Journal Information
Vol. 96. Issue 3.
Pages 324-327 (01 May 2021)
Visits
...
Vol. 96. Issue 3.
Pages 324-327 (01 May 2021)
Caso Clínico
Open Access
Manifestação de amiloidose sistêmica em um paciente com artrite psoriásica
Visits
...
Bruno de Castro e Souza
Corresponding author
brunocastro1990@hotmail.com

Autor para correspondência.
, Camila Fátima Biancardi Gavioli, Walmar Roncalli Pereira de Oliveira, Ricardo Romiti
Departamento de Dermatologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil
Article information
Abstract
Full Text
Bibliography
Download PDF
Statistics
Figures (5)
Show moreShow less
Resumo

A amiloidose sistêmica secundária à artrite psoriásica é rara; os dados publicados são baseados principalmente em relatos de casos e estão associados ao aumento da mortalidade. Apresentamos um paciente com artrite psoriásica de longa data e sialadenite crônica, com resposta inadequada à terapia. O diagnóstico de amiloidose secundária foi realizado por biópsias de lesões cutâneas genitais. Embora muito raro, é importante que os dermatologistas e clínicos gerais considerem a possibilidade de amiloidose em pacientes com doenças inflamatórias crônicas, uma vez que podemos interferir precocemente e melhorar o prognóstico dessa condição.

Palavras‐chave:
Amiloidose sistêmica
Artrite psoriásica
Psoríase
Full Text
Introdução

A amiloidose sistêmica é uma doença caracterizada pela deposição extracelular de fibrilas insolúveis formadas por uma proteína precursora solúvel.1–3 Essa fibrila tem uma afinidade pelo corante vermelho do Congo, que mostra uma característica birrefringência verde quando vista sob luz polarizada.1–3 Quatro tipos de amiloidose sistêmica são observadas com mais frequência: AL (causada por discrasia clonal das células plasmáticas), AA (causada por condições inflamatórias), ATTR (causada por mutações da proteína precursora transtirretina) e amiloidose Ab2M (causada por insuficiência renal terminal).1–3

A amiloidose tipo AA é causada por inflamação de longa data, como artrite, doença inflamatória intestinal e infecções crônicas.3 O precursor desse tipo é a proteína amiloide sérica da apolipoproteína A (SAA), um reagente de fase aguda.2 Doença renal, neuropatia autonômica, envolvimento intestinal, esplenomegalia, hepatomegalia, bócio e cardiomiopatia são os sinais mais comuns dessa forma de amiloidose.1–3 O envolvimento oral já havia sido relatado, enquanto lesões cutâneas não são comuns.4

A amiloidose tipo AA que complica a artrite psoriásica é rara; os dados publicados são baseados principalmente em relatos de casos e estão associados ao aumento da mortalidade.5,6 O diagnóstico precoce da amiloidose sistêmica é geralmente realizado por uma biópsia de aspiração de gordura subcutânea abdominal. No entanto, nos casos de artrite psoriásica, o diagnóstico geralmente parece ser tardio e acontece no estágio da doença renal, em decorrência da raridade da amiloidose nessa condição reumatológica.6

Apresentamos aqui um paciente com artrite psoriásica de longa data e sialadenite crônica, com resposta inadequada a múltiplas terapias. O diagnóstico de amiloidose secundária foi realizado por biópsias de lesões cutâneas genitais. Não havia sinais de insuficiência renal.

Relato do caso

Mulher branca, 55 anos de idade, procurou o ambulatório de dermatologia com queixa de lesões escurecidas nas axilas, vulva e região perineal havia três anos. A paciente apresentava artrite psoriásica e alterações típicas de psoríase ungueal (pittings e hiperceratose ungueal) desde os 11 anos de idade, com sequelas motoras significativas. Fazia uso de leflunomida e etanercepte havia nove anos, mas a artrite se tornou progressivamente pior. Apresentava, ainda, uveíte anterior bilateral recorrente havia sete anos, e xerostomia por sialadenite crônica por três anos.

Ao exame físico, apresentava pápulas convergindo em placas acastanhadas infiltradas na área vulvar e perianal e nas axilas (figs. 1, 2 e 3). Ao exame articular, havia deformidade articular simétrica nas mãos.

Figura 1.

Placas hipercrômias infiltradas na vulva.

(0.23MB).
Figura 2.

Pápulas que confluem em placa hipercrômica e infiltrada na região perianal.

(0.26MB).
Figura 3.

Pápulas acastanhadas na axila.

(0.27MB).

Nos exames laboratoriais, a paciente apresentava anemia com hemoglobina de 10,7g/dL; proteínas séricas totais 7,1g/L; albumina sérica 3,1g/L; globulina sérica 4,0g/L; VHS 96mm/h. A eletroforese de proteína mostrou um aumento na gamaglobulina. As imunoglobulinas mostraram: IgG 1.808mg/dL; IgA 6,0mg/dL; IgM 84,3mg/dL. A coleta de urina durante 24 horas foi normal. As concentrações de creatinina, amilase sérica e lipase foram normais. A densitometria óssea evidenciou perda generalizada de densidade óssea.

O exame histopatológico de uma pápula vulvar e glândula salivar demonstrou um depósito de substância hialina amorfa que corou positivamente com vermelho do Congo. Era birrefringente quando visto por luz polarizada, confirmando o diagnóstico de amiloidose sistêmica nos dois locais (figs. 4 e 5).

Figura 4.

Depósito de material hialino e amorfo na derme.

(0.25MB).
Figura 5.

Birrefringência na coloração pelo vermelho Congo quando observada sob luz polarizada.

