Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 80 Número 6




Voltar ao sumário

 

Investigação

Preservação de fungos em água destilada

Fungi preservation in distilled water


HILDA CONCEIÇÃO DIOGO1, ALDO SARPIERI2, MÁRIO CEZAR PIRES3

1Bióloga, técnica em micologia do Serviço de Dermatologia do Complexo Hospitalar Padre Bento de Guarulhos; Mestranda da Coordenadoria dos Institutos de Pesquisa do Estado de São Paulo (SP), Brasil
2Dermatologista, Chefe do Laboratório de Micologia do Serviço de Dermatologia do Complexo Hospitalar Padre Bento de Guarulhos
3Diretor do Serviço de Dermatologia do Complexo Hospitalar Padre Bento de Guarulhos, Mestre e Doutor pelo Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo

Recebido em 16.02.2005. Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 20.10.2005. Trabalho realizado no Complexo Hospitalar Padre Bento de Guarulhos e Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo - São Paulo (SP), Brasil

Correspondência:
Hilda Conceição Diogo Complexo Hospitalar Padre Bento de Guarulhos Rua Diogo Feijó, 258/135 07055-170 Guarulhos SP

 

Resumo

*FUNDAMENTOS* – As micotecas são coleções de fungos conservadas para estudo futuro ou para a obtenção de extratos, drogas e outros fins. A conservação em meios de cultura por repiques sucessivos exige cuidados e nem sempre é fácil. Há necessidade de novas técnicas para a manutenção de fungos viáveis por longos períodos. *OBJETIVO* – avaliar a eficácia da preservação de fungos em água destilada num período de 12 meses. *MÉTODOS* – 43 espécies de fungos foram mantidas em frascos de vidro com água destilada estéril. Mensalmente eram colhidos de 200 a 250 l do líquido e inoculado em ágar batata dextrose para avaliar o crescimento e viabilidade dos fungos. *RESULTADOS* – houve crescimento dos fungos em todos os meses pelo período de um ano. *CONCLUSÕES* – A preservação de cepas pelo método da água destilada possibilitou, nesse curto espaço de tempo, provar a viabilidade e a capacidade de esporulação das cepas submetidas ao estudo. A conservação de fungos em água destilada é método barato e prático para manutenção de micoteca.

Palavras-chave: ÁGUA DESTILADA, CULTURA, FUNGOS

© 2017 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações