Journal Information
Vol. 97. Issue 6.
Pages 819-822 (01 November 2022)
Visits
2132
Vol. 97. Issue 6.
Pages 819-822 (01 November 2022)
Carta ‐ Investigação
Full text access
Tratamento da psoríase pediátrica com antagonistas do TNF – série de casos de centro único na prática diária
Visits
2132
Matteo Megnaa,
Corresponding author
mat24@libero.it

Autor para correspondência.
, Gabriella Fabbrocinia, Lucia Galloa, Angelo Ruggieroa, Elisa Camelaa, Sonia Sofía Ocampo‐Garzaa,b, Eleonora Cinellia
a Seção de Dermatologia, Departamento de Clínica Médica e Cirurgia, University of Naples Federico II, Nápoles, Itália
b Universidad Autónoma de Nuevo León, Hospital Universitario “Dr. José Eleuterio González”, Departamento de Dermatologia, Monterrey, Nuevo León, México
This item has received
Article information
Full Text
Bibliography
Download PDF
Statistics
Figures (1)
Full Text
Prezado Editor,

A psoríase é uma doença inflamatória crônica da pele1 e cerca de 30% são de pacientes pediátricos.1 Isso impacta não apenas as próprias crianças, mas também seus pais e cuidadores, afetando sua qualidade de vida.2 A maioria dos casos é de pequena gravidade e se beneficia de terapia tópica.3 Entretanto, quando os casos são não responsivos ou mais graves, podem exigir tratamentos sistêmicos, incluindo fototerapia, agentes convencionais (acitretina, metotrexato e ciclosporina) ou biológicos.4,5 A terapia com agentes biológicos representa uma nova e preciosa opção terapêutica para pacientes pediátricos, embora os dados sobre sua eficácia e segurança sejam escassos, pois a maioria dos ensaios clínicos disponíveis é realizada em pequenas populações de estudo e em formas menos graves da doença. Daí a importância de fornecer informações sobre experiências da prática diária sobre psoríase pediátrica tratada com agentes biológicos. Atualmente, o uso de antifatores de necrose tumoral (TNF)‐α (adalimumabe e etanercepte) foi aprovado para crianças a partir de 4 e 6 anos de idade, respectivamente; o anti‐interleucina (IL) 12/23 (ustequinumabe) para pacientes a partir de 6 anos;6–8 e anti‐IL‐17 (secuquinumabe e ixequizumabe) em crianças a partir de 6 anos de idade.9,10 Na Itália, apenas os agentes anti‐TNF‐α são reembolsáveis pelo Sistema Nacional de Saúde, enquanto o ustequinumabe e os anti‐IL‐17 estão aguardando liberação do reembolso. Aqui, relatamos a experiência na prática diária do uso de biológicos reembolsáveis para pacientes pediátricos com psoríase encaminhados à Unidade de Psoríase do Hospital Federico II, Nápoles, de setembro de 2018 a setembro de 2020. Os critérios de inclusão no estudo retrospectivo foram: i) psoríase em placas moderada a grave (definida como PASI > 10 e/ou ASC > 10 e/ou DLQI > 10) diagnosticada pelo menos um ano antes da inclusão; ii) idade < 18 anos; iii) período de washout maior ou igual a quatro semanas para terapias sistêmicas (tratamento com UV incluído) e maior ou igual a duas semanas para terapias tópicas; iv) indivíduos iniciando tratamento biológico (adalimumabe ou etanercepte, original ou biossimilar).

O tratamento foi feito em dosagem pediátrica, com base no peso corporal do paciente. No momento base foram coletados: i) dados pessoais e demográficos; ii) duração e localização da psoríase; iii) presença de artrite psoriática (AP) e duração; iv) comorbidades; v) terapias sistêmicas anteriores; vi) gravidade da psoríase utilizando o Índice de Área e Gravidade da Psoríase (PASI, Psoriasis Area and Severity Index) e a Área de Superfície Corporal (ASC); vii) escore no Índice de Qualidade de Vida em Dermatologia (DLQI, Dermatology Life Quality Index) de pacientes e cuidadores; viii) exames de sangue (hemograma, transaminases, creatinina, azotemia, glicemia, velocidade de hemossedimentação, proteína C‐reativa, níveis de colesterol e triglicérides, eletroforese de proteínas) foram registrados. Em cada consulta de acompanhamento (a cada 12 semanas), PASI e ASC foram avaliados. Além disso, o perfil de segurança foi avaliado por eventos adversos (EAs) decorrentes do tratamento, exame físico e monitoramento de exames laboratoriais. A Declaração de Helsinque foi respeitada durante todo o estudo e o consentimento informado foi obtido e assinado por cada paciente ou cuidador antes do início do estudo. As variáveis contínuas foram apresentadas como média ± desvio‐padrão e as variáveis categóricas como número e proporção de pacientes. O teste t de Student não pareado foi usado para calcular a significância das diferenças nos valores médios em diferentes momentos do tratamento. Um valor de p < 0,05 foi considerado estatisticamente significante. Todas as análises estatísticas foram realizadas no software GraphPad Prism 4.0 (GraphPad Software Inc., La Jolla, CA, EUA).

Dez pacientes foram incluídos: 60,0% (n = 6) do sexo feminino e 40,0% (n = 4) do sexo masculino, com média de idade de 13,90 ± 4,25 anos. Todos tinham psoríase em placas, com duração média de 5,20 ± 3,36 anos, e nenhum tinha AP. Um paciente apresentou anemia; não foram encontradas outras comorbidades. Todos os pacientes haviam sido tratados anteriormente com agentes tópicos. Em relação ao tratamento sistêmico prévio, quatro (40,0%) e dois (20,0%) deles receberam fototerapia e terapia sistêmica convencional (acitretina e em seguida ciclosporina, e ciclosporina isoladamente), respectivamente. A maioria (60,0%, n = 6) está atualmente em tratamento com etanercepte original ou biossimilar (duração média de 32,20 ± 10,35 meses), enquanto os demais pacientes (40,0%, n = 4) estão em tratamento com adalimumabe original ou biossimilar (duração média de 12,33 ± 12,09 meses). Um paciente que está atualmente sob tratamento com etanercepte falhou no tratamento anterior com adalimumabe por ineficácia secundária (perda da resposta PASI75 após 12 semanas). O PASI médio melhorou em ambos os pacientes tratados com adalimumabe e etanercepte desde o início até a semana 12, e da semana 24 até a semana 72 foram relatados valores estáveis para ambos os grupos (tabela 1). O PASI médio basal geral foi de 15,8 ± 5,0 (14,8 ± 6,5 para adalimumabe versus 16,4 ± 4,4 para o grupo etanercepte) e diminuiu para 2,2 ± 2,7 na semana 72 (3,0 ± 5,2 para adalimumabe versus 2,0 ± 1,5 para o grupo etanercepte). Embora o grupo etanercepte tenha incluído pacientes com PASI basal mais alto, PASI médio mais baixo foi alcançado nas visitas de seguimento (fig. 1A). Não foram encontradas diferenças estatisticamente significantes. A média da ASC mostrou tendência semelhante, embora tenha aumentado ligeiramente em ambos os grupos a partir da semana 24 (fig. 1B). A melhora significativa da doença também se refletiu na redução do impacto na qualidade de vida: o escore no DLQI diminuiu de 18,5 ± 5,5 no momento basal para 4,1 ± 3 na semana 12, até 2,5 ± 1,3 na semana 72. Em relação aos EAs, apenas um paciente relatou um único episódio de epistaxe após a primeira injeção de adalimumabe, tratada com compressão. O paciente com anemia preexistente apresentou persistência dos níveis de hemoglobina abaixo do limiar (11,0g/dL), sem piora.

Tabela 1.

