Caratinga - MG
4Professor Titular de Dermatologia da Faculdade de Medicina da UFMG

Resumo de Tese de Mestrado em Dermatologia - Curso de Pós-Graduação em Dermatologia da Faculdade de Medicina da UFMG - Serviço de Departamento do Hospital das Clínicas da UFMG - Departamento de Parasitologia - Setor de Leishmaniose - ICB - UFMG. Esta investigação recebeu apoio financeiro de UNDP/WORLD BANK/WHO Special Program for Research and Training in Tropical Diseases.

Correspondência:
Luís Fernando Figueiredo Kopke Rua Rio Grande do Norte, 1560/conj. 702 30130 - Belo Horizonte - MG

 

Resumo

Em ensaio duplo-cego, com antimoniato de N-metil-glucamina, foram tratados 43 pacientes de leishmaniose tegumentar americana (26 da forma cutânea e 17 da forma cutâneo mucosa), com doses correspondentes a 14 e 28mg/kg/dia de antimônio. Apenas quatro pacientes, dois da forma cutânea e dois da forma cutâneo-mucosa, tratados com a dose menor, não se curaram. Entretanto não houve diferença estatística significante de eficácia entre os dois esquemas. Na seleção dos pacientes, avaliação da toxicidade e controle de cura, foram realizados os seguintes exames: pesquisa direta de leishmania, exame histopatológico, teste de Montenegro, reação de imunofluorescência indireta (RIFI), exame hematológico, exame de urina, uréia, creatinina, glicose, transaminases, bilirrubinas, ionograma e eletrocardiograma (ECG). O teste de Montenegro e a reação de imunofluorescência indireta (RIFI) revelaram maior sensibilidade na forma cutâneo-mucosa. Foi rara a negativação do Montenegro após o tratamento. Houve correlação dos títulos da RIFI com a melhora clínica, observando-se redução lenta e gradual, geralmente, até a negativação. A droga mostrou-se pouco tóxica e bem tolerada, observando-se elevação das transaminases, eosinofilia, leucopenia com neutropenia e distúrbios da repolarização ventricular no eletrocardiograma, que foram discretos, reversíveis e sem repercussão clínica. Efeitos colaterais como mialgia, artralgia, náuseas, vômitos, anorexia, tremores, diarréia, febre e urticária foram leves e não exigiram a interrupção da medicação, com a exceção de um caso de insuficiência respiratória aguda.

Palavras-chave: LEISHMANIOSE TEGUMENTAR AMERICANA, N-METIL-GLUCAMINA

© 2018 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações