Compartilhar
Informação da revista
Vol. 97. Núm. 4.
Páginas 511-512 (01 Julho 2022)
Visitas
...
Vol. 97. Núm. 4.
Páginas 511-512 (01 Julho 2022)
Carta ‐ Investigação
Open Access
Urticárias crônicas: perfil de um centro de excelência
Visitas
...
Ana Carolina Miranda Carvalho Ferreira Fernandes de Souza
Autor para correspondência
carolmcferreira04@gmail.com

Autor para correspondência.
, Sérgio D. Dortas Junior, Guilherme Gomes Azizi, Alfeu Tavares França, Omar Lupi, Solange O.R. Valle
Hospital Universitário Clementino Fraga Filho (HUCFF‐UFRJ), Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil
Informação do artigo
Texto Completo
Bibliografia
Baixar PDF
Estatísticas
Figuras (2)
Texto Completo
Prezado Editor,

A urticária é uma doença comum, determinada pela ativação de mastócitos que se apresenta por urticas, angioedema ou ambos.1 É uma enfermidade heterogênea, facilmente reconhecida pelos pacientes e médicos. Entretanto, é altamente complexa ao considerarmos a etiologia e as terapias. Convencionou‐se definir a urticária, quanto a sua duração, em duas formas: aguda (UA) e crônica (UC). A urticária é definida como crônica quando persiste por seis semanas ou mais.1 A urticária crônica compreende urticária crônica espontânea (UCE) e urticárias crônicas induzidas (UCInd), que incluem as urticárias físicas (UF) e não físicas.2

A prevalência de UF em adultos varia de 20 a 30% entre os casos de urticária, e 6,2 a 25,5% em crianças. Estima‐se que as UF estejam presentes em até 5% da população geral. Em 10 a 50% dos pacientes com UC, identifica‐se, pelo menos, um tipo de UF (mais frequentemente o dermografismo sintomático e urticária por pressão tardia).3

É importante reconhecer que associações de UCInd e UCE são muitas vezes observadas, enquanto um paciente pode mostrar simultaneamente duas ou mais formas de UCInd. Pacientes com UCE com um componente de UCInd têm pior prognóstico, com maior duração da doença.4,5 Em um estudo realizado por Kozel et al., a taxa de remissão após 1 ano em pacientes com associação UCE e UCInd foi de 21%, em comparação com 47% em pacientes com apenas UCE.6

As UCInd podem ser diagnosticadas por meio da história clínica, exame físico e da reprodução das lesões por testes de provocação.2

Realizamos um estudo retrospectivo, por meio da análise dos prontuários de 179 pacientes que apresentavam história de UC, acompanhados em um Centro de Referência e Excelência em Urticária (GA2LEN UCARE),7 no período de 2015 a 2019. Os principais objetivos dos GA2LEN UCAREs são fornecer excelência no manejo da urticária, aumentar o conhecimento da urticária por meio de pesquisa e educação, e promover a conscientização sobre a urticária. Para se tornar um GA2LEN UCARE certificado, os centros de urticária devem cumprir 32 requisitos que são avaliados durante uma visita de auditoria.7

O perfil epidemiológico desses pacientes foi analisado, e os seguintes parâmetros foram avaliados: sexo, idade, tempo de doença, presença de UCE e/ou UCInd e subtipo de UCInd. Os subtipos de UCInd foram confirmados por testes de provocação validados.2

Dos prontuários analisados, 153 (86%) eram de pacientes do sexo feminino e 26 (14%) masculino. A idade média foi 46,3 anos (6‐81 anos) e tempo de doença com média de 10,2 anos. Noventa e sete (54%) pacientes apresentavam associação de UCE e UCInd, 63 (35%) apresentavam apenas UCE e 19 (11%) somente UCInd (fig. 1). Dentre os pacientes que apresentavam somente UCInd, seja apenas uma forma ou diversas formas de UCInd por paciente, os subtipos foram: 12 (50%) com dermografismo, quatro (18%) com urticária por pressão tardia (UPT), um (4%) com urticária ao frio, dois (8%) com urticária ao calor, dois (8%) com urticária colinérgica, um (4%) com urticária vibratória, um (4%) com urticária solar e um (4%) com urticária aquagênica. Dentre os pacientes com UCInd associada a UCE, seja apenas uma forma ou diversas formas de UCInd por paciente por paciente, os subtipos foram: 81 (86%) com dermografismo, 27 (29%) com UPT, quatro (4,3%) com urticária ao frio, oito (8,6%) com urticária ao calor, um (1,1%) com urticária solar e nove (9,6%) com urticária colinérgica (fig. 2).

Figura 1.

Perfil de pacientes com urticária.

(0,05MB).
Figura 2.

Perfil de pacientes com urticária crônica induzida.

(0,06MB).

Nossos dados corroboram os achados de outros estudos epidemiológicos, com uma maior prevalência de UC no sexo feminino, faixa etária (20‐30 anos), associação UCE e UCInd, além do tipo mais frequente de UCInd (dermografismo). Por outro lado, diferente dos achados de estudos europeus, encontramos maior duração da doença no grupo estudado (10,2 anos×3‐5 anos).8,9 Essa diferença parece estar relacionada à alta prevalência de UCInd na amostra estudada.

