Compartilhar
Informação da revista
Vol. 95. Núm. 2.
Páginas 257-258 (01 Março 2020)
Visitas
...
Vol. 95. Núm. 2.
Páginas 257-258 (01 Março 2020)
Carta – Caso clínico
Open Access
Suspensão de células epidérmicas não cultivadas para o tratamento de vitiligo segmentar recalcitrante em paciente transplantado de órgão sólido
Visitas
...
Gerson Dellatorrea,
Autor para correspondência
dellatorre@gmail.com

Autor para correspondência.
, Caio César Silva de Castroa,b
a Departamento de Dermatologia, Hospital Santa Casa de Misericórdia de Curitiba, Curitiba, PR, Brasil
b Escola de Medicina, Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba, PR, Brasil
Informação do artigo
Texto Completo
Bibliografia
Baixar PDF
Estatísticas
Figuras (3)
Mostrar maisMostrar menos
Texto Completo
Prezado Editor,

O vitiligo é doença adquirida da pigmentação caracterizada pela perda de melanócitos epidérmicos e que afeta 0,5% da população no Brasil.1

O vitiligo segmentar (VS) apresenta‐se como máculas e manchas acrômicas mais comumente distribuídas de forma unissegmentar, respeitam a linha média corporal.1 Caracteriza‐se pelo rápido início do quadro, pode apresentar resposta limitada aos tratamentos clínicos, principalmente se iniciados de forma tardia.2 Além disso, preocupações a respeito de carcinogênese induzida por ultravioleta em pacientes transplantados de órgãos sólidos (TOS) limitam o uso da fototerapia nessa população.3

É apresentado caso de VS em paciente TOS tratado cirurgicamente por meio de suspensão de células epidérmicas não cultivadas (SCENC), sem fototerapia adjuvante e com bom resultado terapêutico.

Paciente do sexo masculino, de 31 anos, com histórico de máculas e manchas acrômicas no braço esquerdo de distribuição segmentar. As lesões iniciaram havia cinco anos, quando o paciente estava em uso de interferon alfa‐2a peguilado devido à nefropatia por IgA associada à hepatite B. Após o diagnóstico de vitiligo segmentar, recebeu à época tratamentos tópicos com creme de dipropionato de betametasona 0,05% e pomada de tacrolimus 0,1% por quatro meses, sem melhora. O paciente também foi submetido a 85 sessões de fototerapia UVBnb, com apenas 25% de melhoria das lesões. Sua nefropatia apresentou piora e o paciente iniciou hemodiálise, seguida de transplante renal.

No momento da consulta, o paciente apresentava lesões acrômicas em distribuição blashckoide, clinicamente compatíveis com VS, estáveis havia 4 anos.

Devido ao risco de carcinogênese, tratamentos fototerápicos adicionais foram contraindicados e o procedimento de SCENC foi planejado. Inicialmente, um fino enxerto de pele parcial com 8 cm2 foi obtido sob anestesia local da porção medial da coxa esquerda do paciente, com o auxílio de uma lâmina da shaving. Após, o enxerto foi incubado a 37°C em solução de tripsina 0,25% com ácido etilenodiamino tetra‐acético (EDTA) por 50 minutos. Após separação da epiderme da derme com auxílio de pinça anatômica delicada, as células epidérmicas ficaram dispersas em solução salina. A solução foi então transferida a tubo de ensaio e, após centrifugação a 1.500 rpm, o concentrado celular (pellet) foi obtido.

A área receptora foi demarcada (fig. 1) e preparada por meio de dermoabrasão superficial sob anestesia local (lidocaína 1% sem vasoconstritor). O concentrado celular foi ressuspendido em 1,5 mL de solução salina e transferido à área receptora. Os curativos compostos por membrana de colágeno, gaze vaselinada, gaze comum e filme adesivo transparente foram posicionados sobre a área e mantidos intactos por sete dias.

Figura 1.

Manchas acrômicas com distribuição blaschkoide demarcadas no braço esquerdo (24 cm2).

(0,1MB).

No momento do procedimento, o paciente estava em uso de everolimus 1 mg/dia, tacrolimus 3 mg/dia e prednisona 10 mg/dia havia um ano. Devido à história de imunossupressão, antibiótico oral (cefadroxila 500 mg 2×/dia) foi mantido por sete dias após o procedimento. Fototerapia adjuvante pós‐operatória não foi feita.

Após três meses do procedimento, repigmentação difusa de 95% da área receptora começou a se tornar visível, ficou mais evidente após seis meses de pós‐operatório (figs. 2 e 3).

Figura 2.

Repigmentação em 95% da área receptora após seis meses com discreta hipocromia.

(0,08MB).
Figura 3.

Exame à lâmpada de Wood demonstra o padrão de repigmentação difusa.

(0,05MB).

As principais abordagens terapêuticas para VS incluem os corticoesteróides tópicos, imunomoduladores tópicos e a fototerapia. Embora a fototerapia seja considerada como primeira linha de tratamento no vitiligo,1 a resposta do VS a modalidades terapêuticas como a UVBnb é limitada. Um estudo coreano demonstrou que a taxas de repigmentação em pacientes com VS tratados com UVBnb variavam de 26,3% a 50%.2

Além disso, embora estudos com UVBnb não tenham demonstrado associação entre o tratamento e o surgimento de carcinomas queratinocíticos ou melanoma em pacientes imunocompetentes,4 atenção especial deve ser dada à população de TOS. Comparativamente com a população em geral, pacientes TOS apresentam susceptibilidade 65 a 250 vezes maior de desenvolver carcinomas espinocelulares.5

O paciente do presente relato apresentava lesões de vitiligo estáveis havia cinco anos. A estabilidade lesional é o principal critério na indicação do tratamento cirúrgico do vitiligo, uma vez que sua presença está diretamente relacionada com bons resultados terapêuticos.1 Em teoria, devido ao uso crônico de imunossupressores, a população de TOS tende a apresentar um quadro de vitiligo mais estável, o que os tornando bons candidatos ao procedimento cirúrgico.

Embora haja evidência que embase o uso de fototerapia pré e pós‐operatória para aprimorar resultados no tratamento cirúrgico do vitiligo, a técnica de SCENC em monoterapia pode ser considerada em situações nas quais a exposição ultravioleta esteja contraindicada.

Suporte financeiro

Nenhum.

Contribuição dos autores

Gerson Dellatorre: Aprovação da versão final do manuscrito; concepção e planejamento do estudo; elaboração e redação do manuscrito; obtenção, análise e interpretação dos dados; participação efetiva na orientação da pesquisa; participação intelectual em conduta propedêutica e/ou terapêutica de casos estudados; revisão crítica da literatura; revisão crítica do manuscrito.

Caio César Silva de Castro: Aprovação da versão final do manuscrito; concepção e planejamento do estudo; participação efetiva na orientação da pesquisa; participação intelectual em conduta propedêutica e/ou terapêutica de casos estudados; revisão crítica do manuscrito.

Conflitos de interesse

Nenhum.

Referências
[1]
R.G. Tarlé, L.M. Nascimento, M.T. Mira, C.C. Castro.
Vitiligo?part 1.
An Bras Dermatol., 89 (2014), pp. 461-470
[2]
J.H. Park, S.W. Park, D.Y. Lee, J.H. Lee, J.M. Yang.
The effectiveness of early treatment in segmental vitiligo: retrospective study according to disease duration.
Photodermatol Photoimmunol Photomed., 29 (2013), pp. 103-105
[3]
A. Mittal, O.R. Colegio.
Skin Cancers in Organ Transplant Recipients.
Am J Transplant., 70 (2017), pp. 2509-2530
[4]
M. Rodrigues.
Skin Cancer Risk (Nonmelanoma Skin Cancers/Melanoma) in Vitiligo Patients.
Dermatol Clin., 35 (2017), pp. 129-134
[5]
F.J. Moloney, H. Comber, P. O’Lorcain, P. O’Kelly, P.J. Conlon, G.M. Murphy.
A population‐based study of skin cancer incidence and prevalence in renal transplant recipients.
Br J Dermatol., 154 (2006), pp. 498-504

Como citar este artigo: Dellatorre G, Silva de Castro CC. Noncultured epidermal cell suspension for the treatment of recalcitrant segmental vitiligo in a solid‐organ transplant recipient. An Bras Dermatol. 2020;95:257–8.

Trabalho realizado na Clínica Tarlé, Curitiba, PR, Brasil.

Copyright © 2020. Sociedade Brasileira de Dermatologia
Idiomas
Anais Brasileiros de Dermatologia (Portuguese)

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas
en pt
Cookies policy Política de cookies
To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.