Compartilhar
Informação da revista
Vol. 96. Núm. 4.
Páginas 490-493 (01 Julho 2021)
Compartilhar
Compartilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Visitas
...
Vol. 96. Núm. 4.
Páginas 490-493 (01 Julho 2021)
Imagens em Dermatologia
DOI: 10.1016/j.abdp.2020.09.026
Open Access
Presença de hifas em exames de cromoblastomicose: enigma a ser desvendado
Visitas
...
Gustavo de Sá Menezes Carvalhoa,
Autor para correspondência
gustavo.carvalho@msn.com

Autor para correspondência.
, Karina Baruel de Camargo Votto Calbuccia, Rute Facchini Lellisb, John Verrinder Veaseya
a Clínica de Dermatologia, Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil
b Laboratório de Patologia, Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil
Informação do artigo
Resume
Texto Completo
Bibliografia
Baixar PDF
Estatísticas
Figuras (5)
Mostrar maisMostrar menos
Resumo

A visualização de corpos muriformes no exame micológico direto ou anatomopatológico é considerada patognomônica da cromoblastomicose. O aspecto morfológico que essas estruturas fúngicas adquirem foram denominadas de “aranha de Borelli”. Relatos desta associação têm sido descritos há décadas, inicialmente relacionando a agentes mais patogênicos desta micose. Estudos mais recentes apresentam aspectos referentes à imunidade do hospedeiro na participação deste processo, bem como uma associação a pior prognóstico da doença. O presente estudo expõe os achados de exames complementares com a presença da “aranha de Borelli” em paciente com diagnóstico de cromoblastomicose.

Palavras‐chave:
Cromoblastomicose
Diagnóstico
Micoses
Texto Completo
Relato do caso

Paciente do sexo masculino, de 58 anos de idade, natural do estado do Pará, referia lesão na região da coxa direita havia 15 anos, caracterizada por placa eritematosa, de limites bem delimitados, com superfície verrucosa e algumas áreas nodulares que media no maior eixo cerca de 13cm (fig. 1). O paciente negava história de trauma local. Foi realizado exame microscópico direto que evidenciou presença de corpos muriformes (CM – fig. 2). Além disso, o cultivo fúngico revelou crescimento de uma colônia enegrecida e aveludada, com morfologia macro‐microscópica compatível com Fonsecaea pedrosoi. Ao exame anatomopatológico foram visualizados CM, alguns associados a hifas demáceas, recebendo o nome de “aranha de Borelli” (AB). Esses achados confirmaram o diagnóstico de cromoblastomicose (CBM), e então foi iniciado o tratamento com itraconazol (200mg/dia durante seis meses), porém sem melhora significativa das lesões, com necessidade de associar outras terapias (crioterapia e exérese cirúrgica).

Figura 1.

Dermatose localizada na região da coxa esquerda, caracterizada por placa eritematosa de limites bem definidos, com superfície verrucosa e algumas áreas nodulares que media no maior eixo 13cm.

(0,21MB).
Discussão

A CBM é uma micose de evolução crônica que afeta pele e tecido subcutâneo, causada por fungos demáceos filamentosos.1,2 Apresenta como principais agentes causadores Fonsecaea pedrosoi e Phialophora verrucosa, organismos geofílicos de alta prevalência em áreas úmidas de climas tropical e subtropical.1–3 O local mais frequentemente acometido é a extremidade dos membros inferiores por mecanismo traumático, pela inoculação de hifas e conídios fúngicos na pele do hospedeiro.2–4 Uma vez instalado no tecido, o fungo se adere às células epiteliais e se diferencia em estruturas chamadas corpos muriformes, fumagoides, escleróticos ou de Medlar (CM), os quais resistem à destruição pelas células efetoras do hospedeiro, favorecendo a progressão da infecção. As lesões cutâneas são polimórficas, incluindo nódulos, placas, tumores e cicatrizes.1–4 O diagnóstico da CBM é confirmado com a visualização dos CM, patognomônico da CBM, no exame micológico direto e histopatológico, independente da espécie implicada (figs. 2 e 3).1–3

Figura 2.

