Journal Information
Vol. 97. Issue 3.
Pages 369-371 (01 May 2022)
Visits
...
Vol. 97. Issue 3.
Pages 369-371 (01 May 2022)
Imagens em Dermatologia
Open Access
Cutis verticis gyrata: achado cutâneo na acromegalia
Visits
...
Giullia Menuci Chianca Landenbergera, Bárbara Roberta Ongarattib, Júlia Fernanda Semmelmann Pereira‐Limaa,b, Miriam da Costa Oliveiraa,b,
Corresponding author
miriamoliveira1697@gmail.com

Autor para correspondência.
a Centro de Neuroendocrinologia, Complexo Hospitalar Santa Casa de Porto Alegre, Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre, Porto Alegre, RS, Brasil
b Programa de Pós‐Graduação em Patologia, Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre, Porto Alegre, RS, Brasil
Article information
Abstract
Full Text
Bibliography
Download PDF
Statistics
Figures (3)
Show moreShow less
Resumo

A acromegalia é doença rara, caracterizada por alterações nos sistemas ósseo e de tecidos moles, induzida por excesso de hormônio de crescimento e fator de crescimento semelhante à insulina tipo 1. Dentre as lesões dermatológicas associadas à acromegalia, está cutis verticis gyrata, caracterizada por hipertrofia e dobras grosseiras da pele do couro cabeludo, uma associação de incidência incomum e prevalência desconhecida. Relatamos aqui o caso de um paciente com diagnóstico de acromegalia aos 60 anos, com cutis verticis gyrata previamente não identificada. Este relato tem como objetivo revisar a literatura sobre cutis verticis gyrata e sua associação incomum com a acromegalia.

Palavras‐chave:
Acromegalia
Couro cabeludo
Hormônio do crescimento
Full Text
Relato do caso

Homem negro de 60 anos foi encaminhado a um centro de neuroendocrinologia ambulatorial terciário por suspeita de acromegalia. Apresentava diabetes mellitus tipo 2, diagnosticado aos 40 anos, com neuropatia diabética e retinopatia, em uso de insulina e metformina. Apresentava hipertensão arterial sistêmica e dislipidemia. O número de seus sapatos havia aumentado aos 40 anos. O paciente relatou uma fratura do colo do fêmur aos 53 anos, após uma queda; a densitometria mineral óssea mostrava osteoporose da coluna lombar. Na história familiar havia diabetes mellitus e obesidade.

Ao exame físico, altura de 182cm, IMC de 26,1 kg/m2, prognatismo e alargamento das extremidades, aumento das dobras e sulcos cutâneos, aumento da sudorese cutânea; à percussão dos nervos medianos, sinal de Tinel bilateralmente positivo, voz grave. Foram observadas convoluções no couro cabeludo nas regiões parietal e occipital (fig. 1). As alterações observadas no couro cabeludo foram igualmente identificadas na ressonância magnética do crânio (figs. 2 e 3). Quando questionado, o paciente relatou que seu barbeiro de longa data referia dificuldade em cortar os cabelos devido a “irregularidades” no couro cabeludo.

Figura 1.

Aspecto clínico do couro cabeludo.

(0.32MB).
Figura 2.

Ressonância magnética do crânio. (A), Corte sagital. (B), Corte coronal, demonstrando ondulações na pele.

(0.19MB).
Figura 3.

(A e B), Reconstrução tridimensional (3D) cerebriforme da pele a partir da ressonância magnética do segmento cefálico.

(0.22MB).

O diagnóstico de acromegalia foi confirmado pelo fator de crescimento semelhante à insulina tipo 1 (IGF‐1) de 734 ng/mL (intervalo de referência 81‐225 ng/mL) e hormônio do crescimento (GH) 21,5 ng/mL (intervalo de referência <3 ng/mL). Não havia evidência clínica ou laboratorial de hipopituitarismo. A ressonância magnética da região selar evidenciou lesão hipofisária à direita de 1,3 × 0,7cm no maior eixo e envolvimento do seio cavernoso direito. O paciente foi submetido a ressecção hipofisária transesfenoidal, com confirmação patológica de adenoma hipofisário, imuno‐histoquímica positiva para GH, prolactina e hormônio estimulador da tireoide (TSH) e índice KI‐67 positivo em 2% das células neoplásicas. Em virtude da lesão residual e da permanência da hipersecreção de GH/IGF‐1, o paciente iniciou uso de 30 mg/mês de análogo da somatostatina (octreotida), após controle bioquímico do excesso hormonal.

