Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 72 Número 5




Voltar ao sumário

 

Investigação

Carcinoma basocecular: estudo comparativo dos três tipos histológicos mais frequentes em relação à proliferação celular


NILTON DI CHIACCHIO1, LUIZ CARLOS CUCÉ2

1Professor Assistente. Faculdade de Medicina da Universidade de Santo Amaro. São Paulo. Médico Assistente. Clínica de Dermatologia. Hospital do Servidor Público Municipal de São Paulo.
2Orientador. Professor Titular de Dermatologia. Faculdade de Medicina da Universidade de Santo Amaro. São Paulo.

_Recebido em 25.02.97._ _Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 14.7.97._ *Trabalho apresentado à Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Tese de Mestrado em Dermatologia.*

Correspondência:
Nilton Di Chiacchio Rua Machado Pedrosa, 370 São Paulo SP 02045-010 Tel/Fax : (011) 267-1046

 

Resumo

FUNDAMENTO - A técnica de coloração pela prata das regiões organizadoras nucleolares (AgNOR), tem sido descrita como um método de estudo de proliferação celular e malignidade. OBJETIVO - Avaliar estes parâmetros no carcinoma basocelular. MÉTODO)- Foram estudados 77 espécimes separados de acordo com o tipo histológico proposto por Ten-Seldan (1975). RESULTADOS - Encontraram-se três tipos mais freqüentes nessa amostragem: sólido (49,35%), esclerodermifoerne (18.18%) e adenocístico (9.09%). Selecionados cinco espécimes de cada tipo, realizou-se o estudo histoquímico por meio da contagem das regiões organizadoras nucleolares, utilizando a coloração pela prata (AgNORs). O método de leitura utilizado foi o sistema de análise de imagem, sendo mensuradas a área de AgNORs e a área nuclear. A partir desses dados, obteve-se a relação referente à divisão do primeiro pelo segundo dado. CONCLUSÕES - Esses resultados avaliados mostraram que o tipo sólido e o esclerodermiforme não apresentavam diferenças estatisticamente significativas, divergentes do tipo adenocístico, em que a relação se mostrou menor, em comparação com os outros dois.

Palavras-chave: REGIÃO ORGANIZADORA DO NUCLÉOLO., CARCINOMA BASOCELULAR

© 2018 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações