Compartilhar
Informação da revista
Vol. 95. Núm. 2.
Páginas 259-260 (01 Março 2020)
Visitas
...
Vol. 95. Núm. 2.
Páginas 259-260 (01 Março 2020)
Carta – Caso clínico
Open Access
Pitiríase liquenoide e varioliforme aguda após vacinação antitetânica e antidiftérica do adulto
Visitas
...
Maira Renata Merlottoa, Natália Parente Bicudoa, Mariangela Esther Alencar Marquesb, Silvio Alencar Marquesa,
Autor para correspondência
silvio.marques@unesp.br

Autor para correspondência.
a Departamento de Dermatologia e Radioterapia, Faculdade de Medicina de Botucatu, Universidade Estadual Paulista, Botucatu, SP, Brasil
b Departamento de Patologia, Faculdade de Medicina de Botucatu, Universidade Estadual Paulista, Botucatu, SP, Brasil
Informação do artigo
Texto Completo
Bibliografia
Baixar PDF
Estatísticas
Figuras (3)
Mostrar maisMostrar menos
Texto Completo
Prezado Editor,

Pitiríase liquenoide (PL) é enfermidade inflamatória cutânea rara, de etiologia desconhecida e apresenta os subtipos: pitiríase liquenoide e varioliforme aguda (PLEVA), pitiríase liquenoide crônica e a forma grave, febril, doença de Mucha‐Habermann.1 Compromete principalmente crianças e adultos jovens. Há associação com exposição a medicamentos, infecções, contraste radiológico e ocorrência pós‐vacinação. É apresentado um caso exuberante de PLEVA associado com a vacina dupla do adulto.

Paciente do sexo masculino de 26 anos, previamente hígido, apresentava queixa de mal‐estar, artralgia, exantema e febre de 38°C, dois dias pós‐reforço vacinal com a vacina antitetânica e antidiftérica (dupla do adulto). Cinco dias após, observou‐se ao exame dermatológico quadro polimórfico composto por exantema generalizado, pápulas e pápulo‐vesículas, muitas recobertas por crostas necróticas aderentes e vesículas de conteúdo hemorrágico (figs. 1 e 2). O exame clínico geral era normal. Apesar de o paciente referir história prévia de varicela, as hipóteses diagnósticas foram de varicela hemorrágica e PLEVA. As sorologias para HIV, VHB e VHC foram negativas. O teste de Tzanck foi negativo para infecção herpética.

Figura 1.

PLEVA: inúmeras vesículas de conteúdo hemorrágico e pápulas recobertas por crostas hemáticas. Pré‐tratamento.

(0,13MB).
Figura 2.

PLEVA: lesões papulonecróticas e pápulas recobertas por crostas hemáticas. Durante o tratamento com metotrexato e corticosteroide sistêmico.

(0,13MB).

O exame histopatológico mostrou focos de necrose na epiderme, sinais sugestivos de vasculite linfocitária e intenso extravasamento de hemácias, sendo compatível com o diagnóstico clínico de PLEVA (fig. 3). Com o diagnóstico de PLEVA grave, foi iniciada prednisona 1 mg/kg/dia associada a compressas com permanganato de potássio. Após uma semana sem melhora, associou‐se metotrexato 15 mg/semana. Com essa prescrição, a melhora foi rápida e significativa. No seguimento, foi reduzida inicialmente a dose de prednisona e, dois meses após, descontinuado o metotrexato, com cura clínica, porém múltiplas cicatrizes de padrão varioliforme.

Figura 3.

PLEVA: exame histopatológico demonstra foco de necrose na epiderme, sinais sugestivos de vasculite linfocitária e intenso extravasamento de hemácias (Hematoxilina & eosina, 200×).

(0,17MB).

PLEVA é caracterizada por erupção polimórfica de máculas eritematosas que rapidamente evoluem para pápulas de 2‐3 mm, vesículas de conteúdo hemorrágico ou pustuloso, que sofrem necrose, seguidas de crostas residuais e finalmente cicatrizes de padrão varioliforme. Podem apresentar ardor e prurido. A doença de Mucha-Habermann corresponde a quadro varicela‐símile, com lesões ulceronecróticas, associado a repercussão sistêmica, febre e quadro geral alterado, potencialmente fatal. Este caso pode ser considerado intermediário entre os dois subtipos clínicos agudos de PL.

