Compartilhar
Informação da revista
Vol. 94. Núm. 6.
Páginas 754-756 (01 Novembro 2019)
Visitas
...
Vol. 94. Núm. 6.
Páginas 754-756 (01 Novembro 2019)
Qual o seu diagnóstico?
Open Access
Caso para diagnóstico. Paniculite supurativa não infecciosa
Visitas
...
Luana Moraes Camposa, Luciane Donida Bartoli Miota, Mariângela Esther Alencar Marquesb, Hélio Amante Miota,
Autor para correspondência
heliomiot@gmail.com

Autor para correspondência.
a Departamento de Dermatologia e Radioterapia, Faculdade de Medicina, Universidade Estadual Paulista, Botucatu, SP, Brasil
b Disciplina de Patologia, Departamento de Patologia, Faculdade de Medicina, Universidade Estadual Paulista, Botucatu, SP, Brasil
Informação do artigo
Resume
Texto Completo
Bibliografia
Baixar PDF
Estatísticas
Figuras (3)
Mostrar maisMostrar menos
Resumo

Descreve‐se paciente do sexo feminino, 28 anos, branca, hígida, apresentava múltiplos nódulos eritemato‐violáceos, dolorosos e supurativos nos glúteos e nas coxas, que surgiram após duas semanas de mesoterapia com desoxicolato, cafeína, lipossomas de girassol e sinetrol, para gordura localizada. Fez uso de antibióticos para micobacteriose atípica, sem resposta satisfatória. Culturas para bactérias, micobactérias e fungos foram negativas. A histopatologia foi indicativa de paniculite supurativa não infecciosa. Houve remissão do quadro após uso de metrotrexato, prednisona e hidroxicloroquina. Atentamos para a raridade dessa complicação, a importância de seu reconhecimento precoce e a diferenciação com micobacterioses atípicas de crescimento rápido.

Palavras‐chave:
Dermatologia
Mesoterapia
Terapêutica
Texto Completo
Relato de caso

Paciente do sexo feminino, 28 anos de idade, branca, previamente hígida, apresentava múltiplos nódulos eritemato‐violáceos, dolorosos e supurativos nos glúteos e na face lateral das coxas (fig. 1). O quadro desenvolveu‐se após duas semanas de mesoterapia com desoxicolato sódico 6%, lipossomas de girassol 5%, sinetrol 5% e cafeína 50mg (oriundo de farmácia de manipulação) para gordura localizada, administrado por farmacêutico, no escritório da paciente.

Figura 1.

Múltiplos nódulos eritemato‐violáceos, com supuração e drenagem nas áreas de aplicação de mesoterapia. Coxa e glúteo direito.

(0,05MB).

Foram usados claritromicina, ciprofloxacina, doxiciclina e sulfametoxazol‐trimetoprim, sem resposta. Culturas para bactérias, micobactérias e fungos foram negativas. O estudo anatomopatológico evidenciou processo inflamatório linfo‐histiocitário difuso com micoabscessos de neutrófilos, acometia derme superficial, profunda e tecido celular subcutâneo (fig. 2).

Figura 2.

A, Microfotografia da derme mostra o acometimento superficial e profundo da derme e do tecido celular subcutâneo (Hematoxilina & eosina, 200×). B, Microfotografia da derme média mostra denso infiltrado linfo‐histiocitário com neutrófilos (Hematoxilina & eosina, 400×).

(0,31MB).

No presente caso, iniciou‐se dapsona 100mg; entretanto, evoluiu com DRESS (drug reaction with eosinophilia and systemic symptoms) após 15 dias e foi substituído por metotrexato 17,5mg/semana, hidroxicloroquina 400mg/dia e prednisona 10mg/dia. Após dois meses de tratamento, houve importante melhoria do processo inflamatório e evolução para áreas cicatriciais residuais (fig. 3).

Figura 3.

Aspecto residual eritematoso leve e cicatricial das lesões nodulares após tratamento com metotrexato, prednisona e hidroxicloroquina. Coxa e glúteo direito.

(0,03MB).
Discussão

A mesoterapia foi descrita na década de 1950 e vem sendo reintroduzida como método de rejuvenescimento e dissolução de depósitos de gordura, com vistas à perda de peso, de medidas e à redução de lipodistrofia ginoide. Nesses casos, visa à lipólise a partir de múltiplas injeções no tecido subcutâneo de substâncias detergentes ou lipolíticas como desoxicolato, fosfatidilcolina e cafeína.1–3

Excluindo‐se os efeitos locais imediatos, infecção é a complicação mais relatada. Há mais de 200 relatos de infecções associadas à mesoterapia na literatura médica, todas causadas por micobactérias atípicas de rápido crescimento.4–6

Com o crescente aumento dessa técnica, conduzida por profissionais médicos e não médicos, é mister conhecer as complicações possíveis e suas opções de tratamento. Relatamos caso de paniculite supurativa não infecciosa após mesoterapia, evento raro ocasionado pela pressão de injeção, trauma local ou tipos de substâncias injetadas, especialmente altas doses de fosfatidilcolina ou desoxicolato.7,8

O desoxicolato é o fármaco mais usado, especialmente quando em concentrações maiores do que 5%, como neste caso. Porém, não se pode estimar o efeito dos demais compostos da formulação usada ou ainda a importância de sua associação.7–10

