Compartilhar
Informação da revista
Vol. 94. Núm. 5.
Páginas 612-614 (01 Setembro 2019)
Compartilhar
Compartilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Visitas
6011
Vol. 94. Núm. 5.
Páginas 612-614 (01 Setembro 2019)
Imagens em Dermatologia
Open Access
Dermatoscopia ‐ técnica simples e rápida para o diagnóstico in vivo de tinha incógnita
Visitas
6011
Sidharth Sonthaliaa,
Autor para correspondência
sidharth.sonthalia@gmail.com

Autor para correspondência.
, Balachandra S. Ankadb, Mohamad Goldustc, Abhijeet Kumar Jhad
a Departamento de Dermatologia, Venereologia e Tricologia, SKINNOCENCE: The Skin Clinic & Research Center, Gurugram, Índia
b Departamento de Dermatologia e DST, S. Nijalingappa Medical College, Bagalkot, Índia
c Departamento de Dermatologia e DST, Mazandaran University of Medical Sciences, Sari, Irã
d Departamento de Dermatologia e DST, Patna Medical College & Hospital, Patna, Índia
Este item recebeu

Under a Creative Commons license
Informação do artigo
Resume
Texto Completo
Bibliografia
Baixar PDF
Estatísticas
Figuras (2)
Resumo

O diagnóstico de tinha incógnita resultante do abuso de corticoides está se tornando muito comum nos trópicos. Seu diagnóstico é complicado devido à morfologia confusa, bem como questões práticas e técnicas associadas a testes micológicos. A dermatoscopia se apresenta como uma nova ferramenta para o diagnóstico de tinha incógnita em situações desafiadoras, já que as alterações capilares típicas, como cabelos em código Morse, cabelos deformáveis, cabelos translúcidos, cabelos em vírgula em saca‐rolhas e descamação perifolicular podem ser observadas apesar do uso de esteroides e independentemente dos resultados micológicos.

Palavras‐chave:
Cabelo
Dermatoscopia
Pesos e medidas
Tinha
Texto Completo

O abuso de corticosteroides tópico não apenas dificulta o manejo terapêutico, mas também está contribuindo para a crescente epidemia de falha terapêutica antifúngica.1,2 A utilidade da dermatoscopia no diagnóstico rápido da tinha do couro cabeludo está bem estabelecida.3 No entanto, o diagnóstico dermatoscópico de tinha do corpo, especialmente a variante incógnita, tem sido pouco relatado.4

Um estudante de graduação médica de 22 anos de idade apresentava lesões vermelho‐rosadas e com prurido na axila direita, com início havia quatro meses. A lesão apresentava bordas mal definidas e superfície brilhante com pápulas levemente escamosas, dispersas perifericamente (fig. 1). Ele estava se automedicando com creme de clobetasol‐miconazol e itraconazol oral 200mg/dia, de forma intermitente. A dermatoscopia com luz polarizada indicou eritema irregular, escamas e estruturas tubulares perifoliculares, pontos pretos, cabelos quebrados, cabelos deformáveis dobrados, cabelos em código Morse, cabelos em vírgula e em saca‐rolhas e cabelos translúcidos; além disso, foram observados vasos pontiformes e telangiectasias (fig. 2). Essas alterações dermatoscópicas tipificam a tinha da pele não glabra.2–5 Raspados cutâneos foram enviados para cultura fúngica e apresentaram hifas ramificadas septadas na microscopia com KOH a 10%. O uso de terbinafina 250mg/dia (oral) e creme de ciclopirox olamina a 1% por seis semanas resultou em resolução completa. Trichophyton mentagrophytes var. interdigitale foi confirmado em cultura.

Figura 1.

Imagem clínica de lesão de tinha incógnita na axila direita de um paciente jovem, do sexo masculino – placa eritematosa minimamente elevada, com bordas mal definidas, superfície brilhante com pápulas levemente escamosas e perifericamente dispersas. As lesões surgiram quatro meses antes; o paciente apresentava histórico de aplicação intermitente de creme antifúngico esteroide e ingestão oral de itraconazol.