Discussão

Cutis verticis gyrata (CVG) é o termo que descreve a hipertrofia e o dobramento grosseiro da pele do couro cabeludo, alternando cristas e sulcos profundos que mimetizam o aspecto cerebriforme, isto é, os giros cerebrais. A CVG é classificada como primária quando a etiologia é desconhecida ou tem causa neurológica. A acromegalia é uma das causas secundárias de CVG, juntamente com doenças locais do couro cabeludo, paquidermoperiostose, síndromes genéticas, doenças sistêmicas, outras endocrinopatias e uso de minoxidil ou testosterona.1–3 CVG é uma condição rara, com prevalência de 0,026 a 0,1 em 100.000; relatos de associação com acromegalia são ainda mais raros.4

O número de dobras, normalmente moles e esponjosas, pode variar.1 As dobras cutâneas na CVG primária são geralmente simétricas, seguem direção anteroposterior e costumam envolver o vértice e o occipital, embora todo o couro cabeludo possa ser afetado. Na CVG secundária, as dobras costumam ser assimétricas, não seguindo a direção longitudinal.5 As dobras não são facilmente aplainadas por tração ou pressão.3,6 As áreas do couro cabeludo afetadas na acromegalia são múltiplas, envolvendo desde as regiões frontal, frontoparietal e parieto‐occipital até “da fronte à nuca” e, eventualmente, afetam a glabela e a ponte nasal.1–3,5–8

Enquanto o gênero masculino é amplamente mais afetado nos casos de CVG primária, na proporção de 5‐6:1, essa predominância não está bem estabelecida nos casos secundários.9

Schunter et al. propuseram que níveis excessivos de GH e IGF‐1 estão crucialmente envolvidos na patogênese da CVG na acromegalia, agindo em células‐alvo cutâneas, especialmente fibroblastos dérmicos.7

A deposição de colágeno que caracteriza a CVG é prolongada e progressiva, mas é uma condição benigna, com repercussões limitadas à estética ‐ consequentemente, possível dano emocional e eventual complicação infecciosa da pele, principalmente fúngica, em virtude da difícil higiene dos sulcos. O tratamento consiste em higiene local e ressecção cirúrgica do excesso de pele em casos de desconforto cosmético.

O caso atual não requer manejo específico para CVG, mas chama a atenção para a possibilidade dessa complicação, no contexto de uma doença rara e crônica como a acromegalia.

Suporte financeiro

Nenhum.

Contribuição dos autores

Giullia Menuci Chianca Landenberger: Aprovação da versão final do manuscrito; concepção e planejamento do estudo; elaboração e redação do manuscrito; obtenção, análise e interpretação dos dados.

Bárbara Roberta Ongaratti: Aprovação da versão final do manuscrito; revisão crítica da literatura; revisão crítica do manuscrito.

Júlia Fernanda Semmelmann Pereira‐Lima: Aprovação da versão final do manuscrito; participação efetiva na orientação da pesquisa; participação intelectual em conduta propedêutica e/ou terapêutica de casos estudados.

Miriam da Costa Oliveira: Aprovação da versão final do manuscrito; concepção e planejamento do estudo; revisão crítica do manuscrito.

Conflito de interesses

Nenhum.

Referências
[1]
M. Tripathi, K.K. Mukherjee.
Cutis verticis gyrata: An interesting cutaneous finding in acromegaly.
NJDVL., 13 (2015), pp. 73-74
[2]
M. Al-Bedaia, S. Al-Khenaizan.
Acromegaly presenting as cutis verticis gyrata.
Int J Dermatol., 47 (2008), pp. 164
[3]
C. Sriphrapradang, N. Chadpraorn.
Buldog scalp.
Clev Clin J Med., 83 (2016), pp. 90-91
[4]
H.O. Akesson.
Cutis verticis gyrata and mental deficiency in Sweden. I. Epidemiologic and Clinical Aspects.
Acta Med Scand., 175 (1964), pp. 115-127
[5]
V. Harish, F. Clarke.
Isolated cutis verticis gyrata of the glabella and nasal bridge: a case report and review of the literature.
J Plast Reconstr Aesthet Surg., 66 (2013), pp. 1421-1423
[6]
F. Zangeneh, P.C. Carpenter.
Visual vignette. Cutis verticis gyrata (CVG) in acromegaly.
Endocr Pract., 8 (2002), pp. 475
[7]
J.A. Schunter, D. Metze, M. Böhm.
Is IGF‐1 a key player in the pathogenesis of acromegaly‐associated cutis verticis gyrata?.
Exp Dermatol., 26 (2017), pp. 85-86
[8]
C. Yerawar, T. Bandgar, A. Lila, N.S. Shah.
Acromegaly presenting as cutis verticis gyrata.
[9]
F. Larsen, N. Birchall.
Cutis verticis gyrata: three cases with different aetiologies that demonstrate the classification system.
Australas J Dermatol., 48 (2007), pp. 91-94

Como citar este artigo: Landenberger GMC, Ongaratti BR, Pereira‐Lima JFS, Oliveira MC. Cutis verticis gyrata: a cutaneous finding in acromegaly. An Bras Dermatol. 2022;97:369–71.

Trabalho realizado no Centro de Neuroendocrinologia, Complexo Hospitalar Santa Casa de Porto Alegre, Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre, Porto Alegre, RS, Brasil.

Copyright © 2022. Sociedade Brasileira de Dermatologia
Idiomas
Anais Brasileiros de Dermatologia

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools
en pt
Cookies policy Política de cookies
To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.