Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 67 Número 5




Voltar ao sumário

 

Comunicação

Pesquisa SBD 89/90 – Perfil do Dermatologista Brasileiro

Pesquisa SBD 89/90 – Perfil do Dermatologista Brasileiro


HUMBERTO ANTÔNIO PONZIO1

1Professor Adjunto - Disciplina de Dermatologia da UFRGS na Santa Casa de Porto Alegre, Membro da Comissão Científica da SBD, Primeiro Secretário da SBD, gestão 88/89

Correspondência:
Humberto Antônio Ponzio Rua Mariante, 239 - conj. 303 90410 - Porto Alegre - RS

 

Resumo

A carência de informações, aliada à necessidade de melhor nos conhecermos, levou-nos a elaborar esta pesquisa entre os sócios da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD). OBJETIVOS - Determinar o perfil do dermatologista brasileiro, oportunizando que se estabeleça as diretrizes políticas da SBD. MATERIAL E MÉTODOS - Análise das respostas a um questionário distribuído a todos os sócios da SBD. RESULTADOS - Foram analisados 583 questionários que corresponderam a 25.6% dos sócios em registro ativo na SBD. Os dados apurados nos permitiram concluir que o dermatologista brasileiro tem 39 anos; é homem ou mulher, reside na região sudeste do país, é formado há 13 anos, fez curso a nível de especialização, possui o título de especialista em dermatologia, dedica 50% de sua jornada de trabalho ao consultório, 23% a emprego público, 11% a atividade docente, 8% a emprego em empresas privadas, 5% a treinamento em cursos de pós-graduação e 3% a outras atividades. No consultório, 40% do faturamento decorre de consultas particulares; 38% de consultas por convênio; 16% de cirurgia, criocirurgia e micologia concorrem, cada uma, com 2%; 5% é diluído entre patologia, fototerapia, testes alérgicos e cosmiatria. Dedica-se pouco à pesquisa e, quando o faz, prefere temas de saúde pública, como hanseníase, doenças sexualmente transmissíveis, pênfigos e leishmaniose. Compareceu a três dos cinco últimos congressos da SBD e teve participação ativa em, ao menos, um deles.

Palavras-chave: DERMATOLOGISTA BRASILEIRA, PESQUISA SBD

© 2018 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações