Compartilhar
Informação da revista
Vol. 96. Núm. 5.
Páginas 642-643 (01 Setembro 2021)
Compartilhar
Compartilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Visitas
...
Vol. 96. Núm. 5.
Páginas 642-643 (01 Setembro 2021)
Carta ‐ Caso clínico
Open Access
Metástase cutânea de mesotelioma maligno
Visitas
...
Tatsuhiko Mori
Autor para correspondência
mtatsu@fmu.ac.jp

Autor para correspondência.
, Toshiyuki Yamamoto
Departamento de Dermatologia, Fukushima Medical University, Fukushima, Japão
Informação do artigo
Texto Completo
Bibliografia
Baixar PDF
Estatísticas
Figuras (3)
Mostrar maisMostrar menos
Texto Completo
Prezado Editor,

A metástase cutânea do mesotelioma pleural maligno é rara. Este é um relato de um caso de mesotelioma maligno com metástase cutânea à distância.

Um homem de 78 anos de idade, que trabalhava como soldador e foi exposto ao amianto, visitou a Clínica Médica de nosso hospital com queixa de falta de ar havia seis meses. Ele foi submetido à biópsia aspirativa da parede torácica direita. Apresentava células monomorfas neoplásicas com citoplasma eosinofílico ou vacuolado e núcleos atípicos dispostas em padrão sólido ou em pedra de calçamento (cobblestone). A análise imuno‐histoquímica revelou forte positividade para antígeno de membrana epitelial e vimentina, positividade focal para AE1/3, calretinina, D2‐40 e tumor de Wilms‐1, mas foi negativa para antígeno carcinoembrionário, fator de transcrição tireoidiana‐1 e citoqueratina 5/6. O diagnóstico de mesotelioma pleural maligno foi feito (T3N0M0, estágio 3), e o paciente foi tratado com quimioterapia (pemetrexedo e carboplatina). Porém, cinco meses após o término da quimioterapia, ele notou a presença de um nódulo firme na axila esquerda, quando foi encaminhado ao nosso departamento. O exame físico mostrou um nódulo dérmico solitário na axila esquerda. O exame histopatológico do tumor totalmente ressecado mostrou células tumorais epitelioides atípicas semelhantes com várias mitoses (fig. 1). A análise imuno‐histoquímica mostrou padrão semelhante ao da biópsia pleural com forte marcação para vimentina (fig. 2), bem como positividade focal para AE1/AE3 e D2‐40; no entanto, a calretinina, um marcador da célula do mesotelioma, não foi detectada. Três meses depois, nódulos cutâneos apareceram na região inferior do abdome (dois nódulos medindo 12mm e 17mm de diâmetro; fig. 3A), no tórax esquerdo (um nódulo medindo 20mm; fig. 3B), e no tórax direito (um nódulo medindo 50×35mm). A quimioterapia foi interrompida e os melhores cuidados de suporte foram escolhidos.

Figura 1.

As características histológicas mostram células neoplásicas monomorfas atípicas, com proliferação de citoplasma eosinofílico ou vacuolado em padrão sólido (Hematoxilina & eosina, 400×).

(0,22MB).
Figura 2.

Forte imunopositividade para vimentina (Vimentina, 400×).

(0,23MB).
Figura 3.

Aparência clínica.

(0,08MB).

O mesotelioma maligno é uma neoplasia rara das membranas serosas, predominantemente da pleura e do peritônio. A incidência de mesotelioma maligno está aumentando, especialmente em pacientes expostos ao amianto. O paciente do presente caso trabalhava há muito tempo em áreas de construção, o que o levou à exposição ao amianto.

A metástase cutânea do mesotelioma maligno é relativamente rara e pode ocorrer de três maneiras diferentes: 1) disseminação regional por via linfática, 2) extensão direta dentro de cicatrizes cirúrgicas, como as dos trajetos de agulhas; e 3) metástase à distância por disseminação hematogênica.1 No presente caso, apareceu um nódulo metastático na axila, não relacionado ao local da biópsia aspirativa. A metástase cutânea a distância é relativamente rara. Ward et al.1 revisaram 20 casos de mesotelioma maligno metastático cutâneo, excluindo casos de extensão direta ou disseminação regional. O tempo médio desde o diagnóstico original do mesotelioma maligno até a metástase cutânea foi de seis meses. O local mais comumente afetado foi a face, seguido pelo couro cabeludo e tórax. As lesões cutâneas metastáticas ocorrem principalmente como nódulos subcutâneos, e lesões múltiplas são frequentemente observadas.1 No presente caso, os nódulos subcutâneos aumentaram em número em apenas três meses. As lesões cutâneas também podem ser disseminadas.2 No presente caso, a metástase cutânea apareceu inicialmente cinco meses após o diagnóstico de mesotelioma pleural maligno; entretanto, a metástase pode ser retardada por até quatro anos.3 Por outro lado, a metástase cutânea pode ocorrer como uma manifestação inicial.2,4

Foi relatado que a porcentagem positiva de expressão da calretinina no mesotelioma pleural maligno foi variada (50%‐100%), dependendo do tipo de anticorpo da calretinina.5 O diagnóstico de mesotelioma maligno é frequentemente desafiador, especialmente em casos de imunomarcação negativa para calretinina. No presente caso, a história laboral do paciente, que incluía histórico de exposição à asbestose, e a diferenciação com adenocarcinoma pulmonar levou ao diagnóstico de mesotelioma maligno.

Suporte financeiro

Nenhum.

Contribuição dos autores

Tatsuhiko Mori: Projetou o estudo; realizou a pesquisa e contribuiu com a análise e interpretação dos dados; escreveu o rascunho inicial do manuscrito; aprovou a versão final do manuscrito.

Toshiyuki Yamamoto: Projetou o estudo; auxiliou na elaboração do manuscrito; aprovou a versão final do manuscrito.

Conflito de interesses

Nenhum.

Referências
[1]
R.E. Ward, S.A. Ali, M. Kuhar.
Epithelioid malignant mesothelioma metastatic to the skin: a case report and review of the literature.
J Cutan Pathol., 44 (2017), pp. 1057-1063
[2]
C.S.L. Müller, J. Reichrath, W. Tilgen.
Disseminated cutaneous metastasis of a biphasic pleural mesothelioma.
J Eur Acad Dermatol Venereol., 23 (2009), pp. 226-227
[3]
A.M. Elbahaie, D.E. Kamel, J. Lawrence, N.G. Davidson.
Late cutaneous metastases to the face from malignant pleural mesothelioma: a case report and review of the literature.
World J Surg Oncol., 7 (2009), pp. 84
[4]
A. Maiorana, F. Giusti, A.M. Cesinaro, A. Conti, G. Rossi.
Cutaneous metastases as the first manifestation of pleural malignant mesothelioma.
J Am Acad Dermatol., 54 (2006), pp. 363-365
[5]
N.G. Ordóñez.
The immunohistochemical diagnosis of mesothelioma: a comparative study of epithelioid mesothelioma and lung adenocarcinoma.
Am J Surg Pathol., 27 (2003), pp. 1031-1051

Como citar este artigo: Mori T, Yamamoto T. Skin metastasis of malignant mesothelioma. An Bras Dermatol. 2021;96:642–3.

Trabalho realizado no Departamento de Dermatologia, Fukushima Medical University, Fukushima, Japão.

Idiomas
Anais Brasileiros de Dermatologia (Portuguese)

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas
en pt
Cookies policy Política de cookies
To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.