Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

15

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

15

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 71 Número 4




Voltar ao sumário

 

Caso Clínico

Leishmaniose recidiva cútis causada por Leishmania Viannia braziliensis

Leishmaniasis recidiva a cutis caused by Leishmania Viannia braziliensis


JACKSON MAURICIO LOPES COSTA1, EDNALDO LIMA DO LAGO2, ALBINO VERÇOSA MAGALHÃES3, PHILIP DAVIS MARSDEN4

1Mestre em Clínica das Doenças Infecciosas e Parasitárias, Universidade Nacional de Brasília - UNB, Professor Assistente, Departamento de Patologia, Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Maranhão - UFMA.
2Técnico de laboratório, Fundação Nacional de Saúde - FNS. Ministério da Saúde do Brasil
3Doutor em Patologia, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, Professor Adjunto, Universidade Nacional de Brasília - UNB.
4Doutor em Clínica das Doenças Infecciosas e Parasitárias, London School, Inglaterra. Professor Titular, Universidade Nacional de Brasília - UNB

_Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 02.4.96._ *Trabalho realizado no Núcleo de Medicina Tropical e Nutrição, Universidade de Brasília, DF.*

Correspondência:
Jackson Maurício Lopes Costa Praça Madre Deus, 2 São Luiz MA 65025-560

 

Resumo

Os autores relatam quatro casos de leishmaniose recidiva cútis em pacientes procedentes das áreas endêmicas de Três Braços e Corte de Pedra, Bahia - Brasil. Discutem-se aspectos etiopatogênicos, clínico-evolutivos e terapêuticos, pois se trata de uma forma considerada rara nas Américas, onde, até o presente momento, foram descritos apenas cinco casos. O parasito isolado em dois casos foi a _Leishmania Viannia braziliensis_, confirmando a capacidade dessa espécie em causar resposta considerada hiperérgica. Os padrões histopatológicos encontrados divergiram da literatura. Quanto à terapêutica, todos os pacientes utilizaram o antimoniato-N-metil glucamina na dose de 20 a 24mg/sbV/kg/dia, em séries de dez dias por tempo prolongado. Na última avaliação, em fevereiro de 1995, os pacientes encontravam-se clinicamente curados.

Palavras-chave: LEISHMANIA BRAZILIENSIS, LEISHMANIOSE

© 2018 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações