Journal Information
Vol. 96. Issue 1.
Pages 59-63 (01 January 2021)
Visits
...
Vol. 96. Issue 1.
Pages 59-63 (01 January 2021)
Caso Clínico
Open Access
Granuloma anular generalizado após vacinação pneumocócica: relato de caso e breve revisão da literatura
Visits
...
Miguel Fernando García‐Gila,
Corresponding author
miguelgarciagil@outlook.com

Autor para correspondência.
, Marcial Álvarez‐Salafrancaa, Alejandro Martínez Garcíab, Mariano Ara‐Martína
a Departamento de Dermatologia, Hospital Clínico Universitario Lozano Blesa, Zaragoza, Espanha
b Departamento de Patologia, Hospital Clínico Universitario Lozano Blesa, Zaragoza, Espanha
Article information
Abstract
Full Text
Bibliography
Download PDF
Statistics
Figures (2)
Tables (1)
Tabela 1. Casos de granuloma anular desencadeados por vacinação
Resumo

O granuloma anular pode ser desencadeado por vários fatores. Entre eles estão as vacinações, que têm sido descritas como uma causa infrequente de granuloma anular. Relatamos o primeiro caso de granuloma anular generalizado em uma mulher de 57 anos, que apresentou as lesões cutâneas 12 dias após a vacinação pneumocócica.

Palavras‐chave:
Granuloma anular
Relatos de casos
Vacinação
Full Text
Introdução

A ocorrência de granuloma anular (GA) desencadeada por vacinação é rara, e o mecanismo pelo qual ele é desencadeado pode ser explicado pelo trauma da inoculação ou pelo mecanismo imunológico envolvido na vacinação.1–3

Relato do caso

Uma mulher de 57 anos de idade com história médica de hipotireoidismo, hipercolesterolemia e hipertensão arterial apresentou história de lesões cutâneas assintomáticas no abdômen e membros inferiores por três meses. O exame físico revelou múltiplas pápulas violáceas‐eritematosas firmes, agrupadas em um padrão anular e distribuídas ao longo do abdômen e das extremidades inferiores (fig. 1). A vacina pneumocócica conjugada 13‐valente (VPC13) foi identificada como possível fator desencadeador, uma vez que havia sido administrada 12 dias antes do início das lesões cutâneas. Foi realizada biópsia de pele da lesão abdominal. O exame histopatológico revelou focos de inflamação crônica intersticial e necrobiose de colágeno com um infiltrado linfo‐histiocitário associado (fig. 2).

Figura 1.

Lesões violáceas‐eritematosas anulares no abdômen e extremidades inferiores.

(0.07MB).
Figura 2.

(A), Amostra de pele com focos de inflamação crônica intersticial na derme reticular (Hematoxilina & eosina, 20×). (B), Em um aumento maior, observa‐se uma evidente necrobiose das fibras de colágeno (setas pretas), associada a infiltrado linfo‐histiocitário (Hematoxilina & eosina, 40×).

(0.29MB).

A paciente foi diagnosticada com GA generalizado após vacinação pneumocócica com base na aparência clínica das lesões, nos achados histopatológicos e na relação temporal entre a vacinação e as lesões cutâneas. O tratamento com creme de furoato de mometasona foi iniciado; entretanto, não houve melhora aparente após um mês de uso do medicamento. As lesões finalmente se resolveram espontaneamente dois meses após seu aparecimento inicial.

Discussão

Apenas 13 casos de GA após vacinação foram relatados na literatura. As vacinas relatadas como causadoras de GA foram a do bacilo Calmette‐Guérin (BCG) (oito casos), seguida pela vacina contra o vírus da hepatite B (VHB) (dois casos) e pelas vacinas contra influenza, tétano e difteria‐tétano (um caso cada).1–10 Uma associação entre a vacina pneumocócica e GA não havia sido descrita anteriormente (tabela 1).

Tabela 1.