Exames micológicos de um caso de cromoblastomicose. (A e B), Exame micológico direto (KOH 20%, 200×) evidenciando em dois campos distintos a “aranha de Borelli”. (C e D), Cultivo fúngico com morfologia macromicroscópica compatível com Fonsecaea pedrosoi.

(0,08MB).
Figura 3.

Exame histopatológico de cromoblastomicose (Hematoxilina & eosina, 40×). Seta contínua: corpúsculo muriforme (CM) no centro de um micoabcesso intraepidérmico, patognomônico da doença. Setas tracejadas: identificação de hifas demáceas septadas.

(0,17MB).

Relatos de hifas demáceas encontradas em associação aos CM têm sido descritos há décadas, primeiramente por Borelli. O aspecto morfológico que as estruturas fúngicas adquirem foram denominadas de “aranha de Borelli” (AB), e seu achado relacionado inicialmente a espécies mais patogênicas dessa micose.5–8 Posteriormente, esse achado foi relacionado a formas mais resistentes à terapêutica, e é considerado indicativo de baixa resposta aos tratamentos clássicos, com necessidade de associações, mudanças posológicas ou abordagens cirúrgicas em muitos casos.1,6,7 Essas estruturas são evidenciadas tanto no exame micológico direto quanto no histopatológico, como no presente caso (figs. 4 e 5).

Figura 4.

A ‐ Exame histopatológico de cromoblastomicose evidenciando corpúsculos muriformes associados a hifas demáceas, “Aranha de Borelli” (Fontana Masson, 1.000×).

(0,21MB).
Figura 5.

Exame histopatológico de cromoblastomicose. Seta tracejada: corpúsculos muriformes. Seta contínua: hifas demáceas (Grocott, 400×).

(0,13MB).

Em estudos sobre a imunologia da CBM notou‐se que os fungos são capazes de regular a resposta inflamatória do hospedeiro, evitando o processo inflamatório e contribuindo para o processo de adaptação e oportunismo.9 Os CM são capazes de alterar o padrão de expressão gênica dos macrófagos, resultando nas características histopatológicas observadas em CBM com infiltrados inflamatórios granulomatosos, por vezes supurativos e com a presença de microabscessos. A presença de hifas e células muriformes nos tecidos aumenta os níveis de citocinas inflamatórias fator de necrose tumoral‐alfa (TNF‐α), interleucina 1‐beta (IL‐1β) e IL‐6, tornando a doença mais duradoura e aumentando a persistência do patógeno no tecido.9 Essa resposta imune descontrolada e crônica não promove proteção do organismo contra o fungo, e acaba levando à manutenção da infecção.9 Contudo, ainda carecem na literatura estudos que correlacionem a fisiopatologia relacionada à AB e sua resposta imunológica.

O entendimento desses achados se torna de salutar importância para a terapêutica da CBM, considerada desafiadora, sobretudo nas formas clínicas mais exuberantes e severas.2,3 O tratamento da CBM é relacionado a baixas taxas de cura e a altas chances de recidiva.1–3 São necessários longos períodos de terapia com antifúngicos, que podem ser associados à cirurgia, crioterapia, termoterapia e imunoterapia.1,2,10

Esses dados levam a entender que o equilíbrio do binômio parasita/hospedeiro sofre interferências de ambos os lados, podendo favorecer o surgimento das AB que possivelmente atuariam cronificando a doença e dificultando a terapêutica. Com o avanço de medicamentos imunomoduladores, amplia‐se a possibilidade do achado dessas estruturas. Estudos futuros sobre a apresentação das expressões clínicas, laboratoriais e terapêuticas nesses casos podem auxiliar no melhor entendimento da doença e de seu manejo.