A grande similaridade clínica com infecção por microbactérias de crescimento rápido (M. fortuitum, M. abscessus, M. chelonae, M. frederiksbergense, M. cosmeticum, M. peregrinum, M. simiae, M. immunogenum, M. bolleti, M. massiliense), que também podem ser inoculadas por mesoterapia, exige a pesquisa de BAAR (bacilo álcool‐ácido resistente) na secreção ou no tecido, que usualmente mostra grande número de bacilos, e cujo tratamento difere da paniculite não infecciosa.4–6

Salienta‐se que são poucos os estudos sobre o tratamento dessa complicação. Até o momento, não foi estabelecido um medicamento de primeira escolha. Alguns autores relataram o uso de corticosteroides e especialmente de dapsona com bons resultados após 2–4 meses de tratamento.7–9

O presente relato de caso objetivou destacar a necessidade da suspeição do diagnóstico de paniculite supurativa não infecciosa após mesoterapia e a importância de conhecer os componentes e as concentrações das substâncias injetadas, assim como iniciar terapêutica adequada, precocemente.10

Suporte financeiro

Nenhum.

Contribuição dos autores

Luana Moraes Campos: Concepção e planejamento do estudo; participação intelectual em conduta propedêutica e/ou terapêutica de casos estudados; revisão crítica da literatura; revisão crítica do manuscrito.

Luciane Donida Bartoli Miot: Aprovação da versão final do manuscrito; elaboração e redação do manuscrito; participação efetiva na orientação da pesquisa; participação intelectual em conduta propedêutica e/ou terapêutica de casos estudados; revisão crítica da literatura; revisão crítica do manuscrito.

Mariângela Esther Alencar Marques: Obtenção, análise e interpretação dos dados.

Hélio Amante Miot: Aprovação da versão final do manuscrito; elaboração e redação do manuscrito; obtenção, análise e interpretação dos dados; participação intelectual em conduta propedêutica e/ou terapêutica de casos estudados; revisão crítica da literatura; revisão crítica do manuscrito.

Conflito de interesses

Nenhum.

Referências
[1]
F.G. Bechara, H.G. Mannherz, M. Jacob, A.J. Mazur, M. Sand, P. Altmeyer, et al.
Induction of fat cell necrosis in human fat tissue after treatment with phosphatidylcholine and deoxycholate.
J Eur Acad Dermatol Venereol., 26 (2012), pp. 180-185
[2]
A.M. Rotunda, H. Suzuki, R.L. Moy, M.S. Kolodney.
Detergent effects of sodium deoxycholate are a major feature of an injectable phosphatidylcholine formulation used for localized fat dissolution.
Dermatol Surg., 30 (2004), pp. 1001-1008
[3]
F.O.C. Herreros, A.M. Moraes, P.E.N.F. Velho.
Mesotherapy: a bibliographical review.
An Bras Dermatol., 86 (2011), pp. 96-101
[4]
S. Jayasinghe, T. Guillot, L. Bissoon, F. Greenway.
Mesotherapy for local fat reduction.
Obes Rev., 14 (2013), pp. 780-791
[5]
N.D. Murback, M.G. Higa Júnior, M.A. Pompílio, E.S. Cury, G. Hans Filho, L.C. Takita.
Disseminated cutaneous atypical mycobacteriosis by M. chelonae after sclerotherapy of varicose veins in a immunocompetent patient: a case report.
An Bras Dermatol., 90 (2015), pp. 138-142
[6]
A.C.G.O. Sousa, C.P. Pereira, N.S. Guimarães, V.R. Rego, A.P. Paixão, A.A. Barbosa Jr..
Atypical cutaneous mycobacteriosis following mesotherapy.
An Bras Dermatol., 76 (2001), pp. 711-715
[7]
J. Tan, B. Rao.
Mesotherapy induced panniculitis treated with dapsone: case report and review of reported adverse effects of mesotherapy.
J Cutan Med Surg., 10 (2006), pp. 92-95
[8]
M.D. Davis, T.I. Wright, J.M. Shehan.
A complication of mesotherapy: noninfectious granulomatous panniculitis.
Arch Dermatol., 144 (2008), pp. 808-809
[9]
M. Kato, T. Watanabe, N. Yamada, Y. Yoshida, O. Yamamoto.
Mixed cell granulomatous panniculitis on the cheek due to injection of a solution containing phosphatidylcholine and deoxycholate.
Dermatol Surg., 36 (2010), pp. 1779-1781
[10]
T.I. Wright, M.D.P. Davis.
Noninfectious granulomatous panniculitis: A complication of mesotherapy ? two cases and a review.
J Am Acad Dermatol., 60 (2009), pp. AB188

Como citar este artigo: Campos LM, Miot LDB, Marques MEA, Miot HA. Noninfectious suppurative panniculitis induced by mesotherapy with deoxycholate. An Bras Dermatol. 2019;94:754–6.

Trabalho realizado no Departamento de Dermatologia e Radioterapia, Faculdade de Medicina de Botucatu, Universidade Estadual Paulista, Botucatu, SP, Brasil.

Copyright © 2019. Sociedade Brasileira de Dermatologia
Idiomas
Anais Brasileiros de Dermatologia (Portuguese)

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas
en pt
Cookies policy Política de cookies
To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.