Compartilhar
Informação da revista
Vol. 96. Núm. 3.
Páginas 349-351 (01 Maio 2021)
Compartilhar
Compartilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Visitas
...
Vol. 96. Núm. 3.
Páginas 349-351 (01 Maio 2021)
Dermatologia Tropical/Infectoparasitária
DOI: 10.1016/j.abdp.2020.08.014
Open Access
Envolvimento ocular na esporotricose: relato de dois casos em crianças
Visitas
...
Luciana Rodino Lemes, John Verrinder Veasey
Autor para correspondência
johnveasey@uol.com.br

Autor para correspondência.
, Silvia Soutto Mayor, Carolina Contin Proença
Clínica de Dermatologia, Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil
Informação do artigo
Resume
Texto Completo
Bibliografia
Baixar PDF
Estatísticas
Figuras (3)
Mostrar maisMostrar menos
Resumo

Esporotricose é micose subcutânea que afeta homens e animais, com evolução tipicamente subaguda ou crônica, causada pelo Sporothrix spp., fungo dimórfico. Embora a forma cutânea seja a apresentação mais frequente, o envolvimento ocular tem sido mais diagnosticado nas áreas endêmicas, afetando principalmente crianças e idosos. Aproximadamente 80% dos pacientes afetados apresentam a forma linfocutânea, enquanto apenas 2,3% apresentam lesões conjuntivais, sendo 0,7% com envolvimento ocular primário. Descrevemos dois casos de esporotricose com envolvimento ocular em crianças por inoculação através de felinos, com boa resposta ao tratamento antifúngico.

Palavras‐chave:
Criança
Esporotricose
Infecções oculares, fungos
Texto Completo
Relato dos casos

O primeiro caso é de um paciente do sexo masculino de 3 anos de idade que convivia com gato doente. O paciente apresentou lesão ocular na porção inferior da conjuntiva tarsal que progrediu com disseminação linfática, com formação de nódulo malar e linfonodomegalia submandibular ipsilateral (fig. 1). O segundo caso é de um paciente do sexo masculino de 12 anos de idade, também contaminado por contato com gato doente, com lesão na pele por arranhadura no lábio, e na mucosa ocular por provável contágio aéreo através do espirro do gato. Progrediu com nódulos formando trajeto na porção inferior da face e conjuntivite à esquerda (fig. 2). Em ambos os casos, foi isolado Sporothrix spp. na cultura de secreção ocular e os pacientes evoluíram com cura após tratamento com itraconazol (fig. 3).

Figura 1.

Apresentação clínica do paciente 1: lesão eritematosa granular na conjuntiva tarsal inferior direita e linfadenopatia submandibular (síndrome oculoglandular de Parinaud).

(0,1MB).
Figura 2.

Paciente 2 com forma linfocutânea pela arranhadura do gato no lábio superior e envolvimento ocular pelo espirro do gato doente.

(0,12MB).
Figura 3.

Cultura da secreção ocular em ágar Sabouraud, com crescimento de colônia filamentosa preta e branca.

(0,07MB).
Discussão

O envolvimento ocular na esporotricose pode ocorrer por disseminação hematogênica, levando à lesão intraocular, ou por inoculação/traumatismo, comprometendo os anexos oculares. Lesões retrobulbares parecem ter maior relação com disseminação hematogênica, enquanto lesões anteriores estão mais associadas à inoculação fúngica.1

Ambos os casos relatados negaram traumatismo ocular; o segundo caso referiu categoricamente contágio pelo espirro em sua face. É sabido que gotículas dos felinos doentes, cujas secreções contêm grandes quantidades de fungos, alcançam as membranas dos humanos sem a necessidade de ferida local para a inoculação.2,3 Interessante ressaltar que ambos os pacientes são crianças, faixa etária que mantém contato íntimo com os animais domésticos, muitas vezes levando‐os para a proximidade do rosto, favorecendo a inoculação fúngica na face e na mucosa ocular.

O paciente do primeiro caso apresentou a síndrome oculoglandular de Parinaud. É uma condição clínica rara, caracterizada por conjuntivite unilateral granulomatosa acompanhada de linfadenopatia satélite pré‐auricular ou submandibular.4 No segundo caso, o paciente apresentava duas formas clínicas: a linfocutânea, causada pela arranhadura do gato, e a mucosa, pela inoculação de esporos por gotículas do mesmo gato no olho esquerdo.1,2

A abordagem da esporotricose ocular é semelhante à forma cutânea.1,3 O diagnóstico é realizado por meio da coleta de secreção conjuntival com swab estéril, seguida de cultura para investigação de fungos.1,2 Os fármacos indicados para tratamento da esporotricose são: itraconazol, iodeto de potássio, terbinafina e anfotericina B. O comprometimento ocular na esporotricose deve ser tratado com antifúngicos nas doses preconizadas para as formas cutâneas. A escolha do fármaco dependerá de contraindicações, disponibilidade do medicamento e condições clínicas do hospedeiro. O itraconazol tem sido a primeira escolha, na dose de 100‐200mg/dia até completa resolução das lesões (ou por mais duas a quatro semanas), em geral, em um total de três a seis meses.1 O tempo de tratamento é variado em literatura e será determinado pela resposta clínica do paciente.

Suporte financeiro

Nenhum.

Contribuição dos autores

Luciana Rodino Lemes: Elaboração e redação do manuscrito; revisão do manuscrito.

John Verrinder Veasey: Elaboração e redação do manuscrito; participação intelectual na propedêutica e conduta terapêutica dos casos; revisão do manuscrito; aprovação do manuscrito.

Silvia Soutto Mayor: Participação intelectual na propedêutica e conduta terapêutica dos casos; revisão do manuscrito; aprovação do manuscrito

Carolina Contin Proença: Participação intelectual na propedêutica e conduta terapêutica dos casos; revisão do manuscrito.

Conflito de interesses

Nenhum.

Referências
[1]
J.P.M. Yamagata, F.B. Rudolph, M.C.L. Nobre, L.V. Nascimento, F.M.S. Sampaio, A. Arinelli, et al.
Ocular sporotrichosis: A frequently misdiagnosed cause of granulomatous conjunctivitis in epidemic areas.
Am J Ophthalmol Case Rep., 8 (2017), pp. 35-38
[2]
R. Orofino-Costa, P.M. de Macedo, A.M. Rodrigues, A.R. Bernardes-Engemann.
Sporothrichosis: An update on epidemiology, etiopathogenesis, laboratory, and clinical therapeutics.
An Bras Dermatol., 92 (2017), pp. 606-620
[3]
K.B. Medeiros, L.G. Landeiro, L.M. Diniz, A. Falqueto.
Disseminated cutaneous sporotrichosis associated with ocular lesion in an immunocompetent patient.
An Bras Dermatol., 91 (2016), pp. 537-539
[4]
A.S.A. Ribeiro, T. Bisol, M.S. Menezes.
Parinaud's oculoglandular syndrome caused by Sporotrichosis.
Rev Bras Oftalmol., 69 (2010), pp. 317e322

Como citar este artigo: Lemes LR, Veasey JV, Mayor SS, Proença CC. Ocular involvement in sporotrichosis: report of two cases in children. An Bras Dermatol. 2021;96:349–51.

Trabalho realizado na Clínica de Dermatologia, Hospital da Santa Casa de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Copyright © 2021. Sociedade Brasileira de Dermatologia
Idiomas
Anais Brasileiros de Dermatologia (Portuguese)

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas
en pt
Cookies policy Política de cookies
To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.