Journal Information
Vol. 97. Issue 5.
Pages 682-683 (01 September 2022)
Visits
8942
Vol. 97. Issue 5.
Pages 682-683 (01 September 2022)
Carta ‐ Caso clínico
Open Access
Úlceras genitais agudas em jovem menina: desafio clínico
Visits
8942
Fabiola Schafera,
Corresponding author
fdschafe@gmail.com

Autor para correspondência.
, Rodrigo Mirandab
a Departamento de Especialidades Médicas, Escola de Medicina, Universidad de La Frontera, Temuco, Chile
b Departamento de Clínica Médica, Escola de Medicina, Universidad de La Frontera, Temuco, Chile
This item has received

Under a Creative Commons license
Article information
Full Text
Bibliography
Download PDF
Statistics
Figures (1)
Full Text
Prezado Editor,

Uma menina saudável de 9 anos apresentou úlceras vulvares dolorosas e disúria de início agudo. O exame físico da mucosa genital mostrou úlceras profundas bem delimitadas, com centro fibrinoso e bordas eritematosas elevadas nos grandes lábios (fig. 1). As úlceras apresentavam mais de 1cm de diâmetro, em padrão de espelho. Relatava febre alta de até 38,5°C, odinofagia, congestão e mal‐estar havia uma semana. Os testes sorológicos foram negativos para herpes‐vírus simplex, vírus Epstein‐Barr, citomegalovírus, vírus da imunodeficiência humana (HIV) e a avaliação laboratorial de doenças venéreas (VDRL, do inglês venereal disease research laboratory) também foi negativa. A pesquisa de anticorpos antinucleares e anti‐DNA foi negativa. O hemograma completo e o exame de urina tiveram resultados normais. Testes hormonais como estradiol, prolactina, hormônio folículo‐estimulante (FSH) e hormônio luteinizante (LH) foram normais para sua idade. Foi feito o diagnóstico de úlcera de Lipschütz. A paciente iniciou uso de creme anestésico tópico, e as úlceras mostraram resolução total após duas semanas, sem cicatrizes. Não houve novos episódios ao longo de um ano de acompanhamento.

Figura 1.

Úlceras profundas, bem definidas, com centro fibrinoso e bordas eritematosas elevadas nos grandes lábios. As úlceras são grandes, com mais de 1cm de diâmetro, em padrão de espelho.

(0.3MB).

A úlcera de Lipschütz, também conhecida como ulceração genital aguda reativa não transmitida sexualmente, é uma entidade clínica muito incomum que costuma ocorrer em mulheres jovens sexualmente inativas.1 Caracteriza‐se por início abrupto, dor local intensa e disúria. Sua morfologia é variável, muitas vezes apresentando padrão bilateral de “beijo”, com aparência simétrica em lados opostos da vulva.2,3 Além disso, foram descritas úlceras necróticas com edema e eritema significativos dos lábios vaginais e linfadenopatia inguinal.2,4 As úlceras podem ser únicas ou múltiplas, com bordas elevadas e bem demarcadas. A maioria delas é frequentemente recoberta por exsudato cinza ou escara cinza‐escura.3 Normalmente, as úlceras estão localizadas nos pequenos lábios, mas também podem ser encontradas nos grandes lábios, períneo e na parte inferior da vagina. Afeta principalmente adolescentes e mulheres jovens, e é incomum em crianças.2

Em geral, a úlcera de Lipschütz é precedida por sintomas semelhantes aos da gripe. Sua etiologia e patogênese ainda são desconhecidas,2,3 embora alguns vírus ou bactérias tenham sido associados a essa entidade (vírus Epstein‐Barr, Mycoplasma e infecção por influenza A). O mecanismo patogênico não é claro, mas suspeita‐se de um processo reativo desencadeado por uma infecção distante, com deposição de imunocomplexos nos vasos dérmicos causando microtrombose e, eventualmente, levando a úlceras profundas, necrosantes e dolorosas.4 O diagnóstico é feito por exclusão, após a eliminação de outras causas de ulcerações genitais. O diagnóstico diferencial inclui úlceras de origem venérea e não venérea, doenças autoimunes, trauma e tumores malignos.5

O tratamento é principalmente sintomático, com resolução espontânea em duas a seis semanas e sem recorrências na maioria dos casos. Em virtude de sua evolução autolimitada, os cuidados locais são suficientes. Anestésicos tópicos, corticoides tópicos e analgésicos orais são geralmente indicados. Por outro lado, se o paciente apresentar dor intensa ou mal‐estar, a internação é indicada, pois o uso de corticoide sistêmico e antibióticos de amplo espectro são recomendados.

A úlcera de Lipschütz é um desafio na prática clínica, e costuma ser subdiagnosticada ou diagnosticada erroneamente. Além disso, há grande ansiedade e confusão para os pacientes e suas famílias, pois o diagnóstico do herpes‐vírus simplex é muitas vezes feito de maneira presuntiva. Destacamos, portanto, a importância de ter em mente esse diagnóstico incomum, especialmente em uma jovem menina ou adolescente com úlceras genitais agudas.

Suporte financeiro

Este artigo foi financiado pela Universidad de La Frontera [DI13‐0051].

Contribuição dos autores

Fabiola Schafer: Aprovação da versão final do manuscrito; elaboração e redação do manuscrito; obtenção, análise e interpretação dos dados; participação no desenho do estudo; revisão crítica da literatura; revisão crítica do manuscrito.

Rodrigo Miranda: Aprovação da versão final do manuscrito; elaboração e redação do manuscrito; obtenção, análise e interpretação dos dados; participação no desenho do estudo; revisão crítica da literatura; revisão crítica do manuscrito.

Conflito de interesses

Nenhum.

Referências
[1]
A. Moise, P. Nervo, J. Doyen, F. Kridelka, J. Maquet, G. Vandenbossche.
Ulcer of Lipschutz, a rare and unknown cause of genital ulceration.
Facts Views Vis Obgyn., 10 (2018), pp. 55-57
[2]
D. Visentin, L. Driul, C. Buligan, A. Angarkhayeva, C. Pinzani, M.D. Martina, et al.
Ulcus vulvae acutum ‐ A case of genital ulcers in adolescent girl.
Case Rep Womens Health., 9 (2016), pp. 4-6
[3]
T. Limperg, M. Bledsoe, J. Strickland, M.A. Jackson.
Respiratory Pathogen Evaluation for Lipschütz Ulcer.
J Pediatr Adolesc Gynecol., 31 (2018), pp. 212
[4]
M. Koliou, T. Kakourou, J. Richter, C. Christodoulou, E. Soteriades.
Mycoplasma pneumoniae as a cause of vulvar ulcers in a non‐sexually active girl: a case report.
Journal of Medical Case Reports., 11 (2017), pp. 187
[5]
A. Schindler, C. Azevedo, A. Avritscher, M. Tamura, S. Podgaec.
Acute genital ulcers: keep Lipschütz ulcer in mind.
Arch Gynecol Obstet., 298 (2018), pp. 927-931

Como citar este artigo: Schafer F, Miranda R. Acute genital ulcers in a young girl: a clinical challenge: Lipschütz ulcer. An Bras Dermatol. 2022;97:682–3.

Trabalho realizado no Departamento de Especialidades Médicas e Clínica Médica, Universidad de La Frontera, Temuco, Chile.

Copyright © 2022. Sociedade Brasileira de Dermatologia
Idiomas
Anais Brasileiros de Dermatologia
Article options
Tools
en pt
Cookies policy Política de cookies
To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.