Casos de granuloma anular desencadeados por vacinação

Autores  Ano  Vacina  Dose  Sexo  Idade  Localizado/generalizado  Tempo de latência  Tratamento  Resolução  Recorrência na revacinação 
Houcke‐Bruge C et al.  2001  BCG  1 dose  Masculino  3 anos  Generalizado  1 mês  Não  Completa,3 meses   
    BCG  1 dose  Feminino  2 anos  Local distante do local de vacinação  2 meses  Não  Completa,3 meses   
Kakurai M et al.  2001  BCG  1 dose  Masculino  12 anos  Generalizado  5 dias  Não  Completa,7 meses   
Nagase K et al.  2011  BCG  1 dose  Masculino  5 meses  Generalizado  1 mês  Creme hidratante,3 meses  Completa,3 meses   
Lee SW et al.  2011  BCG  1 dose  Feminino  3 meses  Generalizado  1 mês  Corticosteroides tópicos,1 mês  Completa,1 mês   
Nomiyama T et al.  2013  BCG  1 dose  Feminino  6 meses  Generalizado  1 mês  Corticosteroides tópicos, 1 mês  Completa,1 mês   
Yoon NY et al.  2014  BCG  1 dose  Masculino  3 meses  Generalizado  7 semanas  Ceftriaxona por 8 dias e hidroxizina profilática por 3 semanas  Completa,3 semanas   
Yang SY et al.  2018  BCG  1 dose  Masculino  3 meses  Localizado  2 meses  Não  Completa,18 meses   
Wolf F et al.  1998  Vírus da hepatite B  4 doses(0 meses,1 mês,2 meses,12 meses)  Feminino  51 anos  Generalizado  1 mês após a última vacina  Dapsona 50 mg/dia4 meses  Completa,4 meses(recorrência subsequente)  Revacinação em 5 anos (tempo de latência de 3 semanas) 
Criado PR et al.  2004  Vírus da hepatite B  2 doses(0 meses,1 mês)  Feminino  58 anos  Generalizado  2 meses após a última vacina  Corticosteroides tópicos  Melhoria parcial, 3 meses   
Baykal C et al.  2002  Tétano  1 dose  Feminino  6 anos  Generalizado  2 meses  Acetonido de triancinolona 10 mg/mL a cada 4 semanas, intralesional (3 sessões)  Completa,3 meses(recorrência subsequente)  Revacinação (tempo de latência de 3 dias) 
Baskan EB et al.  2005  Difteria e toxoide tetânico  1 dose  Feminino  8 anos  Generalizado  1 semana  Corticosteroides tópicos  Sem melhora   
Suzuki T et al.  2014  Influenza  1 dose  Feminino  76 anos  Localizado  1 mês  Não  Sem seguimento   

Vacina BCG, vacina Bacilo Calmette‐Guérin; VPC13, vacina pneumocócica conjugada 13‐valente.

A ocorrência de GA desencadeado por vacinação foi relatada como mais elevada em mulheres (61,54%, oito casos) do que em homens (38,46%, cinco casos). A forma clínica mais frequentemente descrita de GA desencadeado por vacinação foi a generalizada (76,92%, 10 casos), enquanto a forma localizada ocorreu em apenas três casos (23,08%). As idades dos pacientes afetados variaram de 3 meses a 76 anos (média, 16,74 anos; mediana, 3 anos). A latência entre a vacinação e o aparecimento de GA variou de 5 dias a 2 meses (média, 1,22 meses; mediana, 1 mês).

O GA apresentou resolução completa na maioria dos casos relatados (10 casos).1,2,4–7 Entretanto, uma melhora parcial foi observada em um caso, enquanto nenhuma melhora foi observada em outro caso.3,8 Em geral, o tempo médio de resolução foi de 4,37 meses nos casos completamente resolvidos (mediana, 3 meses). O GA apresentou recorrência após a revacinação com as vacinas de HBV e tétano em dois casos, com uma latência de três semanas em ambos os casos.7,10 A latência até a recorrência foi, portanto, mais curta nos casos com revacinações.

O mecanismo desencadeador do GA é desconhecido. A ativação imunológica após a vacinação explicaria a presença de células‐T ativadas no infiltrado linfocítico do GA, sugerindo a existência de uma resposta imune mediada.

O GA desencadeado pela vacinação pode ter uma patogênese imunológica, porque o GA generalizado foi observado na maioria dos casos. A hipótese de inoculação traumática é menos convincente, porque o GA localizado exclusivamente no local da vacinação foi observado em poucos casos.6,9

A curta latência entre a vacinação e o aparecimento do GA, relatado como sendo de cerca de um mês na maioria dos casos, apoia a relação causal entre a vacinação e o GA. A recorrência após revacinações e a latência mais curta concomitante apoiam ainda mais esse argumento. Após a cessação da estimulação imunológica, o GA apresentou resolução completa na maioria dos casos, incluindo este aqui relatado.1,2,4–7,10 É interessante o fato de que a maioria dos casos ocorreu em pacientes jovens, provavelmente porque a frequência de vacinação é maior nesses indivíduos. Entretanto, também foram observados casos em pacientes mais velhos.

Em conclusão, a maioria dos casos relatados de GA pós‐vacinação é da forma generalizada, o que indica uma possível patogênese imunológica. Resolução completa ocorreu em alguns meses após a vacinação na maioria dos casos, e houve recorrência na revacinação.

Suporte financeiro

Nenhum.

