Journal Information
Vol. 96. Issue 1.
Pages 114-116 (01 January 2021)
Visits
...
Vol. 96. Issue 1.
Pages 114-116 (01 January 2021)
Carta ‐ Caso clínico
DOI: 10.1016/j.abdp.2020.05.029
Open Access
Eritema anular centrífugo associado à ingestão crônica de amitriptilina
Visits
...
Diego Fernandez‐Nieto
Corresponding author
fnietodiego@gmail.com

Autor para correspondência.
, Daniel Ortega‐Quijano, Juan Jimenez‐Cauhe, Sonia Bea‐Ardebol
Departamento de Dermatologia, Hospital Universitario Ramón y Cajal, Madri, Espanha
Article information
Full Text
Bibliography
Download PDF
Statistics
Figures (2)
Full Text
Prezado Editor,

Uma mulher de 41 anos procurou cuidados médicos devido a um exantema levemente pruriginoso que havia aparecido dois meses antes. A paciente vinha apresentando episódios semelhantes nos últimos cinco anos, tendo sido tratada com corticosteroides tópicos e ciclos curtos de metilprednisolona. Cada novo episódio durou mais e foi mais extenso do que o anterior. A paciente negou febre ou quaisquer sintomas sistêmicos; relatava história de enxaqueca tratada com amitriptilina por cinco anos e uso ocasional de anti‐inflamatórios. O uso de amitriptilina foi iniciado duas semanas antes do primeiro aparecimento das lesões cutâneas, mas a paciente não associou os dois eventos. O exame físico revelou placas anulares e policíclicas, com descamação e clareamento na parte central, predominantemente nos membros inferiores (fig. 1). Foi realizada biópsia de pele da borda da lesão, evidenciando discreto edema da derme papilar, espongiose, exocitose linfocitária e infiltrado linfo‐histiocitário perivascular “em manguito” (fig. 2). A coloração pelo método do ácido periódico de Schiff (PAS) não mostrou formas fúngicas. A cultura para fungos foi negativa. Testes laboratoriais, incluindo hemograma completo, testes de função renal e hepática, testes sorológicos para VHB, VHC, HIV, Borrelia e sífilis, ANA, titulação de ASLO, fator reumatoide, complemento, níveis de IgE, proteinograma, β‐2 microglobulina e teste de função tireoidiana foram normais. A radiografia de tórax, o teste cutâneo de Mantoux e a ultrassonografia abdominopélvica foram normais. Esses achados eram consistentes com eritema anular centrífugo (EAC) do tipo superficial.

Figura 1.

Placas eritematosas anulares com descamação localizada nas coxas e pernas.

(0.07MB).
Figura 2.

Espongiose leve, exocitose de linfócitos, edema da derme papilar e infiltrado linfo‐histiocitário perivascular com aspecto em “manguito”. Nenhum eosinófilo foi observado (Hematoxilina & eosina, 100×).

(0.14MB).

Suspendeu‐se a administração de amitriptilina e prescreveu‐se creme de furoato de mometasona a 0,1%, com melhora moderada na visita de acompanhamento de um mês. Fluconazol 100mg/dia foi prescrito por quatro semanas. Devido à ineficácia, o tratamento foi alterado para eritromicina 250mg, quatro vezes ao dia, por quatro semanas. Após esse tratamento, a paciente apresentou resposta quase completa. No período de acompanhamento de um ano, algumas recorrências menores foram observadas, que exigiram apenas cursos curtos de corticosteroides tópicos. O teste de reexposição à amitriptilina oral foi recusado pela paciente.

O EAC é classificado como um eritema reacional, juntamente com o eritema crônico migratório, o eritema marginado e o erythemagyratum repens. A distinção entre esses três eritemas é feita através da correlação clinicopatológica. O EAC é dividido em formas superficiais e profundas.1 A forma superficial geralmente tem bordas descamativas, tendendo a se formar em torno da lesão anular. A forma profunda tem bordas endurecidas não descamativas, sem alterações epidérmicas acentuadas. O tipo superficial está associado a recorrências e a uma duração mais curta das lesões cutâneas em comparação com o tipo profundo.1 O diagnóstico diferencial comum inclui outros eritemas anulares, como o eritema crônico migratório, micose fungoide, urticária, psoríase, tinha do corpo e sarcoidose anular. A histopatologia mostra um infiltrado linfo‐histiocitário perivascular em ambos os tipos, superficial e profundo, de EAC. No tipo superficial, há inflamação perivascular e edema na derme superior. Podem ser observadas alterações epidérmicas como acantose, espongiose e até vesiculação. No tipo profundo, o infiltrado perivascular é encontrado na derme média e inferior, com aspecto em “manguito”.1 Edema e alterações epidérmicas são incomuns.