(0.17MB).
Discussão

A amiloidose sistêmica tem uma incidência de cerca de oito por milhão de pessoas por ano.4 A amiloidose por AA é mais comum que as outras formas, o que pode ser justificado por sua associação com doenças infecciosas, principalmente tuberculose.3 No mundo ocidental, a amiloidose AA tornou‐se mais rara com o controle de infecções bacterianas. No entanto, outras condições inflamatórias crônicas substituíram as infecções como a causa mais comum.3

As lesões cutâneas, geralmente observadas na amiloidose sistêmica primária, são raras na forma secundária. Na revisão de literatura, encontramos alguns casos de envolvimento oral e cutâneo na amiloidose por AA.4,5

A etiopatogenia da amiloidose não é clara. As condições inflamatórias levam à expressão de citocinas, particularmente a interleucina 6 (IL‐6), que causa a superprodução de proteína SAA pelo fígado.3 A proteína SAA geralmente é degradada por enzimas derivadas de monócitos; portanto, na maioria dos casos, não leva à amiloidose. Desse modo, pacientes com amiloidose secundária apresentam um defeito enzimático e também apresentaram anormalidade estrutural geneticamente determinada na proteína SAA, causando resistência à degradação.4

O diagnóstico definitivo de amiloidose sistêmica é feito por biópsia e coloração com vermelho Congo, que exibe birrefringência verde‐maçã por microscopia de polarização.3 As amiloidoses cutâneas primárias não apresentam birrefringência verde‐maçã por microscopia de polarização.

A terapia da amiloidose AA visa reduzir a produção de SAA. Atualmente, os tratamentos disponíveis são corticosteroides, substâncias citostáticas e citocinas de anticorpos monoclonais (TNF e IL‐6).3,6–10 Nosso paciente desenvolveu amiloidose sistêmica secundária durante o tratamento da doença de base com etanercepte, o que mostra que a doença foi extremamente agressiva nesse caso. Portanto, o diagnóstico precoce foi essencial para evitar danos a outros órgãos.

Embora muito raro, é extremamente importante para os dermatologistas e os clínicos gerais considerarem a possibilidade de amiloidose sistêmica em pacientes com doenças inflamatórias crônicas, uma vez que podemos interferir precocemente e melhorar o prognóstico dessa condição.

Suporte financeiro

Nenhum.

Contribuição dos autores

Bruno de Castro e Souza: Elaboração e redação do manuscrito; revisão crítica da literatura.

Camila Fátima Biancardi Gavioli: Obtenção, análise e interpretação de dados; elaboração e redação do manuscrito; revisão crítica da literatura.

Walmar Roncalli Pereira de Oliveira: Concepção e planejamento do estudo; elaboração e redação do manuscrito; revisão crítica da literatura; participação intelectual em conduta propedêutica e/ou terapêutica no caso estudado

Ricardo Romiti: Concepção e planejamento do estudo; elaboração e redação do manuscrito; revisão crítica da literatura; participação intelectual em conduta propedêutica e/ou terapêutica no caso estudado.

Conflito de interesses

Nenhum.

Referências
[1]
B.P. Hazenberg.
Amyloidosis: a clinical overview.
Rheum Dis Clin North Am., 39 (2013), pp. 323-345
[2]
S. Loizos, C.T. Shiakalli, C.S. Georgiades.
Amyloidosis: review and imaging findings.
Semin Ultrasound CT MR., 35 (2014), pp. 225-239
[3]
G.T. Westermark, M. Fändrich, P. Westermark.
AA Amyloidosis: Pathogenesis and Targeted Therapy.
Annu Rev Pathol., 10 (2015), pp. 321-344
[4]
A. Koloktronis, I. Chatzigiannis, N. Paloukidou.
Oral involvement in a case of AA amyloidosis.
[5]
M.S. Qureshi, G.I. Sandle, J.K. Kelly, H. Fox.
Amyloidosis complicating psoriatic arthritis.
Br Med J., 2 (1977), pp. 302
[6]
K. Immonen, M. Kauppi, M. Hakala.
Experiences on the use of biological drugs in psoriatic arthritis‐associated amyloidosis.
Scand J Rheumatol., 40 (2011), pp. 236-238
[7]
I. Macías Fernández, A.M. Fernández Rodríguez, S. García Pérez.
[Use of etanercept in amyloidosis secondary to rheumatoid arthritis, a report of two cases].
Reumatol Clin., 7 (2011), pp. 397-400
[8]
A. Fernández-Nebro, E. Tomero, V. Ortiz-Santamaría, M.C. Castro, A. Olivé, M. de Haro, et al.
Treatment of rheumatic inflammatory disease in 25 patients with secondary amyloidosis using tumor necrosis factor alpha antagonists.
Am J Med., 118 (2005), pp. 552-556
[9]
S. Hamanoue, T. Suwabe, J. Hoshino, K. Sumida, K. Mise, N. Hayami, et al.
Successful treatment with humanized anti‐interleukin‐6 receptor antibody (tocilizumab) in a case of AA amyloidosis complicated by familial Mediterranean fever.
Mod Rheumatol., 26 (2016), pp. 610-613
[10]
S. Yilmaz, M. Cinar, I. Simsek, H. Erdem, S. Pay.
Tocilizumab in the treatment of patients with AA amyloidosis secondary to familial Mediterranean fever.
Rheumatology (Oxford)., 54 (2015), pp. 564-565

Como citar este artigo: Souza BC, Gavioli CFB, Oliveria WRP, Romiti R. Systemic amyloidosis manifestation in a patient with psoriatic arthritis. An Bras Dermatol. 2021;96:324–7.

Trabalho realizado no Departamento de Dermatologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Copyright © 2021. Sociedade Brasileira de Dermatologia
Idiomas
Anais Brasileiros de Dermatologia

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools
en pt
Cookies policy Política de cookies
To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.