Características e resultados da população do estudo

Pacientes, n  10 
Idade, anos  13,90 ± 4,25 (variação: 5‐17) 
Sexo
Feminino  6/10 (60,0%) 
Masculino  4/10 (40,0%) 
Duração da psoríase, anos  5,20 ± 3,36 
Tratamentos anteriores, n (%)
Terapia tópica  10/10 (100,0%) 
Fototerapia com NB‐UVB  4/10 (40,0%) 
Ciclosporina  2/10 (20,0%) 
Acitretina  1/10 (10,0%) 
PASI
Basal  15,8 ± 5,0 
Semana 12  3,7 ± 2,5 
Semana 24  1,7 ± 2,9 
Semana 48  2,2 ± 2,6 
Semana 72  2,2 ± 2,7 
Grupo adalimumabe (4 pacientes, 40%)
Basal  14,8 ± 6,5 
Semana 12  3,8 ± 3,3 
Semana 24  2,3 ± 3,9 
Semana 48  2,7 ± 4,6 
Semana 72  2,7 ± 4,7 
Grupo etanercepte (6 pacientes, 60%)
Basal  16,4 ± 4,4 
Semana 12  3,7 ± 2,1 
Semana 24  1,4 ± 1,7 
Semana 48  2,0 ± 2,2 
Semana 72  2,0 ± 1,5 
ASC
Basal  28,5 ± 15,2 
Semana 12  5,8 ± 3,6 
Semana 24  2,8 ± 3,3 
Semana 48  3,7 ± 4,0 
Semana 72  3,7 ± 3,4 
Grupo adalimumabe (4 pacientes, 40%)
Basal  26,0 ± 21,9 
Semana 12  5,3 ± 3,8 
Semana 24  3,0 ± 4,2 
Semana 48  3,0 ± 5,2 
Semana 72  3,0 ± 5,2 
Grupo etanercepte (6 pacientes, 60%)
Basal  30,2 ± 10,9 
Semana 12  6,2 ± 3,8 
Semana 24  2,7 ± 3,0 
Semana 48  4,0 ± 3,7 
Semana 72  4,0 ± 2,6 
Figura 1.

(a) Tendências dos escores médios do PASI em toda a população do estudo (linha azul), no grupo adalimumabe (linha vermelha) e no grupo etanercepte (linha verde) no momento basal e nos seguimentos. (b) Tendências dos escores médios de ASC em toda a população do estudo (linha azul), no grupo adalimumabe (linha vermelha) e no grupo etanercepte (linha verde) no momento e nos seguimentos.

(0.29MB).

O presente estudo da prática diária mostrou boa segurança e eficácia dos biológicos em crianças e adolescentes encaminhados ao centro para tratamento de psoríase moderada a grave. Embora a população do estudo seja limitada, as respostas ao PASI e ASC refletem os resultados relatados em ensaios clínicos, pois o PASI médio diminuiu desde o momento basal (15,79 ± 5,03) até a semana 24 (1,74 ± 2,59) sob tratamento com adalimumabe e etanercepte. A mesma tendência foi observada para ASC média: 28,50 ± 15,16 (momento basal) versus 2,80 ± 3,33 (semana 24). Curiosamente, ambos os valores clínicos mostraram aumento discreto a partir da semana 48 (fig. 1), embora nenhuma diferença estatisticamente significante tenha sido alcançada. Além disso, mesmo que os escores PASI e ASC tenham permanecido estáveis ou levemente aumentados a partir da semana 24, os pacientes e especialmente os cuidadores experimentaram melhora nos escores do DLQI. Com relação aos EAs, esses resultados da prática diária evidenciam incidência menor de infecções do que as relatadas em ensaios clínicos, o que pode ser atribuído ao tamanho diferente das populações entre os ensaios clínicos e os estudos com base na prática diária.11 Experiências da prática diária podem aumentar a população estudada de pacientes psoriásicos pediátricos tratados com agentes biológicos. O tratamento eficaz e seguro da psoríase em crianças ecoa no ambiente familiar, com benefícios que se estendem aos pais/responsáveis.

Suporte financeiro

Nenhum.

