Compartilhar
Informação da revista
Vol. 96. Núm. 3.
Páginas 392-393 (01 Maio 2021)
Compartilhar
Compartilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Visitas
...
Vol. 96. Núm. 3.
Páginas 392-393 (01 Maio 2021)
Carta ‐ Caso clínico
DOI: 10.1016/j.abdp.2020.06.023
Open Access
Colagenose reativa perfurante adquirida induzida por trauma
Visitas
...
João Renato Vianna Gontijoa,b,
Autor para correspondência
joaorenato20@hotmail.com

Autor para correspondência.
, Florentino Fernandes Júniorc, Luciana Baptista Pereiraa,d, Moisés Salgado Pedrosae
a Serviço de Dermatologia, Hospital das Clínicas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil
b Serviço de Dermatologia, Hospital Mater Dei, Belo Horizonte, MG, Brasil
c Clínica Privada, Belo Horizonte, MG, Brasil
d Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Minas, Belo Horizonte, MG, Brasil
e Serviço de Patologia, Hospital das Clínicas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil
Informação do artigo
Texto Completo
Bibliografia
Baixar PDF
Estatísticas
Figuras (3)
Mostrar maisMostrar menos
Texto Completo
Prezado Editor,

Paciente do sexo feminino, 58 anos de idade, encaminhada para avaliação de lesões nos membros inferiores havia 30 dias e que tiveram início após trauma decorrente de depilação. Ao exame dermatológico, observavam‐se pápulas eritematosas, algumas com umbilicação, que evoluíam para lesões ulceradas, crateriformes, com halo eritematoso e tampão ceratósico central enegrecido. Associava‐se intensa xerose (figs. 1 e 2). O exame anatomopatológico revelou ulcerações epidérmicas em forma de xícara (cup‐shape), recobertas por crostas e material ceratósico, e eliminação de fibras elásticas e colágenas degeneradas (fig. 3).

Figura 1.

Múltiplas pápulas eritematosas e ulcerações crateriformes nos membros inferiores associadas à xerose.

(0,1MB).
Figura 2.

Ulcerações crateriformes com tampão ceratósico central.

(0,13MB).
Figura 3.

(A) Exame histopatológico mostrando lesão em formato de xícara contendo queratina, restos celulares, neutrófilos e fibras colágenas e elásticas (Hematoxilina & eosina, 50×). (B) Presença de fibras colágenas intraepidérmicas perpendiculares à superfície da pele (Tricômico de Masson, 40×).

(0,23MB).

As dermatoses perfurantes compreendem um grupo heterogêneo e raro de doenças que apresentam em comum a eliminação transepidérmica de elementos dérmicos, na maioria das vezes fibras elásticas e/ou colágenas. As quatro formas clássicas, ou primárias, são representadas pela doença de Kyrle, elastose perfurante serpiginosa, foliculite perfurante e colagenose reativa perfurante. O termo “primário” implica que a eliminação transepidérmica representa o principal processo histopatológico. Já nas dermatoses perfurantes classificadas como “secundárias” (granuloma anular, necrobiose lipoídica, nódulo reumatoide, líquen nítido, condrodermatite nodular da hélice, entre outras), a perfuração é interpretada meramente como um epifenômeno.1 À exceção da elastose perfurante serpiginosa e da extremamente rara variante hereditária colagenose reativa perfurante familiar (OMIM n° 216700), que podem se manifestar na infância ou na adolescência, as formas primárias são classicamente doenças do adulto.

