Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 72 Número 6




Voltar ao sumário

 

Comunicação

Epidermodisplasia verruciforme de Lawandowsky e Lutz


NEWTON SALES GUIMARAES1, TANCREDO FURTADO2, ARYON DE ALMEIDA BARBOSA JR3

1Professor Adjunto de Dermatologia - UFBA.
2Professor Titular de Dermatologia da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais: Professor Catedrático de Dermatologia da Faculdade de Ciências Médicas de MInas Gerais.
3Patologista. Mestre e Doutor em Medicina: Pesquisador Titular da Fundação Oswaldo Cruz.

_Recebido em 18.5.95._ _Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 14.10.97._ *Trabalho realizado no Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina da UNiversidade Federal de Minas Gerais. Resumo de Tese de Mestrado em Dermatologia.*

Correspondência:
Newton Sales Guimarães Rua Cláudio Manoel da Costa, 289/1002 Salvador BA 40110-100

 

Resumo

FUNDAMENTOS - A epidemodisplasia verruciforme é causada pelo HPV, apresentando alta incidência familiar, concomitância de distúrbios imunológicos e possibilidade de transformção carcinomatosa. OBJETIVOS - Foi revista a literatura os HPV, com ênfase para epidermodisplasia verruciforme por meio de anamnese, observação clínica, exames laboratoriais, genética, histopatologia, imunologia e tratamento. Foram analisados histopatologicamente dois casos de verrugas planas e comparados com a epidermodisplasia verruciforme. RESULTADOS - Os pacientes apresentaram quadro clínico-histopatológico peculiar aos encontrados na epidermodisplasia verruciforme pelo grupo HPV-5 e similares, com nítido acometimento familiar, alterações imunológicas, evolução crônica e resistência às terapêuticas administradas. CONCLUSÕES - 1. A epidermodisplasia verruciforme apresentou expressões clínicas polimorfas, com evolução crônica e progressiva. As lesões eram geralmente assintomáticas, com distribuição disseminada e simétrica. A área mais acometida foi a face, com palmas, plantas, mucosas e couro cabeludo poupados, 2. Em todos os pacientes estudados, a expressão clínica da doença era distinta da apresentação clínica encontrada em casos de verrugas planas, sendo histologicamente típica de epidermodisplasia verruciforme 9grupo-HPV5- símile); 3. Foram observadas nos pacientes alterações imunitárias humorais e celulares; e 4. A resistência às terapêuticas foi marcante. Apenas com o uso do etretinato, houve regressão parcial das lesões.

Palavras-chave: PAPOVAVIRIDADE, EPIDEMODISPLASIA VERRUCIFORME, VERRUGAS

© 2018 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações