Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

6

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

6

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 72 Número 5




Voltar ao sumário

 

Comunicação

Modelo experimental de melanoma murino em camundongos


GERSON JUNQUEIRA JR.1, LUISA MARIA GOMES DE MACEDO BRAGA2, HELIO SOARES PILLA3

1Cirurgião Geral, Pós-graduado em Cirurgia, Univeridade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS.
2Médica Veterinária - FEPPS.
3Acadêmico de Medicina, Fundação Faculdade Federal de Ciências Médicas de Porto Alegre - FFFCMPA.

Recebido em 19.12.96. Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 10.6.97. *Trabalho realizado na Fundação Estdual de Produção e Saúde - FEPPS. Divisão de Produção e Experimentação Animal. Porto Alegre. RS.

Correspondência:
Gerson Junqueira Jr Rua Costa, 30 /606 Menino Deus RS 90110-270 Tel/ Fax: (051) 230-2761

 

Resumo

O melanoma cutâneo é neoplasia maligna que tem origem na pele, correpondendo a cerca de 1 a 3% de todos os tumores malignos. Ocorre em igual proporção em homens e mulheres e acomete principalmente pessoas de pele clara, com pico de incidência entre quarenta e sessenta anos. As modalidades tradicionais de tratamento de melanoma metástico vêm apresentando resultados insatisfatórios. Logo estudos in vitro e in vivo são de fundamental importância para o melhor entendimento do comportamento biológico dessa neoplasia e para o desenvolvimento diagnóstico e terapêutico. A linhagem celular de mnelanoma murino B16-F10 e sua inoculação por via intraperitoneal ou subcutânea em camundongos C57BL/6N são são modelos experimentais vantajosos para testar grande numero de drogas e selecionar compostos específicos para esse tumor cutâneo. São descritos o manejo da cepa C57BL/6N em biotério e suas principais, características, bem como a forma de apresentação clinica do melanoma murino B16-F10 e suas possibilidades em termos experimentais.

Palavras-chave: CAMUNDONGOS, MELANOMA EXPERIMENTAL

© 2018 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações