Compartilhar
Informação da revista
Vol. 95. Núm. 3.
Páginas 390-391 (01 Maio 2020)
Compartilhar
Compartilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Visitas
...
Vol. 95. Núm. 3.
Páginas 390-391 (01 Maio 2020)
Carta – Caso clínico
Open Access
Micobacteriose atípica cutânea por M. fortuitum adquirida em ambiente domiciliar
Visitas
...
Dimitri Luz Felipe da Silva
Autor para correspondência
dimitriluzfs@gmail.com

Autor para correspondência.
, Letícia dos Santos Valandro, Paulo Eduardo Neves Ferreira Velho, Andréa Fernandes Eloy da Costa França
Departamento de Clínica Médica, Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil
Informação do artigo
Texto Completo
Bibliografia
Baixar PDF
Estatísticas
Figuras (3)
Mostrar maisMostrar menos
Texto Completo
Prezado Editor,

Trata‐se de mulher, branca, 54 anos, previamente hígida, que procurou o serviço de dermatologia com lesão nódulo‐cística eritematosa, de 2 cm, sem óstio de drenagem, localizada na face dorsal do 4° quirodáctilo esquerdo; associada a dor, edema e calor (fig. 1). A lesão surgiu quatro dias após trauma local quando fazia a limpeza do banheiro da sua residência. Negava febre ou outro sintoma sistêmico associado. Não houve melhora com o uso de antibióticos e corticoides orais. Foram levantadas as hipóteses de feo‐hifomicose, esporotricose e micobacteriose atípica, sendo realizadas biópsia da lesão e coleta do conteúdo líquido para cultura. O exame anatomopatológico evidenciou processo inflamatório crônico organizado, que ocupava toda a espessura da amostra, com pesquisa negativa para BAAR e fungos (fig. 2). Na cultura do material houve crescimento de Mycobacterium fortuitum, no meio Middlebrook 7H12. As sorologias para HIV, hepatites B e C e sífilis foram todas negativas. Após confirmação do agente etiológico, foi instituído tratamento com claritromicina (1g ao dia) e levofloxacino (1g ao dia), com posterior troca dessa última medicação para sulfametoxazol‐trimetoprim (1200 mg/240 mg a cada 12 horas), por intolerância gastrointestinal, levando à regressão completa da lesão após seis meses (fig. 3).

Figura 1.

Edema e eritema no quarto quirodáctilo direito.

(0,07MB).
Figura 2.

Processo inflamatório crônico organizado, com pesquisa negativa para BAAR e fungos (Hematoxilina & eosina, 40×).

(0,2MB).
Figura 3.

Resolução da inflamação após antibioticoterapia.

(0,11MB).

Micobactérias atípicas, também conhecidas como não tuberculosas (mycobacteria other than tuberculosis – MOTT), são bacilos álcool‐ácido resistentes, de crescimento lento em cultura e de comportamento muito peculiar, podendo ser saprófitas ou encontradas em animais, água e locais úmidos. As micobacterioses atípicas correspondem a 10% das infecções por micobactérias e acometem preferencialmente imunossuprimidos.1 O grupo das micobactérias de crescimento rápido (rapidly growing mycobacteria – RGM), assim denominadas pelo seu tempo de crescimento em ambiente de cultura de uma semana, pode ser encontrado nos mais diversos sítios. As três espécies mais relevantes são: M. fortuitum, M. chelonae e M. abscessus. O M. fortuitum está mais relacionado a infecções hospitalares em pacientes imunossuprimidos e pode acarretar infecções pulmonares, de tecidos moles e osso. O acometimento cutâneo está mais relacionado a situações pós‐operatórias e procedimentos estéticos invasivos.2 O presente caso corresponde à infecção cutânea por M. fortuitum em paciente imunocompetente, adquirido em ambiente domiciliar, possivelmente devido ao trauma em local de bastante umidade, tendo como diagnóstico diferencial o granuloma das piscinas, causado pelo M. marinum, devido às circunstâncias em que foi adquirida a infecção. O diagnóstico das micobacterioses atípicas é feito por meio do isolamento do agente em cultura, uma vez que os exames radiológico, histopatológico, PCR e clínico são, muitas vezes, inconclusivos. A história de infecção prolongada, sem melhora com diferentes tratamentos, podem levar à suspeita clínica. O tratamento deve ser prolongado e com antibióticos de largo espectro. O grupo dos macrolídeos em associação com quinolonas é um dos esquemas mais preconizados e por vezes necessita de intervenção cirúrgica.3,4 O presente relato reforça a necessidade de se lembrar das micobacterioses atípicas como parte do rol dos diagnósticos diferenciais de lesões cutâneas traumáticas, em especial quando tendem à cronicidade.

Suporte financeiro

Nenhum.

Contribuição dos autores

Dimitri Luz Felipe da Silva: Aprovação da versão final do manuscrito; concepção e planejamento do estudo; elaboração e redação do manuscrito; obtenção, análise e interpretação dos dados; revisão crítica da literatura; revisão crítica do manuscrito.

Letícia dos Santos Valandro: Concepção e planejamento do estudo; revisão crítica da literatura.

Paulo Eduardo Neves Ferreira Velho: Participação intelectual em conduta propedêutica e/ou terapêutica de casos estudados.

Andréa Fernandes Eloy da Costa França: Aprovação da versão final do manuscrito; elaboração e redação do manuscrito; participação intelectual em conduta propedêutica e/ou terapêutica de casos estudados.

Conflitos de interesse

Nenhum.

Referências
[1]
J.R.W. Belda, N. Chiachio, J.R.P. Criado.
Tratado de Dermatologia.
2nd ed, Ed Atheneu, (2015),
[2]
S. Park, G.Y. Suh, M.P. Chung, H. Kim, O.J. Kwon, K.S. Lee, et al.
Clinical significance of Mycobacterium fortuitum isolated from respiratory specimens.
Respir Med., 102 (2008), pp. 437-442
[3]
A.C.G.O. Sousa, C.P. Pereira, N.S. Guimaraes, V.R. Rego, A.P. Paixão, J.R.A.A. Barbosa.
Atypical cutaneous mycobacteriosis following mesotherapy.
An Bras Dermatol., 76 (2001), pp. 711-715
[4]
N.D. Murback, M.G. Higa Júnior, M.A. Pompílio, E.S. Cury, G. Hans Filho, L.C. Takita.
Disseminated cutaneous atypical mycobacteriosis by M. chelonae after sclerotherapy of varicose veins in a immunocompetent patient: a case report.
An Bras Dermatol., 90 (2015), pp. 36-39

Como citar este artigo: Silva DLF, Valandro LS, Velho PENF, França AFEC. Atypical cutaneous mycobacteriosis caused by M. fortuitum acquired in domestic ambience. An Bras Dermatol. 2020;95:390–1.

Trabalho realizado no Hospital de Clínicas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil.

Copyright © 2020. Sociedade Brasileira de Dermatologia
Idiomas
Anais Brasileiros de Dermatologia (Portuguese)

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas
en pt
Cookies policy Política de cookies
To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.