Journal Information
Vol. 98. Issue 6.
Pages 855-858 (01 November 2023)
Visits
2573
Vol. 98. Issue 6.
Pages 855-858 (01 November 2023)
Cartas ‐ Caso clínico
Full text access
Alopecia frontal fibrosante: relato de quatro irmãs
Visits
2573
Jéssica Vianna Stareka,
Corresponding author
jessicastarek@gmail.com

Autor para correspondência.
, Thaís Petry Raszla, Samar Mohamad El Harati Kaddourahb
a Departamento de Dermatologia, Complexo Hospitalar Padre Bento, Guarulhos, SP, Brasil
b Departamento de Dermatologia, Ambulatório de Dermatologia Geral, Tricoses do Complexo Hospitalar Padre Bento, Guarulhos, SP, Brasil
This item has received
Article information
Full Text
Bibliography
Download PDF
Statistics
Figures (3)
Show moreShow less
Tables (1)
Tabela 1. Dados clínicos das quatro irmãs com alopecia frontal fibrosante
Full Text
Prezado Editor,

A alopecia frontal fibrosante (AFF) pertence ao grupo de alopecias cicatriciais linfocíticas e foi descrita pela primeira vez em 1994, por Kossard.1 Clinicamente, observa‐se retração da linha de implantação frontotemporal, frequentemente associada à perda de sobrancelhas e, em alguns casos, à perda de pelos de outras partes do corpo.2

Há uma predileção pelo sexo feminino e indivíduos caucasianos, principalmente no período pós‐menopausa.3 Os primeiros relatos de AFF em pessoas da mesma família surgiram em 2010, quando foi descrita a ocorrência da patologia em duas irmãs.4 A etiopatogênese da AFF ainda é desconhecida, mas a predisposição genética tem sido reforçada por sua associação com alguns alelos de antígeno leucocitário humano (HLA) de classe I. Como a incidência vem aumentando ao longo dos anos, postula‐se que gatilhos ambientais atuais possam agir sobre uma predisposição genética, conduzindo o perfil th1/JAK‐STAT de inflamação na AFF.2

Trata‐se de uma família composta por cinco irmãs negras, com idades entre 56 e 66 anos, todas já menopausadas. A mais jovem delas compareceu ao ambulatório de dermatologia com queixa de rarefação capilar e, após ser questionada sobre seu antecedente familiar, relatou que tinha irmãs com quadro semelhante. Todas foram, então, convidadas a comparecer à consulta para avaliação. Após exame clínico, constatou‐se que quatro delas eram acometidas por AFF (figs. 1 e 2); o diagnóstico também foi confirmado por exame anatomopatológico (fig. 3). As pacientes são procedentes e atuais moradoras da área urbana em São Paulo, moraram juntas até a adolescência e todas realizavam alisamento capilar desde a infância. São filhas dos mesmos pais, já falecidos e avaliados por fotografia – a mãe sem alterações, o pai com sinais de alopecia androgenética. Apenas uma das irmãs, com 63 anos, apresentava couro cabeludo dentro da normalidade.

Figura 1.

(A‐D) Apresentação clínica das quatro irmãs acometidas por alopécia frontal fibrosante (AFF)

(0.19MB).
Figura 2.

Tricoscopia de uma das pacientes corroborando o diagnóstico. Descamação peripilar, unidades foliculares com apenas um pelo emergente, inexistência de orifícios foliculares, ausência de fios velus e fundo branco‐marfim com tonalidade eritematosa na área de fibrose. Todas pacientes apresentavam padrão semelhante

(0.18MB).
Figura 3.

Exame histopatológico de couro cabeludo, folículo piloso (istmo), Hematoxilina & eosina, 100×. Alopecia cicatricial com fibrose concêntrica perifolicular, agressão linfocítica ao epitélio folicular e presença de corpos apoptóticos. A região do infundíbulo e do bulbo não apresentava inflamação

(0.38MB).