(0,21MB).
Figura 2.

A imagem dermatoscópica com luz polarizada da lesão revelou eritema irregular, escamas perifoliculares (seta verde) e estruturas tubulares (seta vermelha), pontos pretos, cabelos quebrados e cabelo em vírgula e em saca‐rolhas (setas azuis). O campo inteiro é preenchido por cabelos translúcidos e deformáveis encurvados (setas amarelas), e cabelos em código Morse mostrando faixas brancas horizontais salteadas. Além disso, vasos puntiformes (círculo verde) e telangiectasias dispersas (setas verdes) foram observados. As manchas vermelhas maiores representam crostas de sangue ressecadas induzidas por escoriação. (Dermlite 4,20×).

(0,15MB).

Alterações da morfologia, questões logísticas da microscopia óptica e o longo tempo para obtenção dos resultados da cultura fúngica favorecem o uso de uma ferramenta clínica rápida, como a dermatoscopia, para diagnosticar tinha incógnita.1,2 A invasão fúngica do cabelo causa deformação e alterações que se apresentam como cabelos translúcidos, cabelos deformáveis, cabelos em vírgula e em saca‐rolhas e cabelos em código Morse com faixas brancas horizontais salteadas (invasão localizada).3–5 A dermatoscopia é um método não invasivo e simples que possibilita um rápido diagnóstico in vivo da tinha incógnita.

Suporte financeiro

Nenhum.

Contribuição dos autores

Sidharth Sonthalia: Aprovação da versão final do manuscrito; concepção e planejamento do estudo; elaboração e redação do manuscrito; obtenção, análise e interpretação dos dados; participação intelectual em conduta propedêutica e/ou terapêutica de casos estudados; revisão crítica da literatura; revisão crítica do manuscrito.

Balachandra S. Ankad: Aprovação da versão final do manuscrito; elaboração e redação do manuscrito; revisão crítica da literatura; revisão crítica do manuscrito.

Mohamad Goldust: Aprovação da versão final do manuscrito; revisão crítica da literatura; revisão crítica do manuscrito.

Abhijeet Kumar Jha: Aprovação da versão final do manuscrito; revisão crítica do manuscrito.

Conflito de interesses

Nenhum.

Referências
[1]
S. Verma, R. Madhu.
The great Indian epidemic of superficial dermatophytosis: an appraisal.
Indian J Dermatol., 62 (2017), pp. 227-236
[2]
C. Navarrete-Dechent, S. Bajaj, A.A. Marghoob, M.A. Marchetti.
Rapid diagnosis of tinea incognito using handheld reflectance confocal microscopy: a paradigm shift in dermatology?.
Mycoses., 58 (2015), pp. 383-386
[3]
E. Elghblawi.
Idiosyncratic findings in trichoscopy of tinea capitis: comma, zigzag hairs, corkscrew, and Morse code‐like hair.
Int J Trichology., 8 (2016), pp. 180-183
[4]
E. Gómez Moyano, V. Crespo Erchiga, L. Martínez Pilar, S. Martinez García.
Correlation between dermoscopy and direct microscopy of Morse code hairs in tinea incognito.
J Am Acad Dermatol., 74 (2016), pp. e7-e8
[5]
E. Gómez-Moyano, V. Crespo Erchiga, L. Martínez Pilar, S. Martínez García, T. Martín González, D.J. Godoy Diaz, et al.
Using dermoscopy to detect tinea of vellus hair.
Br J Dermatol., 174 (2016), pp. 636-638

Como citar este artigo: Sonthalia S, Ankad BS, Goldust M, Jha AK. Dermoscopy – a simple and rapid in vivo diagnostic technique for tinea incognito. An Bras Dermatol. 2019;94:612–4.

Trabalho realizado no SKINNOCENCE: The Skin Clinic & Research Center, Gurugram, Índia.

Idiomas
Anais Brasileiros de Dermatologia (Portuguese)
Opções de artigo
Ferramentas
en pt
Cookies policy Política de cookies
To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.