Contribuição dos autores

Todos os autores contribuíram para a concepção e planejamento do estudo. A preparação do material, a coleta e a análise dos dados foram realizadas por Matteo Megna, Gabriella Fabbrocini, Lucia Gallo, Angelo Ruggiero, Elisa Camela, Sonia Sofia Ocampo‐Garza e Eleonora Cinelli. A primeira versão do manuscrito foi redigida por Eleonora Cinelli, Gabriella Fabbrocini e Matteo Megna, e todos os autores comentaram as versões anteriores do manuscrito. Todos os autores leram e aprovaram versão final do manuscrito.

Conflito de interesses

O Dr. Matteo Megna atuou como palestrante ou consultor da Novartis, Eli Lilly e Abbvie. A Professora Gabriella Fabbrocini atuou como palestrante ou consultora para Janssen, Leo Pharma, Novartis, Eli Lilly, Abbvie e Almirall. A Dra. Lucia Gallo atuou como palestrante ou consultora da Lilly e da Pfizer. A Dra. Eleonora Cinelli, o Dr. Angelo Ruggiero, a Dra. Elisa Camela e a Dra. Sonia Sofía Ocampo‐Garza não têm conflito de interesses a declarar.

Referências
[1]
M. Megna, M. Napolitano, A. Balato, M. Scalvenzi, T. Cirillo, L. Gallo, et al.
Psoriasis in Children: A Review.
Curr Pediatr Rev., 11 (2015), pp. 10-26
[2]
M. Żychowska, A. Reich, J. Maj, A. Jankowska-Konsur, J.C. Szepietowski.
Impact of Childhood Psoriasis on Caregivers’ Quality of Life.
Measured with Family Dermatology Life Quality Index. Acta Derm Venereol., 100 (2020),
[3]
M. Megna, E. Cinelli, E. Camela, G. Fabbrocini.
Calcipotriol/betamethasone dipropionate formulations for psoriasis: an overview of the options and efficacy data.
Expert Rev Clin Immunol., 16 (2020), pp. 599-620
[4]
A. Torrelo.
The use of biologics for childhood psoriasis.
J Eur Acad Dermatol Venereol., 33 (2019), pp. 1816
[5]
M. Napolitano, M. Megna, A. Balato, F. Ayala, S. Lembo, A. Villani, et al.
Systemic Treatment of Pediatric Psoriasis: A Review.
Dermatol Ther (Heidelb)., 6 (2016), pp. 125-142
[6]
ema.europa [Internet]. Pfizer. Enbrel (etanercept) summary of product information. Disponível em: . Acesso em 03 ago. 2017.
[7]
ema.europa [Internet]. Abbvie. Humira (adalimumab) summary of product information. Disponível em: . Accesso em 03 ago. 2017.
[8]
ema.europa [Internet]. Jannsen. Stelara (Ustekinumab) summary of product information. Disponível em: . Accesso em 16 nov. 2020.
[9]
ema.europa [Internet]. Eli Lilly. Taltz (Ixekizumab). Disponível em: . Accesso em 31 ago. 2021.
[10]
ema.europa [Internet]. Novartis. Secukinumab (Cosentix). Disponível em: . Accesso em 31 ago. 2021.
[11]
Q.D. Nguyen, C.T. Starling, A.A. Hebert.
The Use of TNFα Inhibitors in Treating Pediatric Skin Disorders.
Paediatr Drugs., 22 (2020), pp. 311-319

Como citar este artigo: Megna M, Fabbrocini G, Gallo L, Ruggiero A, Camela E, Ocampo‐Garza SS, et al. Treatment of pediatric psoriasis with TNF‐antagonists: a real‐life single‐center case series. An Bras Dermatol. 2022;97:819–22.

Trabalho realizado no Departamento de Dermatologia, University of Naples Federico II, Nápoles, Itália.

Copyright © 2022. Sociedade Brasileira de Dermatologia
Idiomas
Anais Brasileiros de Dermatologia
Article options
Tools
en pt
Cookies policy Política de cookies
To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.