As pacientes acometidas tinham o mesmo padrão clínico, classificado como padrão linear ou tipo I, quando há retração da linha de implantação do cabelo linearmente. A idade do surgimento da doença variou de 40 a 62 anos. A mais jovem tinha o quadro mais avançado, e era a única com início do acometimento antes da menopausa. Apresentava história de uso de protetor solar regular desde a adolescência, há mais tempo que as demais irmãs, que relataram uso irregular há poucos anos. Três delas não tinham pelos em supercílio, e todas apresentavam lesões faciais sugestivas de líquen plano pigmentoso, frequentemente associado à AFF, especialmente em pacientes com fototipo mais alto.5 Dentre as comorbidades mais relacionadas à AFF, uma delas apresentava artrite (não especificada) e outra hipertireoidismo. Os dados clínicos estão detalhados na tabela 1.

Tabela 1.

Dados clínicos das quatro irmãs com alopecia frontal fibrosante

Paciente  Idade (anos)  Fototipo  Idade de início dos sintomas (anos)  Subtipo clínico  Líquen plano pigmentoso  Pápulas da face  Alopecia de sobrancelhas  Menopausa (anos)  Comorbidades  Tratamentos capilares 
56  40  Presente  Ausente  Presente  55  HAS, artrite não especificada  Alisamento capilar pregresso (adolescência) 
61  59  Presente  Ausente  Presente  50  DM, dislipidemia, bipolaridade, tabagismo  Alisamento capilar e coloração 
64  60  Presente  Ausente  Presente  48  DM, glaucoma  Alisamento capilar e coloração 
66  62  Presente  Ausente  Ausente  50  HAS, hipertireoidismo, glaucoma  Alisamento capilar e coloração 

DM, diabetes mellitus; HAS, hipertensão arterial sistêmica.

Desde sua descrição, a AFF foi relatada, principalmente, em indivíduos caucasianos. Em virtude da falta de dados na literatura, não se pode afirmar convictamente se a prevalência em afrodescendentes é realmente menor ou se tal população foi menos estudada em relação aos caucasianos.5

A AFF é uma doença relativamente recente e sua prevalência vem aumentando nos últimos anos. Uma vez que etnia afrodescendente e o componente genético são descritos na minoria dos casos, destacamos a relevância do relato deste núcelo familiar.

Suporte financeiro

Nenhum.

Contribuição dos autores

Jéssica Vianna Starek: Aprovação da versão final do manuscrito; elaboração e redação do manuscrito; revisão crítica da literatura; revisão crítica do manuscrito.

Thaís Petry Raszl: Aprovação da versão final do manuscrito; elaboração e redação do manuscrito; revisão crítica da literatura; revisão crítica do manuscrito.

Samar Mohamad El Harati Kaddourah: Aprovação da versão final do manuscrito; revisão crítica do manuscrito.

Conflito de interesses

Nenhum.

Referências
[1]
S. Kossard.
Postmenopausal frontal fibrosing alopecia. scarring alopecia in a pattern distribution.
Arch Dermatol., 130 (1994), pp. 1407
[2]
P.M. Ramos, A. Anzai, B. Duque-Estrada, D.C. Farias, D.F. Melo, F. Mulinari-Brenner, et al.
Risk factors for frontal fibrosing alopecia: a case‐control study in a multiracial population.
J Am Acad Dermatol., 84 (2021), pp. 712-718
[3]
A. Lis-Święty, L. Brzezińska-Wcisło.
Frontal fibrosing alopecia: a disease that remains enigmatic.
Postepy Dermatol Alergol., 37 (2020), pp. 482-489
[4]
M.R. Navarro-Belmonte, V. Navarro-López, A. Ramírez-Boscà, M.A. Martínez-Andrés, C. Molina-Gil, M. González-Nebreda, et al.
Case series of familial frontal fibrosing alopecia and a review of the literature.
J Cosmet Dermatol., 14 (2015), pp. 64-69
[5]
M.L. Porriño-Bustamante, M.A. Fernández-Pugnaire, S. Arias-Santiago.
Frontal fibrosing alopecia: a review.
J Clin Med., 10 (2021), pp. 1805

Como citar este artigo: Starek JV, Raszl TP, Kaddourah SMEH. Frontal fibrosing alopecia: report of four sisters. An Bras Dermatol. 2023;98:855–8.

Trabalho realizado no Complexo Hospitalar Padre Bento de Guarulhos, Guarulhos, SP, Brasil.

Copyright © 2023. Sociedade Brasileira de Dermatologia
Idiomas
Anais Brasileiros de Dermatologia
Article options
Tools
en pt
Cookies policy Política de cookies
To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.