Journal Information
Vol. 96. Issue 3.
Pages 390-391 (01 May 2021)
Visits
...
Vol. 96. Issue 3.
Pages 390-391 (01 May 2021)
Carta ‐ Caso clínico
Open Access
N‐acetilcisteína para o manejo do transtorno de escoriação: resultados encorajadores em duas pacientes
Visits
...
Deren Özcan
Corresponding author
derenozcan@yahoo.com.tr

Autor para correspondência.
Departamento de Dermatologia, Faculdade de Medicina, Başkent University, Ancara, Turquia
Article information
Full Text
Bibliography
Download PDF
Statistics
Figures (2)
Full Text
Prezado Editor,

O transtorno de escoriação (TE), também chamado de dermatotilexomania, é caracterizado por escoriação recorrente da pele (skin picking), levando a lesões cutâneas que variam de erosões superficiais a ulcerações profundas.1 A acne escoriada (AE) é um subtipo de TE no qual o foco são as lesões acneicas. O TE causa comprometimento psicossocial significativo, portanto, necessitam de tratamento eficaz.1,2 Embora existam várias abordagens, incluindo terapias comportamentais e farmacológicas, o manejo do TE ainda é um desafio.1–3 Acredita‐se que a disfunção glutamatérgica e o estresse oxidativo contribuam para a fisiopatologia do TE.2,3 Recentemente, a N‐acetilcisteína (NAC), um modulador de glutamato e antioxidante, foi proposta como promissora alternativa de tratamento para o TE, e um número limitado de relatos mostrou resultados encorajadores.1–5

Paciente do sexo feminino, 75 anos de idade, com história de cinco anos de prurido e feridas nas pernas. A paciente sentia necessidade irresistível de escoriar a pele, o que se tornou rotina diária e resultou em lesões autoinfligidas na pele de aparência normal. O exame dermatológico revelou múltiplas pápulas e nódulos eritematosos ou hiperpigmentados, erodidos, escoriados ou liquenificados, de tamanho variável e formato irregular em ambas as pernas (fig. 1A). O hemograma completo e os resultados dos testes de função hepática, renal e tireoidiana estavam dentro dos limites normais. O segundo caso era de paciente do sexo feminino, 36 anos de idade, com história de três meses de lesões acneiformes pruriginosas na face. Ela havia utilizado vários produtos dermocosméticos sem sucesso. A paciente costumava escoriar, coçar e espremer essas lesões e, apesar dos esforços repetidos, não conseguia resistir a esse comportamento. O exame dermatológico revelou alguns comedões, pápulas eritematosas e escoriadas e máculas hiperpigmentadas na região frontal (fig. 2A).

Figura 1.

Caso 1. (A) Pápulas e nódulos múltiplos, eritematosos ou hiperpigmentados, erodidos, escoriados ou liquenificados, de tamanho variável na perna direita de paciente com transtorno de escoriação. (B) Melhora clínica parcial após duas semanas de tratamento com N‐acetilcisteína.

(0.09MB).
Figura 2.

Caso 2. (A) Pápulas eritematosas e escoriadas e máculas hiperpigmentadas na região frontal de paciente com acne escoriada. (B) Melhora clínica completa após seis semanas de tratamento com N‐acetilcisteína.

(0.07MB).

Esfregaços de Tzanck obtidos das lesões e corados pelo método de May‐Grünwald‐Giemsa não mostraram alterações patológicas. Após o diagnóstico de TE e AE, respectivamente, ambas as pacientes iniciaram tratamento com NAC (1.200mg/dia, via oral). Os achados clínicos diminuíram após duas e seis semanas, na primeira (fig. 1B) e na segunda paciente (fig. 2B), respectivamente. Não foram observados efeitos colaterais, e ambas as pacientes interromperam o comportamento de autoescoriação. O tratamento durou três meses e seis semanas, e após a interrupção da terapia não foram observadas recidivas no acompanhamento de seis e três meses nas pacientes com TE e AE, respectivamente.

Existem apenas alguns relatos de caso e dois estudos na literatura que indicam o benefício potencial da NAC para o tratamento do TE.1–5 Nesses relatos, a dose de NAC e a duração do tratamento variaram muito (450‐3.000mg/dia e 1 a 10 meses).2,3 Os efeitos colaterais, incluindo distúrbios gastrintestinais, boca seca e tontura, raramente foram observados e não exigiram a interrupção da terapia.2–5 No entanto, os dados de seguimento sobre o risco de recidiva após a interrupção da NAC são desconhecidos.

O TE é um distúrbio psicocutâneo. Como esses pacientes costumam procurar clínicas dermatológicas, não só os psiquiatras, mas também os dermatologistas devem estar atentos às novas opções de tratamento. A experiência dos autores nos dois casos presentes apoia o conceito de que a NAC pode ser uma alternativa segura e eficaz para o manejo do TE. Entretanto, a dose adequada de NAC e a duração do tratamento para TE, bem como o risco de recaída do comportamento de escoriar a pele após a interrupção da terapia, requerem esclarecimentos em estudos futuros.

Suporte financeiro

Nenhum.

Contribuições dos autores

Deren Özcan: Concepção e planejamento do estudo; obtenção, análise e interpretação dos dados; redação do manuscrito e revisão crítica do conteúdo intelectual importante; aprovação final da versão a ser submetida.

Conflito de interesses

Nenhum.

Referências
[1]
C. Lochner, A. Roos, D.J. Stein.
Excoriation (skin‐picking) disorder: a systematic review of treatment options.
Neuropsychiatr Dis Treat., 13 (2017), pp. 1867-1872
[2]
C.O. Nwankwo, M. Jafferany.
N‐Acetylcysteine in psychodermatological disorders.
Dermatol Ther., 32 (2019), pp. e13073
[3]
T.L. Braun, V. Patel, L.C. DeBord, T. Rosen.
A review of N‐acetylcysteine in the treatment of grooming disorders.
Int J Dermatol., 58 (2019), pp. 502-510
[4]
I. Percinel, K.U. Yazici.
Glutamatergic dysfunction in skin‐picking disorder: treatment of a pediatric patient with N‐acetylcysteine.
J Clin Psychopharmacol., 34 (2014), pp. 772-774
[5]
R. Silva-Netto, G. Jesus, M. Nogueira, H. Tavares.
N‐acetylcysteine in the treatment of skin‐picking disorder.
Braz J Psychiatry., 36 (2014), pp. 101

Como citar este artigo: Özcan D. N‐acetylcysteine for managing neurotic excoriation: encouraging results in two patients. An Bras Dermatol. 2021;96:390–1.

Trabalho realizado no Departamento de Dermatologia, Faculdade de Medicina, Başkent University, Ancara, Turquia.

Copyright © 2021. Sociedade Brasileira de Dermatologia
Idiomas
Anais Brasileiros de Dermatologia

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools
en pt
Cookies policy Política de cookies
To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.