A PL é causada por reação inflamatória desencadeada por fatores externos ou tem origem linfoproliferativa, como resposta inflamatória secundária a discrasia de células‐T, ou ainda por vasculite de hipersensibilidade mediada por imunecomplexos.1 No caso apresentado, a hipótese mais plausível é de reação inflamatória pós‐estímulo vacinal. Em extensa revisão da literatura, foram recuperados apenas três relatos que associavam PLEVA com a vacina tríplice viral e vacina contra influenza.2–4 Do conhecimento dos autores, este paciente é o primeiro caso relatado de associação de PLEVA com a vacina dupla do adulto. Essa é composta de combinação de toxoides antitetânico e antidiftérico, hidróxido de alumínio ou fosfato como adjuvante e timerosal como preservativo, sendo administrada por via intramuscular profunda na região deltoide.5 Tratamento da PL tem como referência série de casos não controlados e de relatos de casos. As terapêuticas mais usadas incluem corticoides tópicos, tetraciclina, eritromicina e fototerapia. Em casos graves, o uso de corticoide sistêmico, metotrexato ou ciclosporina está indicado.1 Enfatiza‐se a resposta favorável obtida com o tratamento instituído no presente caso.

Suporte financeiro

Nenhum.

Contribuição dos autores

Maira Renata Merlotto: Concepção e planejamento do estudo; elaboração e redação do manuscrito; revisão crítica da literatura; revisão crítica do manuscrito.

Natália Parente Bicudo: Aprovação da versão final do manuscrito; obtenção, análise e interpretação dos dados; revisão crítica da literatura; revisão crítica do manuscrito.

Mariangela Esther Alencar Marques: Aprovação da versão final do manuscrito; obtenção, análise e interpretação dos dados; revisão crítica do manuscrito.

Silvio Alencar Marques: Aprovação da versão final do manuscrito; elaboração e redação do manuscrito; revisão crítica do manuscrito.

Conflitos de interesse

Nenhum.

Referências
[1]
S. Bowers, E.M. Warshaw.
Pityriasis lichenoides and its subtypes.
J Am Acad Dermatol., 55 (2006), pp. 557-572
[2]
B.A. Castro, J.M. Pereira, R.L. Meyer, F.M. Trindade, M.S. Pedrosa, A.C. Piancastelli.
Pityriasis lichenoides et varioliformis acuta after influenza vaccine.
An Bras Dermatol., 90 (2015), pp. 181-184
[3]
S. Gunatheesan, J. Ferguson, Y. Mossa.
Pityriasis lichenoides et varioliformis acuta: a rare association with the measles, mumps and rubella vaccine.
Australas J Dermatol., 53 (2012), pp. e76-e78
[4]
D. Gil Bistes, N. Kluger, D. Bessis, B. Guillot, N. Raison-Peyron.
Pityriasis lichenoides chronic after measles‐mumps‐rubella vaccination.
J Dermatol., 39 (2012), pp. 492-493
[5]
B. Weinberger.
Adult vaccination against tetanus and diphtheria: the European perspective.
Clin Exp Immunol, 187 (2017), pp. 93-99

Como citar este artigo: Merlotto MR, Bicudo NP, Marques MEA, Marques SA. Pityriasis lichenoides et varioliformis acuta following anti‐tetanus and diphtheria adult vaccine. An Bras Dermatol. 2020;95:259–260.

Trabalho realizado no Departamento de Dermatologia e Radioterapia, Faculdade de Medicina de Botucatu, Universidade Estadual Paulista, Botucatu, SP, Brasil.

Copyright © 2020. Sociedade Brasileira de Dermatologia
Idiomas
Anais Brasileiros de Dermatologia (Portuguese)

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas
en pt
Cookies policy Política de cookies
To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.