Compartilhar
Informação da revista
Vol. 97. Núm. 1.
Páginas 118-121 (01 Janeiro 2022)
Compartilhar
Compartilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Visitas
...
Vol. 97. Núm. 1.
Páginas 118-121 (01 Janeiro 2022)
Carta ‐ Caso clínico
Open Access
Vasculite leucocitoclástica após exposição à vacina para COVID‐19
Visitas
...
Matheus Fritzena,
Autor para correspondência
matheusfritzen2@gmail.com

Autor para correspondência.
, Gabriella Di Giunta Funchalb, Mariana Oliveira Luizc, Giovanna Steffenello Durigond
a Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil
b Departamento de Dermatopatologia, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil
c Departamento de Dermatologia, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil
d Departamento de Hematologia, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil
Informação do artigo
Texto Completo
Bibliografia
Baixar PDF
Estatísticas
Figuras (3)
Mostrar maisMostrar menos
Tabelas (1)
Tabela 1. Exames laboratoriaisa
Texto Completo
Prezado Editor,

Uma paciente de 60 anos de idade, com histórico de hepatopatia crônica, hipertensão portal, policitemia vera, hipotireoidismo e diabetes mellitus tipo 2, apresentou‐se no setor de emergência do Hospital Universitário Polydoro Ernani de São Thiago referindo aparecimento de lesões purpúricas dolorosas nos membros inferiores três dias antes. Negava febre, calafrios, artralgia ou trauma. Negava uso de medicamentos novos. Relatava administração da segunda dose de vacina para COVID‐19 (Oxford‐AstraZeneca) havia cerca de 11 dias. Negava quadro semelhante prévio. Ao exame físico, apresentava lesões purpúricas e pápulas palpáveis, sem desaparecimento à digitopressão (figs. 1 e 2).

Figura 1.

Lesões púrpuricas nos membros inferiores no primeiro dia de internação.

(0,1MB).
Figura 2.

Múltiplas petéquias e púrpuras palpáveis.

(0,11MB).

Relatava uso diário de propranolol, metformina e levotiroxina. Descrevia estabilidade do quadro de policitemia vera desde dezembro de 2015. Foi submetida à biópsia de pele por meio de dois punchs dos membros inferiores para análise histopatológica e imunofluorescência (IF). Iniciou‐se prednisona (1 mg/kg/dia) uma vez ao dia. O exame histopatológico evidenciou infiltrado inflamatório misto com neutrófilos com leucocitoclasia predominantemente perivasculares associado a hemácias extravasadas (fig. 3 A‐C). A IF revelou depósito de IgA e IgM nas paredes dos vasos pós‐capilares (fig. 3D). O quadro histológico era compatível com vasculite leucocitoclástica. A paciente negava sintomas ou quadro prévio de COVID‐19. Foi sugerida a possibilidade de crioglobulinemia; pesquisou‐se crioglobulinas séricas, as quais resultaram negativas. A paciente apresentou elevação de proteína C reativa e leucocitose com desvio. O restante do hemograma, função hepática, coagulograma e parcial de urina estavam dentro da normalidade ou compatíveis com comorbidades (tabela 1). Após três dias de internação, a paciente evoluiu com melhora das lesões nos membros inferiores e sintomas dolorosos. Após sete dias de prednisona na dose de 60mg, iniciou‐se redução progressiva, e a paciente teve alta hospitalar com prednisona 40 mg/dia.

Figura 3.

(A e B), Exame histopatológico da pele evidenciando intenso infiltrado inflamatório difuso na derme (Hematoxilina & eosina, 100×). (C), Vasos pós‐capilares da derme permeados por neutrófilos com leucocitoclasia. Presença de sinais de dano endotelial com depósitos murais e intersticiais de fibrina, além de hemácias extravasadas (Hematoxilina & eosina, 400×). (D), Exame de imunofluorescência evidenciando depósitos granulares de IgA e IgM na parede dos vasos pós‐capilares.

(0,59MB).
Tabela 1.

Exames laboratoriaisa

Variáveis  Valores de referência (adultos)  Admissão 
Sangue
Hematócrito (%)  11,5‐16,5  13,6 
Hemoglobina (g/dL)  36‐48  43,2 
Leucócitos (por μL)  3.000‐11.000  31.610 
Diferencial (mm3)
Neutrófilos  1.700‐7.500  19.914 
Linfócitos  1.000‐2.500  1.896 
Monócitos  200‐920  632 
Eosinófilos  20‐670  632 
Bastonados  –  4.741 
Metamielócitos  –  2.528 
Mielócitos  –  948 
Promielócitos  –  316 
Plaquetas (por μL)  150.000‐440.000  138.000 
Tempo de protrombina (s)  12,1  16,8 
RNI  <1,2  1,42 
Tempo de protrombina parcial ativada (s)  27,3  41,3 
Proteína C Reativa (mg/L)  <4,8 
Velocidade de hemossedimentação (mm/h)  Até 15 
Aspartato aminotransferase (U/L)  10‐40  51 
Alanina aminotransferase (U/L)  14‐59  12 
Desidrogenase lactica (U/L)  81‐234  1.304 
Creatinina (mg/dL)  0,7‐1,2  1,04 
Urina
Cor  Amarelo citrino  Amarelo citrino 
Aspecto  Ligeiramente turvo  Ligeiramente turvo 
Densidade  1.010‐1.030  1025 
pH  5,0‐7,0  5,0 
Proteínas  Negativo  Negativo 
Substâncias redutoras  Negativo  Negativo 
Corpos cetônicos  Negativo  Negativo 
Hemoglobina  Negativo  Negativo 
Bilirrubina  Negativo  Negativo 
Urobilinogênio  Negativo  Negativo 
Células epiteliais  Raras  Raras 
Leucócitos  <20000/mL  56000 
Hemácias  <20000/mL  17000 
Flora bacteriana  Ausência  Discreta 
Cilindros hialinos  <400/mL  2000 
a