Acredita‐se que o EAC represente uma manifestação cutânea de uma reação de hipersensibilidade do tipo IV a várias etiologias; entretanto, muitos casos são idiopáticos. O tratamento e a erradicação da doença subjacente, se houver, geralmente são eficazes. O EAC tem sido associado a infecções bacterianas, parasitárias, virais e fúngicas. Distúrbios endócrinos e imunológicos como doença de Graves, tireoidite de Hashimoto e síndrome de Sjögren foram relatados.2 Quando ocorre em um contexto paraneoplásico, ele geralmente precede (46% dos casos) ou é simultâneo no prazo de um mês (33% dos casos) à descoberta do câncer relacionado.3 O EAC geralmente apresenta resolução após o tratamento do câncer, e a recorrência está associada à recidiva do tumor.3 O EAC também foi relacionado ao uso de medicamentos, incluindo hidroxicloroquina, hidroclorotiazida, espironolactona, cimetidina, salicilatos, piroxicam, penicilina, ustekinumabe e amitriptilina.2

A amitriptilina tem sido considerada classicamente uma causa típica de EAC desde sua associação comprovada em 1999 por García‐Doval et al.4 Entretanto, este é o único caso relatado na literatura médica. No presente caso, a amitriptilina foi considerada a causa do EAC em decorrência de sua associação temporal e relato anterior. No entanto, a suspensão do medicamento não resolveu o EAC. A cronicidade de ingestão desse medicamento (cinco anos de duração) pode ter desencadeado uma resposta imune sustentada que permaneceu mesmo após a suspensão da amitriptilina. Outra explicação possível é que a amitriptilina não estava relacionada ao EAC, que era, em vez disso, idiopático ou associado a um foco bacteriano oculto. Eritromicina e azitromicina foram relatadas como terapia segura e eficaz para EAC, como neste caso.5 Esses antibióticos podem ter efeito sobre um foco bacteriano oculto ou atuar em razão de seu efeito anti‐inflamatório.

Em conclusão, o EAC crônico relacionado ao uso de medicamentos pode persistir mesmo após a descontinuação da substância. Os macrolídeos são uma terapia segura e eficaz para EAC.

Suporte financeiro

Nenhum.

Contribuição dos autores

Diego Fernandez‐Nieto: Aprovação da versão final do manuscrito; elaboração e redação do manuscrito; obtenção, análise e interpretação dos dados; participação efetiva na orientação da pesquisa; revisão crítica da literatura; revisão crítica do manuscrito.

Daniel Ortega‐Quijano: Aprovação da versão final do manuscrito; participação intelectual em conduta propedêutica e/ou terapêutica de casos estudados; revisão crítica da literatura; revisão crítica do manuscrito.

Juan Jimenez‐Cauhe: Aprovação da versão final do manuscrito; revisão crítica da literatura; revisão crítica do manuscrito.

Sonia Bea‐Ardebol: Aprovação da versão final do manuscrito; participação efetiva na orientação da pesquisa; participação intelectual em conduta propedêutica e/ou terapêutica de casos estudados; revisão crítica do manuscrito.

Conflito de interesses

Nenhum.

Referências
[1]
D.H. Kim, J.H. Lee, J.Y. Lee, Y.M. Park.
Erythema Annulare Centrifugum: Analysis of Associated Diseases and Clinical Outcomes according to Histopathologic Classification.
Ann Dermatol., 28 (2016), pp. 257-259
[2]
V.D. Mandel, B. Ferrari, M. Manfredini, F. Giusti, G. Pellacani.
Annually recurring erythema annulare centrifugum: a case report.
J Med Case Rep., 9 (2015), pp. 236
[3]
H.M. Chodkiewicz, P.R. Cohen.
Paraneoplastic erythema annulare centrifugum eruption: PEACE.
Am J Clin Dermatol., 13 (2012), pp. 239-246
[4]
I. García-Doval, C. Peteiro, J. Toribio.
Amitriptyline‐induced erythema annulare centrifugum.
Cutis., 63 (1999), pp. 35-36
[5]
K. Sardana, S. Chugh, K. Mahajan.
An observational study of the efficacy of azithromycin in erythema annulare centrifugum.
Clin Exp Dermatol., 43 (2018), pp. 296-299

Como citar este artigo: Fernandez‐Nieto D, Ortega‐Quijano D, Jimenez‐Cauhe J, Bea‐Ardebol S. Erythema annulare centrifugum associated to chronic amitriptyline intake. An Bras Dermatol. 2021;96:114–6.

Trabalho realizado no Hospital Universitario Ramón y Cajal, Madri, Espanha.

Copyright © 2020. Sociedade Brasileira de Dermatologia
Idiomas
Anais Brasileiros de Dermatologia

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools
en pt
Cookies policy Política de cookies
To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.