Em 1989, Rapini et al. propuseram o termo abrangente “dermatose perfurante adquirida” (DPA) para englobar os casos de início na idade adulta e associados a diabetes mellitus ou insuficiência renal crônica, em especial nos pacientes em diálise.2 Posteriormente, tornou‐se evidente que várias outras comorbidades, como doenças cardíacas, reumatológicas, pulmonares e neoplasias malignas, também podem associar‐se à DPA.3

Com base nos aspectos clínicos e histopatológicos, estabeleceu‐se o diagnóstico de colagenose reativa perfurante adquirida (CRPA) desencadeada pela escoriação de lesões pruriginosas. Nas duas maiores séries de casos de DPA até agora publicadas, a CRPA foi a forma mais comum.3,4 O aspecto clínico é bem característico: pápulas, placas ou nódulos eritematosos ou acastanhados, que rapidamente se tornam umbilicados e evoluem com ulceração crateriforme recoberta por um tampão ceratósico. Surgem predominantemente nas superfícies extensoras dos membros, glúteos e tronco. O acometimento das mucosas só é observado na forma hereditária da colagenose reativa perfurante.3,4

A etiopatogênese de todas as variantes da DPA permanece ainda incerta. A ampla gama de condições associadas (diabetes mellitus e outras endocrinopatias, insuficiência renal crônica, neoplasias malignas, uso de medicamentos etc.) dificulta uma concepção unicista para justificar o aparecimento das lesões. Especula‐se que a incapacidade de eliminar produtos metabólicos nos pacientes renais crônicos e o dano à microvasculatura no diabetes possam estar relacionados ao desencadeamento da lesão. Da mesma maneira, a relação entre prurido, escoriação e aparecimento das lesões tem como base a frequente presença de lesões em arranjo linear (Köebner) e o acometimento exclusivo de áreas corporais ao alcance das mãos.1,5

A paciente aqui relatada, sem comorbidades ou uso de medicações, enquadra‐se na forma adquirida da colagenose reativa perfurante desencadeada por trauma (escoriação) secundário ao prurido tanto das lesões quanto do quadro de xerose dos membros inferiores.

Suporte financeiro

Nenhum.

Contribuição dos autores

João Renato Vianna Gontijo: Concepção e desenho do estudo; aquisição de dados; redação do manuscrito ou revisão crítica de conteúdo intelectual importante; aprovação final da versão a ser submetida.

Florentino Fernandes Júnior: Redação do manuscrito e revisão crítica de conteúdo intelectual importante; aprovação final da versão a ser submetida.

Luciana Baptista Pereira: Redação do manuscrito e revisão crítica de conteúdo intelectual importante; aprovação final da versão a ser submetida.

Moisés Salgado Pedrosa: Redação do manuscrito e revisão crítica de conteúdo intelectual importante; aprovação final da versão a ser submetida.

Conflito de interesses

Nenhum.

Referências
[1]
J. Kanitakis.
Reactive perforating collagenosis.
Skinmed., 16 (2018), pp. 390-396
[2]
R.P. Rapini, A.A. Herbert, C.R. Drucker.
Acquired perforanting dermatosis Evidence for combined transepidermal elimination of both collagen and elastic fibers.
Arch Dermatol., 125 (1989), pp. 1074-1078
[3]
A.J. García-Malinis, E. Del Valle Sánchez, M.P. Sánchez-Salas, E. Del Prado, C. Coscojuela, Y. Gilaberte.
Acquired perforating dermatoses: clinicopathological study of 31 cases, emphasizing pathogenesis and treatment.
J Eur Acad Dermatol Venereol., 31 (2017), pp. 1757-1763
[4]
S.W. Kim, M.S. Kim, J.H. Lee, S.J. Son, K.Y. Park, K. Li, et al.
A clinicopathologic study of thirty cases of acquired perforating dermatosis in Korea.
Ann Dermatol., 26 (2014), pp. 162-171
[5]
G. Wagner, M.M. Sachse.
Acquired perforating dermatosis.
J Dtsch Dermatol Ges., 11 (2013), pp. 723-729

Como citar este artigo: Gontijo JRV, Júnior FF, Pereira LB, Pedrosa MS. Trauma‐induced acquired reactive perforating collagenosis. An Bras Dermatol. 2021;96:392–3.

Trabalho realizado no Serviço de Dermatologia, Hospital das Clínicas, Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Copyright © 2021. Sociedade Brasileira de Dermatologia
Idiomas
Anais Brasileiros de Dermatologia (Portuguese)

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas
en pt
Cookies policy Política de cookies
To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.