Os valores de referência são afetados por muitas variáveis, incluindo a população de pacientes e os métodos laboratoriais usados. Os intervalos usados são para adultos do sexo feminino que não estão grávidas e não têm condições médicas que possam afetar os resultados. Eles podem, portanto, não ser apropriados para todos os pacientes

A imunização é recurso de elevada importância no combate a pandemias, principalmente na atual, causada pelo coronavírus. Entretanto, possíveis efeitos colaterais ainda não foram totalmente descritos. Como retratados por Cohen et al. (2021) e Bostan et al. (2021), há relatos na literatura que apontam quadros de vasculite leucocitoclástica após a aplicação de vacina de ácido ribonucleico mensageiro (RNAm) de COVID‐19, como é o caso da vacina produzida pelas farmacêuticas Moderna e Pfizer.1,2 Contudo, temos poucos relatos na literatura sobre esses achados em vacinas de vetores virais, como o imunizante produzido pela Oxford‐AstraZeneca. Em razão das múltiplas comorbidades de nossa paciente, iniciou‐se o quadro investigativo com a hipótese principal de exacerbação de alguma das doenças prévias. Por isso, a importância de ponderar possíveis reações à vacina no diagnóstico diferencial.

É incerto se a vacinação para a COVID‐19 pode reativar ou ser o gatilho para doenças autoimunes.1‐4 A vasculite leucocitoclástica tem sido descrita em um conjunto de infecções e após a administração de algumas vacinas, como pneumocócica, influenza, rotavírus, hepatite A e B e HPV.3,4 Já se sabe que o SARS‐CoV‐2 pode provocar a hiperativação do sistema imunitário por reatividade cruzada e mimetismo molecular,5 e é possível que, após a administração da segunda dose da vacina, imunocomplexos formados por antígenos da vacina e anticorpos nativos tenham instaurado o processo de vasculite.4 A associação temporal entre a vacina para COVID‐19 e o desenvolvimento do quadro cutâneo é significativa. Esse relato sugere a possibilidade de que a vacina para COVID‐19 tenha o potencial de induzir fatores para vasculite leucocitoclástica.

Suporte financeiro

Nenhum.

Contribuição dos autores

Matheus Fritzen: Análise estatística; aprovação da versão final do manuscrito; concepção e planejamento do estudo; elaboração e redação do manuscrito; obtenção, análise e interpretação dos dados; participação efetiva na orientação da pesquisa; participação intelectual em conduta propedêutica e/ou terapêutica de casos estudados; revisão crítica da literatura; revisão crítica do manuscrito.

Gabriella Di Giunta Funchal: Análise estatística; aprovação da versão final do manuscrito; concepção e planejamento do estudo; elaboração e redação do manuscrito; obtenção, análise e interpretação dos dados; participação efetiva na orientação da pesquisa; participação intelectual em conduta propedêutica e/ou terapêutica de casos estudados; revisão crítica da literatura; revisão crítica do manuscrito.

Mariana Oliveira Luiz: Análise estatística; aprovação da versão final do manuscrito; concepção e planejamento do estudo; elaboração e redação do manuscrito; obtenção, análise e interpretação dos dados; participação efetiva na orientação da pesquisa; participação intelectual em conduta propedêutica e/ou terapêutica de casos estudados; revisão crítica da literatura; revisão crítica do manuscrito.

Giovanna Steffenello Durigon: Análise estatística; aprovação da versão final do manuscrito; concepção e planejamento do estudo; elaboração e redação do manuscrito; obtenção, análise e interpretação dos dados; participação efetiva na orientação da pesquisa; participação intelectual em conduta propedêutica e/ou terapêutica de casos estudados; revisão crítica da literatura; revisão crítica do manuscrito.

Conflito de interesses

Nenhum.

Referências
[1]
S.R. Cohen, L. Prussick, J.S. Kahn, D.X. Gao, A. Radfar, D. Rosmarin.
Leukocytoclastic vasculitis flare following the COVID‐19 vaccine.
Int J Dermatol., (2021), pp. 1032-1033
[2]
S. Jariwala, N. Vernon, J. Shliozberg.
Henoch‐Schönlein purpura after hepatitis A vaccination.
Ann Allergy Asthma Immunol., 107 (2011), pp. 180-181
[3]
C. Bonetto, F. Trotta, P. Felicetti, G.S. Alarcón, C. Santuccio, N.S. Bachtiar, et al.
Vasculitis as an adverse event following immunization – Systematic literature review.
Vaccine., 34 (2016), pp. 6641-6651
[4]
E. Bostan, D. Gulseren, O. Gokoz.
New‐onset leukocytoclastic vasculitis after COVID‐19 vaccine.
Int J Dermatol., 60 (2021), pp. 1305-1306
[5]
A. Vojdani, E. Vojdani, D. Kharrazian.
Reaction of Human Monoclonal Antibodies to SARS‐CoV‐2 Proteins with Tissue Antigens: Implications for Autoimmune Diseases.
Front in Immunol., 11 (2021), pp. 1-16

Como citar este artigo: Fritzen M, Funchal GG, Luiz MO, Durigon GS. Leukocytoclastic vasculitis after exposure to COVID‐19 vaccine. An Bras Dermatol. 2022;97:118–21.

Trabalho realizado no Hospital Universitário Polydoro Ernani de São Thiago, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

Copyright © 2021. Sociedade Brasileira de Dermatologia
Idiomas
Anais Brasileiros de Dermatologia (Portuguese)

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas
en pt
Cookies policy Política de cookies
To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.