A identificação e o manejo das UCInd em pacientes com UC são extremamente relevantes, visto que estão associadas a um pior prognóstico e maior duração da doença, o que compromete negativamente a qualidade de vida do paciente.

Suporte financeiro

Financiamento próprio.

Contribuição dos autores

Ana Carolina Miranda Carvalho Ferreira Fernandes de Souza: Aprovação da versão final do manuscrito; concepção e planejamento do estudo; obtenção, análise e interpretação dos dados; participação intelectual em conduta propedêutica e/ou terapêutica de casos estudados.

Sérgio D. Dortas Junior: Aprovação da versão final do manuscrito; concepção e planejamento do estudo; obtenção, análise e interpretação dos dados; participação intelectual em conduta propedêutica e/ou terapêutica de casos estudados; revisão crítica da literatura e do manuscrito; elaboração e redação do manuscrito.

Guilherme Gomes Azizi: Aprovação da versão final do manuscrito; interpretação dos dados; participação intelectual em conduta propedêutica e/ou terapêutica de casos estudados; revisão crítica da literatura; revisão crítica do manuscrito; análise estatística.

Alfeu Tavares França: Aprovação da versão final do manuscrito; participação intelectual em conduta propedêutica e/ou terapêutica de casos estudados; revisão crítica da literatura; revisão crítica do manuscrito; participação efetiva na orientação da pesquisa.

Omar Lupi: Aprovação da versão final do manuscrito, revisão crítica da literatura, do manuscrito, participação efetiva na orientação da pesquisa.

Solange O R Valle: Aprovação da versão final do manuscrito; participação intelectual em conduta propedêutica e/ou terapêutica de casos estudados; revisão crítica da literatura; revisão crítica do manuscrito; participação efetiva na orientação da pesquisa.

Conflito de interesses

Nenhum.

Agradecimentos

Esta pesquisa foi realizada como parte da assistência fornecida pelo Serviço de Imunologia, Hospital Universitário Clementino Fraga Filho (HUCFF‐UFRJ).

Referências
[1]
T. Zuberbier, W. Aberer, R. Asero, A.H.A. Latiff, D. Baker, B. Ballmer-Weber, et al.
The EAACI/GAyLEN/EDF/WAO guideline for the definition, classification, diagnosis and management of urticaria.
Allergy., 73 (2018), pp. 1393-1414
[2]
M. Magerl, S. Altrichter, E. Borzova, A. Giménez-Arnau, C.E.H. Grattan, F. Lawlor, et al.
The definition, diagnostic testing, and management of chronic inducible urticarias – TheEAACI/GA(2) LEN/EDF/UNEV consensus recommendations 2016 update and revision.
Allergy., 71 (2016), pp. 780-802
[3]
K. Weller, S. Altrichter, E. Ardelean, K. Krause, M. Magerl, F. Siebenhaar, et al.
Chronic urticaria Prevalence, course, prognostic factors andimpact.
Hautarzt., 61 (2010), pp. 750-757
[4]
M. Sánchez-Borges, L. González-Aveledo, F. Caballero-Fonseca, A. Capriles-Hulett.
Review of Physical Urticarias and Testing Methods.
Curr Allergy Asthma Rep., 17 (2017), pp. 51
[5]
M.M. Kozel, J.R. Mekkes, P.M. Bossuyt, J.D. Bos.
Natural course of physical and chronic urticaria and angioedema in 220 patients.
J Am Acad Dermatol., 45 (2001), pp. 387-391
[6]
A.P. Kaplan, L. Gray, R.E. Shaff, Z. Horakova, M.A. Beaven.
In vivo studies of mediator release in cold urticaria and cholinergic urticaria.
J Allergy Clin Immunol., 55 (1975), pp. 394-402
[7]
M. Maurer, M. Metz, C. Bindslev-Jensen, J. Bousquet, G.W. Canonica, M.K. Church, et al.
Definition, aims, and implementation of GA(2)LEN urticaria centers of reference and excellence.
Allergy., 71 (2016), pp. 1210-1218
[8]
P. Gaig, M. Olona, D.M. Lejarazu, M.T. Caballero, F.J. Domínguez, S. Echechipia, et al.
Epidemiologyof urticaria in Spain.
J Investig AllergolClin Immunol., 14 (2004), pp. 214-220
[9]
F. Lapi, N. Cassano, V. Pegoraro, N. Cataldo, F. Heiman, I. Cricelli, et al.
Epidemiology of chronic spontaneous urticaria: results from a nationwide, population‐based study in Italy.
Br J Dermatol., 174 (2016), pp. 996-1004

Como citar este artigo: Souza ACMCFF, Dortas Jr SD, Azizi GG, França AT, Lupi O, Valle SOR. Chronic urticaria: profile from a reference center. An Bras Dermatol. 2022;97:511–2.

Trabalho realizado no Hospital Universitário Clementino Fraga Filho (HUCFF‐UFRJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Idiomas
Anais Brasileiros de Dermatologia (Portuguese)

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas
en pt
Cookies policy Política de cookies
To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.