Suporte financeiro

Nenhum.

Contribuição dos autores

Gustavo de Sá Menezes Carvalho: Elaboração e redação do manuscrito; obtenção, análise e interpretação dos dados.

Karina Baruel de Camargo Votto Calbucci: Elaboração e redação do manuscrito; obtenção, análise e interpretação dos dados.

Rute Facchini Lellis: Obtenção, análise e interpretação dos dados; participação efetiva na orientação da pesquisa; revisão crítica da literatura; revisão crítica do manuscrito.

John Verrinder Veasey: Aprovação da versão final do manuscrito; concepção e planejamento do estudo; elaboração e redação do manuscrito; obtenção, análise e interpretação dos dados; participação efetiva na orientação da pesquisa; revisão crítica da literatura; revisão crítica do manuscrito.

Conflito de interesses

Nenhum.

Referências
[1]
A.C. Brito, M.J.S. Bittencourt.
Chromoblastomycosis: an etiological, epidemiological, clinical, diagnostic and treatment up‐date.
An Bras Dermatol., 93 (2018), pp. 495-506
[2]
A. Bonifaz, E. Carrasco-Gerard, A. Saúl.
Chromoblastomycosis: clinical and mycologic experience of 51 cases.
Mycoses., 44 (2001), pp. 1-7
[3]
E. Torres-Guerrero, R. Isa-Isa, M. Isa, R. Arenas.
Chromoblastomycosis.
Clin Dermatol, 30 (2012), pp. 403-408
[4]
F. Queiroz-Telles, S. de Hoog, D.W.C.L. Santos, C.G. Salgado, V.A. Vicente, A. Bonifaz, et al.
Chromoblastomycosis.
Clin Microbiol Rev, 30 (2017), pp. 233-276
[5]
D. Borelli.
Acrotheca aquaspersa nova sp agente de cromomicosis.
Acta Cient Venez., 23 (1972), pp. 193-196
[6]
C. Porras-López, M.G. Frías-De-León, R. Arenas, E. Martínez-Herrera.
Chromoblastomycosis caused by Rhinocladiella aquaspersa: first case report in Guatemala.
An Bras Dermatol., 94 (2019), pp. 574-577
[7]
M.W. Lee, S. Hsu, T. Rosen.
Spores and mycelia in cutaneous chromomycosis.
J Am Acad Dermatol., 39 (1998), pp. 850-852
[8]
W. Schell, A. Willey, M. McGinnis, D. Borelli.
Rhinocladiella aquaspersa: a new combination for Acrotheca aquaspersa.
Mycotaxon., 17 (1983), pp. 341-348
[9]
I.M. Siqueira, R.J.A. de Castro, Leonhardt LCdM, M.S. Jeronimo, A.C. Soares, T. Raiol, et al.
Modulation of the immune response by Fonsecaea pedrosoi morphotypes in the course of experimental chromoblastomycosis and their role on inflammatory response chronicity.
PLoS Negl Trop Dis., 11 (2017), pp. e0005461
[10]
J.V. Veasey, J.A. Cunha, M. Pipa, C.R. Funchal, R.F. Lellis.
Surgical treatment and long‐term follow‐up of subcutaneous mycoses caused by dematiaceous fungi: chromoblastomycosis, phaeohyphomycosis and eumicetoma.
Surg Cosmet Dermatol., 9 (2017), pp. 29-33

Como citar este artigo: Carvalho GSM, Calbucci KBCV, Lellis RF, Veasey JV. Presence of hyphae in chromoblastomycosis examinations: an enigma to be solved. An Bras Dermatol. 2021;96:490–3.

Trabalho realizado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, SP, Brasil.

Copyright © 2021. Sociedade Brasileira de Dermatologia
Idiomas
Anais Brasileiros de Dermatologia (Portuguese)

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas
en pt
Cookies policy Política de cookies
To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.