Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

13

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

13

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 72 Número 5




Voltar ao sumário

 

Investigação

Base histológica das linhas de força na pele abdominal

Histological basis of abdominal skin tension lines


TALITA FRANCO1, GERSON COTTA PEREIRA2

1FACS. FICS. FISAPS, Chefe do Serviço.
2Professor Titular de Histologia e Embriologia - UFRJ: Chefe do Departamento de Patologia da Santa Casa da Misericórdia do Rio de Janeiro.

_Recebido em 12.5.97._ _Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 13.6.97._ *Trabalho realizado no Serviço de Cirurgia Plástica do Hospital Universitário da Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ.*

Correspondência:
Talita Franco Praia de Botafogo, 528/1402-B Rio de Janeiro RJ 22250-040 Tel:(021) 295-2028 Fax:(021) 295-6223

 

Resumo

FUNDAMENTOS - Langer, em 1861, descreveu as linhas de força da pele. Outros autores atribuiram sua determinação às fibras conjuntivas, porém são raros os estudos sistemáticos buscando prová-lo. OBJETIVO - Comprovar, histologicamente, esta participação. MATERIAL AND METHODS - 21 fragmentos elípticos de pele foram coletados da parede abdominal de pacientes submetidos a abdominoplastia ou lipoaspiração. As áreas doadoras localizavam-se em linha média, flancos e regiões inguinais. Cada fragmento foi seccionado em duas direções, para mostrar a distribuição tridimensional das fibras colágenas e elásticas. Cinco diferentes métodos de coloração foram usados. RESULTADO -Ao microscópio óptico observou-se que os fragmentos apresentavam o mesmo padrão de distribuição para cada região: nos flancos e regiões inguinais a distribuição era uniforme, com as fibras colágenas e elásticas orientadas de acordo com as linhas de tensão. Na linha média, contudo, as fibras se apresentavam orientadas indiscriminadamente em direção vertical, oblíqua ou transversal. CONCLUSÕES - Onde maior número de fibras estão dispostas em determinada direção, incisões paralelas a elas sofrerão tração mais forte sobre suas extremidades do que sobre suas bordas, tendendo a ser mais longas e mais finas. Ao contrário, incisões perpendiculares aos vetores de tensão terão maior número de fibras atuando sobre suas bordas do que sobre suas extremidades, tendendo a ser mais curtas e mais largas.

Palavras-chave: CIRUGIA, TECIDO CONJUNTIVO., CICATRIZ, CICATRIZAÇÃO DE FERIDAS, HISTOLOGIA

© 2018 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações