Compartilhar
Informação da revista
Vol. 96. Núm. 5.
Páginas 646-647 (01 Setembro 2021)
Compartilhar
Compartilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Visitas
...
Vol. 96. Núm. 5.
Páginas 646-647 (01 Setembro 2021)
Carta ‐ Caso clínico
Open Access
Exantema intertriginoso e flexural simétrico relacionado ao uso de paracetamol
Visitas
...
Joana Alexandria Ferreira Dias, Luana Moraes Campos, Juliano Vilaverde Schmitt, Sílvio Alencar Marques
Autor para correspondência
silvio.marques@unesp.br

Autor para correspondência.
Faculdade de Medicina, Universidade Estadual Paulista, Botucatu, SP, Brasil
Informação do artigo
Texto Completo
Bibliografia
Baixar PDF
Estatísticas
Figuras (3)
Mostrar maisMostrar menos
Texto Completo
Prezado Editor,

Em 1984, Andersen et al.1 relataram três pacientes que desenvolveram lesões eritematosas na região glútea, face interna das coxas e axilas, sem sintomatologia geral associada e expostos sistemicamente a alérgenos aos quais apresentavam prévia sensibilização de contato. Por analogia das lesões ao aspecto morfológico glúteo dos babuínos (Papio papio), sugeriram a denominação de síndrome de baboon (SB) a esses casos.1 Hausermann et al., em 2004, propuseram a denominação symetrical drug‐related intertriginous and flexural exanthema (SDRIFE) para casos de sensibilização sistêmica a fármacos, sem exposição tópica, clinicamente idênticas à SB, e ressaltaram a ausência de sinais e sintomas sistêmicos associados.2

Relatamos paciente do sexo masculino, 56 anos de idade, com lesões na região inguinal e axilar, pouco pruriginosas e não associadas a outros sintomas sistêmicos. Referia uso exclusivo de paracetamol há dois dias e quadro idêntico ao atual em exposições prévias. Ao exame, observaram‐se lesões eritemato‐vinhosas, bem delimitadas, sem sinais de escoriação, localização bilateral e simétrica nas regiões axilares, inguinocrurais, glútea, face lateral das coxas incluindo região poplítea (figs. 1 e 2). O exame histopatológico de biópsia de lesão axilar evidenciou epiderme com espongiose discreta, infiltrado dérmico, linfo‐histiocitário, perivascular moderado e vasodilatação. Ausência de queratinócitos necróticos e de derrame pigmenta afastaram eritema pigmentar fixo (fig. 3).

Figura 1.

SDRIFE: máculas eritemato‐purpúricas acometendo região suprapúbica, lateral das coxas e região inguinocrural.

(0,12MB).
Figura 2.

SDRIFE: evidência do acometimento axilar.

(0,1MB).
Figura 3.

SDRIFE: Histopatologia evidenciando infiltrado linfo‐histiocitário perivascular na derme superficial e média (Hematoxilina & eosina, 100×).

(0,17MB).

Portanto, os dados da história clínica, dermatológicos e histológicos, permitiram o diagnóstico de SDRIFE associada ao paracetamol. As lesões desapareceram em poucas semanas após suspensão do fármaco e uso de corticoide tópico.

Em 2011, Miyahara et al.3 propuseram classificação da SB em quatro subtipos: 1) SB clássica, resultante de sensibilização por alérgenos de contato e desencadeada por exposição sistêmica aos mesmos; 2) SB induzida por contato com fármacos, desencadeada por absorção após reexposição cutânea; 3) SB induzida por sensibilização sistêmica e quadro desencadeado por exposição cutânea ao fármaco; e 4) SDRIFE, que corresponde à sensibilização sistêmica e manifestação quando da reexposição sistêmica, excluindo‐se alérgenos de contato.2,3 Clinicamente, o SDRIFE caracteriza‐se por exantema simétrico na área glútea, interglútea e inguinal, além do envolvimento de pelo menos uma área intertriginosa e flexural como axilar, cubital e poplítea e considerada manifestação infrequente e benigna de reação de hipersensibilidade com ausência de sintomas sistêmicos. O início é de horas a dois dias após exposição ao agente causal. As medicações mais relacionadas são os beta lactâmicos, em particular a amoxicilina, sulfamídicos, anti‐inflamatórios, barbitúricos, tetraciclinas e carbamazepina. Na literatura, há somente dois casos relatados de SDRIFE associados ao uso de paracetamol.4,5

A patogênese não é completamente compreendida, mas, como na dermatite alérgica de contato, o quadro sugere reação de hipersensibilidade tardia mediada por células T. A maior densidade de glândulas sudoríparas écrinas nas regiões de dobras explicaria sua manifestação restrita ou predominante às localizações intertriginosas, onde a excreção do fármaco sensibilizante precipitaria a dermatose. O tratamento implica na suspeição e interrupção dos fármacos em uso. Os corticoides de uso tópico ou sistêmico podem acelerar a resolução. Relatos de casos e identificação do fármaco desencadeante são úteis do ponto de vista didático e epidemiológico.

Suporte financeiro

Nenhum.

Contribuição dos autores

Joana Alexandria Ferreira Dias: Aprovação da versão final do manuscrito; concepção e planejamento do estudo; revisão crítica da literatura.

Luana Moraes Campos: Aprovação da versão final do manuscrito; revisão crítica do manuscrito.

Juliano Vilaverde Schmitt: Aprovação da versão final do manuscrito; obtenção, análise e interpretação dos dados; revisão crítica do manuscrito.

Sílvio Alencar Marques: Aprovação da versão final do manuscrito; elaboração e redação do manuscrito; revisão crítica da literatura; revisão crítica do manuscrito.

Conflito de interesses

Nenhum.

Referências
[1]
K.E. Andersen, N. Hjorth, T. Menné.
The Baboon syndrome: systemically induced allergic contact dermatitis.
Contact Dermatitis., 10 (1984), pp. 97-100
[2]
P. Häusermann, T. Harr, A.J. Bircher.
Baboon syndrome resulting from systemic drugs: is there strife between SDRIFE and allergic contact dermatitis syndrome?.
Contact Dermatitis., 51 (2004), pp. 297-310
[3]
A. Miyahara, H. Kawashima, Y. Okubo, A. Hoshika.
A new proposal for a clinical‐oriented subclassification of baboon syndrome and a review of baboon syndrome.
Asian Pac J Allergy Immunol., 29 (2011), pp. 150-160
[4]
L. Lugović-Mihić, T. Duvančić, M. Vučić, M. Situm, M. Kolić, J. Mihić.
SDRIFE (baboon syndrome) due to paracetamol: case report.
Acta Dermatovenereol Croat., 21 (2013), pp. 113-117
[5]
B. Roopa, K.K. Sangeeth, P.M. Rohini, V. Prasanna.
Case report‐baboon syndrome with paracetamol.
Int J Basic Clin Pharmacol., 7 (2018), pp. 2061-2064

Como citar este artigo: Dias JAF, Campos LM, Schimitt JV, Marques SA. Symmetrical intertriginous and flexural exanthema related to the use of paracetamol. An Bras Dermatol. 2021;96:646–7.

Trabalho realizado na Faculdade de Medicina, Universidade Estadual Paulista, Botucatu, SP, Brasil.

Copyright © 2021. Sociedade Brasileira de Dermatologia
Idiomas
Anais Brasileiros de Dermatologia (Portuguese)

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas
en pt
Cookies policy Política de cookies
To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.