Contribuição dos autores

Miguel Fernando García‐Gil: Análise estatística; aprovação da versão final do manuscrito; concepção e planejamento do estudo; elaboração e redação do manuscrito; obtenção, análise e interpretação dos dados; participação efetiva na orientação da pesquisa; participação intelectual em conduta propedêutica e/ou terapêutica de casos estudados; revisão crítica da literatura; revisão crítica do manuscrito.

Marcial Álvarez‐Salafranca: Análise estatística; aprovação da versão final do manuscrito; concepção e planejamento do estudo; elaboração e redação do manuscrito; obtenção, análise e interpretação dos dados; participação efetiva na orientação da pesquisa; participação intelectual em conduta propedêutica e/ou terapêutica de casos estudados; revisão crítica da literatura; revisão crítica do manuscrito.

Alejandro Martínez García: Análise estatística; aprovação da versão final do manuscrito; concepção e planejamento do estudo; elaboração e redação do manuscrito; obtenção, análise e interpretação dos dados; participação efetiva na orientação da pesquisa; participação intelectual em conduta propedêutica e/ou terapêutica de casos estudados; revisão crítica da literatura; revisão crítica do manuscrito.

Mariano Ara‐Martín: Análise estatística; aprovação da versão final do manuscrito; concepção e planejamento do estudo; elaboração e redação do manuscrito; obtenção, análise e interpretação dos dados; participação efetiva na orientação da pesquisa; participação intelectual em conduta propedêutica e/ou terapêutica de casos estudados; revisão crítica da literatura; revisão crítica do manuscrito.

Conflito de interesses

Nenhum.

Referências
[1]
M. Kakurai, T. Kiyosawa, M. Ohtsuki, H. Nakagawa.
Multiple lesions of granuloma annulare following BCG vaccination: case report and review of the literature.
Int J Dermatol., 40 (2001), pp. 579-581
[2]
T. Nomiyama, H. Takenaka, S. Kishimoto, N. Katoh.
Granuloma annulare‐like reaction to the bacillus Calmette‐Guérin vaccination.
Australas J Dermatol., 54 (2013), pp. e4-e7
[3]
E.B. Baskan, S. Tunali, S.D. Kacar, S.B. Adim, H. Saricaoglu.
A case of granuloma annulare in a child following tetanus and diphtheria toxoid vaccination.
J Eur Acad Dermatol Venereol., 19 (2005), pp. 639-640
[4]
S.W. Lee, S.H. Cheong, J.Y. Byun, Y.W. Choi, H.Y. Choi, K.B. Myung.
Generalized granuloma annulare in infancy following bacillus Calmette‐Guérin vaccination.
Ann Dermatol., 23 (2011), pp. S319-S321
[5]
N.Y. Yoon, N.R. Lee, E.H. Choi.
Generalized granuloma annulare after bacillus Calmette‐Guérin vaccination, clinically resembling papular tuberculid.
J Dermatol., 41 (2014), pp. 109-111
[6]
S.-Y. Yang, C.-H. Chang.
Bacilli‐containing granuloma with subsequent granuloma annulare‐like eruptions following Bacillus Calmette‐Guérin vaccination.
Pediatr Neonatol., 59 (2018), pp. 525-526
[7]
F. Wolf, P. Grezard, F. Berard, G. Clavel, H. Perrot.
Generalized granuloma annulare and hepatitis B vaccination.
Eur J Dermatol., 8 (1998), pp. 435-436
[8]
P.R. Criado, R. Oliveira Ramos, C. Vasconcellos, R.F. Jardim Criado, N.Y.S. Valente.
Two case reports of cutaneous adverse reactions following hepatitis B vaccine: lichen planus and granuloma annulare.
J Eur Acad Dermatol Venereol., 18 (2004), pp. 603-606
[9]
T. Suzuki, T. Shimauchi, M. Moriki, Y. Tokura.
Subcutaneous granuloma annulare following influenza vaccination in a patient with diabetes mellitus.
Dermatologica Sinica., 32 (2014), pp. 55-57
[10]
C. Baykal, E. Ozkaya-Bayazit, R. Kaymaz.
Granuloma annulare possibly triggered by antitetanus vaccination.
J Eur Acad Dermatol Venereol., 16 (2002), pp. 516-518

Como citar este artigo: García‐Gil MF, Álvarez‐Salafranca M, Martínez García A, Ara‐Martín M. Generalized granuloma annulare after pneumococcal vaccination. An Bras Dermatol. 2021;96:59–63.

Trabalho realizado no Hospital Clínico Universitario Lozano Blesa, Zaragoza, Espanha.

Copyright © 2020. Sociedade Brasileira de Dermatologia
Idiomas
Anais Brasileiros de Dermatologia

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools
en pt
Cookies policy Política de cookies
To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.